Ponte Vasco da Gama

IPA.00009859
Portugal, Lisboa, Lisboa, Parque das Nações
 
Arquitectura de comunicações e transportes, do séc. 20. Ponte estaiada ou atirantada de tipo leque.
Número IPA Antigo: PT031107120026
 
Registo visualizado 57 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Transportes  Ponte / Viaduto  Ponte rodoviária  Tipo viga e cabos sob tensão

Descrição

Ponte de estrutura em betão com tabuleiro atirantado por cabos às torres principais. A ponte Vasco da Gama Ponte tem seis faixas de rodagem e é composta pela Ponte Principal e seis viadutos de acesso, a sua dimensão total é de 17,185 km. A ponte principal tem 829 m, um vão central de 420 m e vãos laterais de 203 m. As torres centrais medem 150 m de altura e o tabuleiro está 47 m acima do nível da água na zona do canal de navegação denominado Cala do Norte. Os viadutos de acesso à ponte são: os nós de Sacavém e da Variante à EN10; o Viaduto Norte com 488 m; o Viaduto da Expo com 672 m; o viaduto Central com 6.351m sobre 81 pilares duplos de vigas pré-fabricadas; o Viaduto Sul com 3.825 m constituído por um tabuleiro duplo com vãos de 45 m apoiado em dois pares de vigas de lançamento; e o acesso Sul com 3,9 km onde se inclui a Praça da Portagem.

Acessos

A1; CRIL; Segunda Circular; A12; IC32

Protecção

Incluido na Zona de Proteção Especial do Estuário do Tejo (Rede Natura 2000)

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado sobre o Rio Tejo, ligando ambas as margens do mesmo, desenvolvendo-se no lado de Lisboa a E. do Parque das Nações entre Moscavide e Sacavém e liga a margem junto a Alcochete.

Descrição Complementar

A ponte Vasco da Gama foi projetada para aliviar o congestionamento de tráfego na Ponte 25 de Abril de a direccionar o tráfego de veículos pesados para fora da cidade de Lisboa. O projeto desenvolveu-se num curto prazo de execução de forma a ser inaugurado a tempo da Exposição Mundial de 1998 em Lisboa.

Utilização Inicial

Transportes: ponte

Utilização Actual

Transportes: ponte

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Lusoponte - Concessionária para a Travessia do Tejo, S.A.

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

CONSTRUTOR: Lusoponte, SA (Mota-Engil; da Vinci; Atlantia; Teixeira Duarte); ENGENHEIROS: consórcio: Kvaerner Technology Ltd.; EEG - Europe Etudes Gecti; Coba - Consultores para Obras, Barragens e Planeamento; Proponte - Projectos de Pontes e Estruturas Especiais; FISCALIZAÇÃO: consórcio Tejo Ponte Control - A2P Consult; Estudos e Projectos Lda; Hyder Consulting Ltd.; Provia Consultores de Engenharia Lda.; Tudor Engineering Company.

Cronologia

1991 - decisão do Governo Português em construir a segunda travessia da cidade de Lisboa sobre o Tejo; constituição do GATTEL - Gabinete para a Travessia do Tejo em Lisboa, para estudo da localização e coordenação da construção da ponte; 1994, abril - consórcio LUSOPONTE, SA (constituída pelas empresas Mota-Engil - 38%, da Vinci - 37%; Atlantia - 17,5%; Teixeira Duarte - 7,5%) ganha o concurso público internacional para a concessão do projeto, construção, financiamento e exploração da nova travessia; 1995, 24 março - assinatura do primeiro contrato entre o Estado Português e a Lusoponte, representado pelo Eng.º Joaquim Ferreira do Amaral; 1995, fevereiro - início da construção da Ponte Vasco da Gama; 1998, 29 maço - abertura ao tráfego da Ponte Vasco da Gama.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante

Materiais

Betão armado

Bibliografia

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Filomena Bandeira 2001 / Rita Vale 2013

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login