Colégio de Santo António da Estrela / Junta de Freguesia de Almedina

IPA.00000991
Portugal, Coimbra, Coimbra, União das freguesias de Coimbra (Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e São Bartolomeu)
 
Igreja de colégio franciscano capucho, secularizada, com fachada de linhas simples, onde a primitiva galilé desapareceu, dando lugar a um portal neo-manuelino com motivo predominante de cordas, apresentando semelhanças formais com o portal da Casa dos Alpoins (v. PT030603020157) que lhe fica defronte, podendo constituir um reaproveitamento de fragmentos manuelinos provenientes do Palácio dos Cunhas, condes de Pombeiro da Beira, localizado nas imediações. É de planta retangular seguindo a tipologia mais simples dos edifício integráveis na Província da Conceição, composta por nave, para onde abre uma capela lateral, e capela-mor mais estreita, com coberturas diferenciadas em falsas abóbadas de berço, assentes em cornija, iluminada, uniformemente na capela-mor por janelas rasgadas nas fachadas laterais e pelos vãos da fachada principal. Fachadas com cunhais em cantaria, de silhares almofadados, firmados por pináculos piramidais com bola, tipicamente seiscentistas, rematadas em beirada simples. Fachada principal em frontão sem retorno, truncado superiormente pelo plinto da primitiva cruz, com frontão ocupado por amplo óculo circular com moldura de cantaria, possuindo galilé de acesso ao templo, com portal axial, Capela do Senhor dos Passos e ligação à portaria, por vãos de verga recta. Ao contrário do esquema comum da Província, possui apenas um nicho flanqueado por duas janelas, costumando aparecer uma janela ladeada por dois nichos. Sobre a fachada lateral, sineira em cantaria, de arco de volta perfeita, assente em pilastras, com remate barroco, de perfil contracurvo, possuindo pináculos e o sustentáculo da cruz. Interior com coro-alto em arco em asa de cesto, sustentado por pilares toscanos, todos com vestígios de policromia, com guarda metálica, possuindo armário embutido na parede. No lado do Evangelho, três vãos rectilíneos, correspondentes aos primitivos confessionários e púlpito quadrangular, assente em mísula de cantaria, com acesso por porta de verga recta. No lado oposto, capela lateral com acesso por arco de volta perfeita assente em pilastras toscanas, com cobertura em falsa abóbada de berço e possuindo retábulo de cantaria de estilo barroco, dedicada a Nossa Senhora das Dores. O retábulo tem nichos na zona superior, para permitir a inclusão de um sacrário e a exposição do Santíssimo, aparecendo, no altar, duas palmas em aspa, alusão às imagens que ladeavam o orago. Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas, flanqueado pelos vãos semelhantes dos primitivos retábulos colaterais. Capela-mor elevada por três degraus de cantaria e onde existe um ressalto para introdução da tribuna do retábulo, iluminada por janela. Os vãos apresentam vestígios de policromia. A nave já não possui os azulejos que a decorava, certamente de figura avulsa, de que existiam vestígios na argamassa do mesmo.
Número IPA Antigo: PT020603020036
 
Registo visualizado 312 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Educativo  Colégio religioso    

Descrição

Planta longitudinal composta por nave, para onde abrem, confrontantes, dois vãos profundos, e capela-mor mais estreita, com pequeno corpo saliente no topo, de massa simples, disposta horizontalmente, com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, flanqueadas por cunhais em cantaria almofadada, firmados por pináculos piramidais com bola, tendo no do lado direito da fachada principal uma gárgula de canhão, sendo rematadas em beirada simples. Fachada principal voltada a E., rematada em frontão triangular sem retorno, truncado no topo por pequeno plinto, que sustentava a cruz desaparecida, com o tímpano rasgado por amplo óculo circular com moldura de cantaria. Possui portal *1 apoiado em plintos cilíndricos lisos onde assentam bases facetadas côncavas de dois andares de onde se elevam os colunelos torsos que constituem as molduras dos pés-direitos do portal, facetados lisos; os capitéis são esculpidos em forma de duplo enrolamento de corda preso com laçada pelo interior dos elos; o arco, de toros igualmente torsos, é de perfil deprimido elevando-se no fecho em conopial atado com nó de corda semelhante aos capitéis, embora mais alto, de que emerge pequena mísula em taça decorada com meias-esferas; sob o arco um pseudo-tímpano inferiormente recortado em arco polilobado em cujo fecho se salienta pedra de armas com escudo de ponta, liso, enquadrado por filactera com vestígios de policromia, epigrafada com a inscrição: "SPES MEA IM DEO ESTE". Sobre o portal, nicho em arco de volta perfeita, assente em pilastras toscanas e de fecho saliente, com o interior coberto por abóbada de concha *2; está ladeado por duas janelas rectilíneas em capialço, com molduras de cantaria. Fachada lateral esquerda, virada a S., com vestígios de uma janela entaipada na nave e com uma janela em capialço na capela-mor. Sobre o corpo da capela-mor, sineira em cantaria de granito aparente, em arco de volta perfeita, com moldura saliente, rematada por cornija contracurva, um pináculo e o arranque de um outro, com o pedestal da cruz ao centro. Fachada lateral direita, virada a N., rasgada por janela rectangular no corpo da capela-mor. Fachada posterior com as empenas visíveis da capela-mor, arco triunfal e saliência posterior, com pequena janela quadrangular. INTERIOR com a nave rebocada e pintada de branco, com as paredes marcadas por cornija a meia-altura, com cobertura em falsa abóbada de berço assente em cornija e pavimento em soalho. Coro-alto em arco asa de cesto, sustentado por quatro pilastras angulares, todas com vestígios de policromia, com guarda metálica e escadas de acesso em caracol, também metálicas *3. No lado do Evangelho, a porta de acesso à mesma e, no oposto, um armário embutido na parede, ambos rectilíneos e com molduras de cantaria. No lado do Evangelho, três confessionários rectilíneos, com molduras simples em cantaria *4, surgindo, elevado, vestígios da base do púlpito, com a antiga porta de acesso, emoldurada a cantaria de granito e recortada, com florão na verga, encimada por pequeno espaldar volutado. No lado da Epístola, um vão em arco de volta perfeita, assente em pilastras toscanas e com vestígios de policromia, dá acesso à antiga capela lateral, com pavimento em lajeado e cobertura em falsa abóbada de berço, rebocada e pintada de branco, possuindo um retábulo em cantaria de calcário *5. Fronteira, a antiga porta de acesso à zona do colégio, possuindo uma pia de água benta. Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas, com vestígios de policromia, com pedra de fecho saliente e volutada, sustentando mísula *6. É ladeado por dois vãos em arco de volta perfeita, assentes em colunas toscanas, com vestígios de policromia, correspondentes às primitivas capelas colaterais *7. Capela-mor elevada por três degraus de cantaria, com paredes rebocadas e pintadas de branco, cobertura em falsa abóbada de berço e pavimento em lajeado. Possui arco de volta perfeita em cantaria, que marcava a existência do retábulo-mor *8.

Acessos

Rua da Estrela, entre os n.ºs 76 e 78 da Rua de Fernandes Tomás e o actual edifício do Governo Civil

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 2/96, DR, 1ª série - B, nº 56 de 6 março 1996

Enquadramento

Urbano, situado na encosta O. da cidade, num terreno muito acidentado, junto à antiga muralha, com fachada principal virada para um arruamento, pavimentado a cubos de granito, separado por pequeno passeio estreito. Encontra-se adossado, a N., a edifício de quatro pisos e, a S., a capela particular pertencente ao Governo Civil (v. PT030603020163) que se encontra implantada no interior de um pátio arborizado e murado, com acesso por portão de ferro encostado ao imóvel. Surge fronteira à Casa dos Alpoins (v. PT030603020157).

Descrição Complementar

Capela lateral com retábulo de planta recta e um eixo definido por duas colunas toscanas, dividido em dois registos, o superior com três nichos, o central de maiores dimensões, surgindo, no inferior, um sacrário; remata em frontão semicircular e tem altar em forma de urna, ornado por duas palmas em aspa.

Utilização Inicial

Educativa: colégio religioso

Utilização Actual

Política e administrativa: junta de freguesia

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 18 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Frei Francisco de Jesus Maria (1715-1725).

Cronologia

1537, 25 Outubro - a Câmara concede a Diogo de Castilho uns terrenos em Almedina, para construção de casas; 1705, 24 Abril - nascimento da Real Província da Conceição *9, por Breve de Clemente XI; D. Pedro II envereda esforços para conseguir um edifício para a fundação de um colégio para a nova Província; 1707, 17 Janeiro - perante a morte de D. Pedro II, o seu filho, D. João V, emitiu um alvará de fundação do Colégio, instalado no palácio da Rua das Fangas, pertencente a D. Martinho de Mascarenhas, marquês de Gouveia; o edifício, que incluía um torreão do troço da muralha de Belcouce, foi doado pelo fidalgo, ficando a coroa encarregue de sustentá-lo, com a dádiva anual de 70$000; 20 Agosto - início do funcionamento do Colégio, com direitos semelhantes ao de Santo António da Pedreira, da Província Capucha de Santo António; 1715, 29 Maio - lançamento da primeira pedra, lançada por D. António de Vasconcelos e Sousa; o projecto terá sido da autoria de Frei Francisco de Jesus Maria, natural de Vila Real; 1717 - a igreja encontra-se concluída, sendo rezada a primeira missa; colocação de azulejos de figura avulsa no interior do templo; 1752, 26 Agosto - o colégio passa a integrar o núcleo da Universidade de Coimbra, por pedido de Frei António das Chagas dirigido a D. José; 1834 - extinção das Ordens Religiosas, ficando o colégio abandonado; inventários dos bens do colégio; 1835, 7 Janeiro - venda de todos os bens móveis em hasta pública; 1947 - a igreja, então pertença da Junta de Freguesia, estava arrendada a uma agência funerária que ocupava a parte dianteira da mesma, sendo a zona posterior utilizada para habitação dos arrendatários; obras de reforma da fachada, com demolição da galilé e colocação de um portal manuelino, oriundo de outro local ou de outro imóvel; séc. 20, final - instalação dos serviços da Junta de Freguesia de Almedina no local.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria de calcário e de tijolo, rebocada e pintada; pilares, base do púlpito, portal, modinaturas, cruzes, pináculos, pavimento da capela-mor, pilastras e retábulo em cantaria de calcário de Coimbra (Dolomia); estrutura do telhado em madeira; pavimento da nave em Riga; guarda do coro e escadas em aço inoxidável; janelas com vidro simples.

Bibliografia

ALMEIDA, Fortunato de, História da Igreja em Portugal, vols. I e II, Porto, Livraria Civilização Editora, 1968; ARAÚJO, António de Sousa (Frei), Antoninhos da Conceição - dicionário de capuchos franciscanos, Braga, Editorial Franciscana, 1996; CAMPOS, Ayres de, Índices e Sumários, fasc. II, Coimbra, 1869; CORREIA, Vergílio, GONÇALVES, Nogueira, Inventário Artístico de Portugal - Cidade de Coimbra, Vol. III, Lisboa, 1947; FIGUEIREDO, Ana Paula Valente, Os Conventos Franciscanos da Real Província da Conceição - análise histórica, tipológica, artística e iconográfica, [tese de doutoramento], 3 vols., Lisboa, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2008; JOSÉ, Frei Pedro de Jesus Maria, Chronica da Santa, e Real Provincia da Immaculada Conceição de Portugal da mais estreita e regular Observancia do Serafim Chagado S. Francisco, 2.ª ed., 2 vols., Lisboa, Officina de Miguel Manescal da Costa, MDCCLX (1760); LUÍS, Frei António de São, Mestre de ceremonias, que ensina o rito Romano e Serafico aos religiosos da Reformada, e Real Província da Conceição no Reino de Portugal, exposto em duas unicas classes, 3.ª ed. acrescentada, Lisboa, Officina de Simão Thaddeo Ferreira, MDCCLXXXIX (1789); NATIVIDADE, Frei Manoel e ROZA, Frei João de Santa, Estatutos da Província da Conceyção no Reyno de Portugal, Coimbra, Officina Luiz Seco Ferreira, MDCCXXXV (1735); Passado ao Espelho - Máquinas e imagens das vésperas e primórdios da Photographia, Coimbra, Museu da Física da Universidade de Coimbra, 9 de Janeiro - 10 de Fevereiro de 2006; Revelar Coimbra, Coimbra, Museu Machado de Castro, 27 de Junho a 16 de Setembro de 2001; VASCONCELOS, António de, Colégio de Santo António da Estrela in Escritos Vários, vol. I, Coimbra, 1938; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/73254 [consultado em 12 agosto 2016].

Documentação Gráfica

CMC; IPPAR

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

CMC; IPPAR; CMC; IPPAR; BPMP: Crónica da Provincia da Conceição, 1737, FA - 69; AUC: Colégios e Conventos vários, Cota provisória - D-V

Intervenção Realizada

IPPAR / CMC: séc. 20- reconstrução da cobertura com substituição da estrutura em aço e madeira, e renovação do sistema de drenagem de águas das caleiras; renovação dos paramentos interiores; substituição do pavimento; substituição de caixilharia existente por molduras em aço inoxidável; construção de uma instalação sanitária; substituição da rede eléctrica; restauro da porta principal.

Observações

*1 - a fachada principal possuía um arco, formando galilé, com acesso à Capela do Senhor dos Passos, à portaria e ao portal axial, como é usual no mundo capucho. *2 - neste nicho, integrava-se a imagem de Santo António, de pequenas dimensões. *3 - no coro-alto, para além de um cadeiral, existiam duas estantes, um candeeiro de latão e oito quadros pintados sobre tela, com temática desconhecida; existia, ainda, um relógio; no sub-coro, um guarda-vento de talha dourada, com vidraças na zona superior. *4 - esta zona de confissão era complementada pela existência de grades-confessionários em pau-preto, com dois confessionários de correr no meio e dois fixos nos extremos. *5 - na Capela de Nossa Senhora das Dores surgia a imagem do orago, com túnica e manto de seda matizada de ouro, com o nicho protegido por vidraça, ladeada pelas esculturas em terracota de São Brás e Santa Luzia; sobre a banqueta seis castiçais de madeira, um Crucificado, uma arandela e uma sacra; numa das ilhargas, um armário com duas gavetas, onde se arrecadavam objectos de culto. *6 - na mísula do coro-alto, existia um Crucificado protegido por uma sanefa, contrastando com os demais edifícios da Província, todos com um Calvário completo. *7 - as capelas possuíam retábulos de talha pintada e dourada, com colunas brancas e douradas, sendo o do lado do Evangelho dedicado a Santo António, com uma imagem do orago com o Menino, e a oposta a Nossa Senhora da Conceição, tendo esta uma veste branca e manto de seda azul, com véu de seda com franja de ouro; sobre os latares, surgiam, no primeiro seis castiçais de madeira e um Crucificado e, no segundo, seis castiçais de estanho e um Crucificado de madeira. *8 - o retábulo-mor tinha colunas pintadas de branco e dourado, evidenciando que teria três eixos, o central com uma tribuna, onde surgia uma tela pintada a representar Nossa Senhora da Conceição, flanqueada, nos eixos laterais, pelas imagens de madeira de São Francisco e São João de Deus; Na base da tribuna, um sacrário e uma banqueta de seis castiçais de madeira dourada; a ladear a estrutura, uma mesa e dois armários, que serviam de credencia. *9 - fazem parte da Província os seguintes Conventos: Santa Maria de Mosteiró (v. PT011608030013), Santa Maria da Ínsua (v. PT011602120133), São Francisco de Viana (v. PT011609310047), Santo António de Ponte de Lima (v. PT011607350252), Santo António de Viana (v. PT011609310048) Santo António de Caminha (v. PT011602070044), São Bento de Arcos de Valdevez (v. PT011601340059), São Bento e Nossa Senhora da Glória de Monção (v. PT011604170011), Nossa Senhora da Conceição de Melgaço (PT011603180044), Santo António do Porto (v. PT011312120035), São Francisco de Lamego (v. PT011805010074), São Francisco de Orgens (v. PT021823190031), São Francisco de Moncorvo (v. PT010409160053), São Francisco de Vila Real (v. PT011714240091), Santo António de Serém (v. PT020101120131), Santo António de Viseu (v. PT021823240358), Santo António de Viana, Santo António de Vila Cova de Alva (v. PT020601180012), Santo António de Pinhel (v. PT020910170012), São José de São Pedro do Sul (v. PT021816140005), Convento do Senhor da Fraga (v. PT021817040031), Colégio de Santo António de Coimbra (v. PT020603020163) e o desaparecido Hospício de Lisboa.

Autor e Data

Lina Oliveira 2003 / Paula Figueiredo 2009

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login