Igreja Paroquial de Figueira dos Cavaleiros / Igreja de São Sebastião

IPA.00009826
Portugal, Beja, Ferreira do Alentejo, Figueira dos Cavaleiros
 
Arquitectura maneirista, popular, vernácula, barroca. Igreja paroquial de uma nave de 4 tramos e capela-mor, totalmente abobadada, inserida numa tipologia corrente na arquitectura maneirista regionalmente implantada, com feição popular, vernácula muito notória. Frontaria com sóbrio portal maneirista, enriquecida por acréscimos barrocos. Destacam-se a elegância e originalidade da abóbada da nave, de concepção erudita, onde coexistem arcos-diafragma e penetrações correspondentes às capelas laterais.
Número IPA Antigo: PT040208030017
 
Registo visualizado 159 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal escalonada, composta por nave e capela-mor mais estreita, a que se adossam à esquerda a torre sineira, várias dependências; capela funerária adossada à cabeceira. Volumes articulados. Coberturas diferenciadas em telhado de duas águas na nave e para a capela funerária, de uma água na sacristia e nas dependências anexas e em coruchéu na torre sineira. Fachada principal orientada, de um pano definido por soco pintado a azul, rematada por empena triangular escalonada com campanário ao jeito de espadana encimado por cruz de ferro forjado e urnas sobre plintos nos acrotérios; portal de cantaria de verga recta sobrepujado por frontão interrompido onde se inscreve uma cruz em argamassa relevada sobre composição de volutas encimada por óculo circular; à esquerda, a torre sineira é rasgada por uma janela em arco de volta perfeita emoldurada, preenchida por vitral e encimada por mostrador de relógio; remate em platibanda saliente; coruchéu encimado por cata-vento de ferro forjado. Alçado lateral S. com o volume cego da nave, com embasamento formando poial, rematado por beirado, seguido do volume da capela-mor e da capela funerária, com embasamento duplo saliente, rasgado por duas janelas e uma porta e rematado por beirado. Alçado E. com embasamento duplo saliente, rasgado por janela e rematado por empena simétrica coroada por cruz de ferro forjado. Alçado lateral N. com soco pintado a azul, rasgado por uma janela engradada com moldura de cantaria, seguida da porta de acesso à sacristia, que é antecedida por escada com murete de alvenaria, duas frestas e três janelas, rematado por beirado; alçado da torre sineira idêntico ao alçado O., rasgado por porta. INTERIOR: nave coberta por abóbada de berço com penetrações que arranca de cornija, dividida em quatro tramos por arcos-diafragma. Pia de água benta de cantaria à direita de quem entra. Alçados da nave rasgados de cada lado por quatro arcos de volta perfeita que penetram na abóbada. Do lado do Evangelho no primeiro arco eleva-se a pia baptismal de cantaria, no segundo arco rasga-se a porta de acesso à sacristia, tendo à direita pia de água benta de cantaria, e nos terceiro e quarto arcos existem mesas de altar em madeira, possuindo a última um nicho em arco de volta perfeita. Do lado da Epístola, o segundo, o terceiro e o quarto arcos possuem mesas de altar de madeira, tendo a última um nicho rasgado na parede. Arco triunfal de volta perfeita assente em cornija e degrau. Capela-mor com altar de cantaria, sendo os alçados laterais rasgados por arcos de volta perfeita; do lado da Epístola rasga-se uma janela.

Acessos

Largo da Igreja, Rua da Igreja e Rua de Lisboa

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, em destaque, num largo, na confluência deste com duas ruas.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Beja)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 17

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Séc. 16 - construção; séc. 17 - remodelação do alçado principal, incluindo o portal; 1940, década de - obras na consequência de um incêndio que devastou a igreja , nomeadamente a torre sineira, dependências anexas e frontaria; 2002, 11 de dezembro - Deliberação da Assembleia Municipal de classificação como IM - Interesse Municipal; 2003, 29 de setembro - Aviso n.º 7515/2003, DR, 2.ª série, n.º 225, Apêndice, n.º 147, pelo qual a Câmara Municipal torna público que deliberou a classificação como IM - Interesse Municipal; a classificação foi considerada nula pelo IPPAR dado a CM não ter competência para o efeito.

Dados Técnicos

Estrutura mista

Materiais

Paredes de alvenaria de pedra e cal, rebocadas e pintadas, portal e elementos secundários de cantaria, telhado de telha de aba e canudo, pavimentos interiores de mosaico hidráulico

Bibliografia

ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Beja, vol. 1, Lisboa, 1992

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Fábrica da Igreja Paroquial de Figueira dos cavaleiros: 1950, década de - recuperação geral; 1991- 1992 - conservação geral, remodelação da torre sineira.

Observações

Autor e Data

José Falcão e Ricardo Pereira 1999

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login