Hospital e Igreja do Espírito Santo / Hospital da Santa Casa da Misericórdia de Santiago do Cacém / Museu de Arte Sacra do Arciprestado

IPA.00009774
Portugal, Setúbal, Santiago do Cacém, União das freguesias de Santiago do Cacém, Santa Cruz e São Bartolomeu da Serra
 
Arquitectura religiosa e civil, vernácula, manuelina, barroca, rococó. Hospital de misericórdia provavelmente com capela anexa Edifício de carácter marcadamente utilitário que conserva no piso térreo vestígios da construção primitiva da época manuelina, com destaque para as duas colunas anãs. A fachada principal, resultante da reconstrução posterior ao terremoto de 1755, patenteia uma graciosidade e um dinamismo plásticos característicos da arquitectura barroca regionalmente implantada e denotam um particular cuidado urbano ao harmonizar-se com os edifícios públicos envolventes, reconstruídos na mesma época. Na fachada da igreja, a empena polilobada, o janelão de verga curva coroada por concheados e a cartela enquadrada por concheados e volutas são elementos bem característicos do gosto rococó regionalmente implantado, animando uma fachada plana e despojada, como é característico da arquitectura popular da região. O conjunto revela uma preocupação de tratamento comum, de gosto rococó, numa invulgar solução urbanística resultante da reconstrução dos diversos edífícios após o terramoto de 1755. A particular elegância compositiva da fachada da igreja, onde são patentes elementos de raiz erudita do Rococó, em perfeito equilíbrio com as constantes da arquitectura popular.
Número IPA Antigo: PT041509060008
 
Registo visualizado 476 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Saúde  Hospital  Hospital de Confraria / Irmandade  Misericórdia

Descrição

Planta composta pelos corpos da igreja e do hospital, adossados paralelamente um ao outro, de plantas longitudinais, a da igreja composta pela nave, capela-mor escalonada e sacristia adossada a NE., a do Hospital simples. Volumes articulados, massas dispostas na horizontal com cobertura diferenciada em telhado de duas águas para a igreja e hospital e de uma água na sacristia. Fachadas principais voltadas a SO.. IGREJA: fachada principal de um pano definido por cunhais de alvenaria rebocada e pintada, embasamento pintado e remate superior em empena contracurvada; ao centro rasga-se portal de verga recta com extremidade curvas e moldura de cantaria, encimado por janelão com molduras de cantaria e verga curva rematado por ornato concheado; ao cimo cartela de cantaria enquadrada por volutas e rematada por concheado na qual se inserem as armas dos franciscanos. Alçado NO. de dois panos separados por contraforte cilíndrico, embasamento pintado e remates em platibanda; o primeiro pano é rasgado por janela rectangular envidraçada; o 2º pano é rasgado por duas janelas e óculo circular. Alçado SE. adossado ao edifício do hospital. Alçado NE., com remate em empena triangular, adossado a edifícios da malha urbana. Embasamentos, cunhais e cornijas pintados a amarelo pardo. INTERIOR: nave coberta por telha vã sobre estrutura de madeira; cada alçado é rasgado por dois arcos de volta perfeita, sendo os do lado do Evangelho rasgados por duas janelas e os do lado da Epístola cegos. Acesso à capela-mor por arco triunfal de volta perfeita. Capela-mor coberta por abóbada de berço; mesa de altar de alvenaria; do lado da Epístola rasga-se porta de acesso à sacristia *. HOSPITAL: fachada principal de um pano definido por cunhais, embasamento saliente, remate em empena contracurvada truncada no vértice; porta, descentrada, de verga recta com molduras de cantaria, ladeada superiormente por duas janelas de verga recta adintelada e molduras de cantaria; sob a janela esquerda, ao nível do pavimento do adro, uma outra janela, correspondente à roda dos expostos, com molduras de cantaria; à esquerda, rasgando o cunhal, nicho rectangular, de molduras idênticas; superiormente, ao centro da empena, rasga-se falsa janela, com molduras e verga recta adintelada em argamassa fingindo cantaria; portadas almofadadas de alvenaria, rebocadas e pintadas, fingindo madeira. Alçado SE. de um pano definido por cunhais e rematado por cornija, rasgado por três portas ao nível do piso térreo, sendo a terceira enquadrada por pequenas frestas, abrindo-se duas janelas ao nível do primeiro andar. Alçado NO. adossado ao edifício da igreja. Alçado NE., com remate em empena triangular, tendo adossada a Torre do Relógio. INTERIOR: conservam-se, ao nível térreo, dois arcos abatidos, assentes em colunas anãs, oitavadas, com bases chanfradas, tudo em alvenaria de tijolo.

Acessos

Praça Conde do Bracial, nº 3

Protecção

Incluído na Zona Especial de Protecção do Pelourinho (v. PT041509060004)

Enquadramento

Urbano, na praça central da povoação, precedido por adro elevado, lajeado; edifício do Hospital adossado a NE. à Torre do Relógio (PT041509060015) e com a fachada SE. abrindo para a cabeceira da Igreja da Misericórdia (v. PT041509060019 ). O conjunto de Igreja e Hospital forma gaveto de quarteirão abrindo a fachada principal sobre a praça ao centro da qual se destaca o Pelourinho (v. PT041509060004), os Antigos Paços do Concelho (v. PT041509060016), o Antigo Edifício da Admnistração do Concelho (v. PT041509060055), o Palácio Avilez (v. PT041509060036); a N. a Sociedade Harmonia (v. PT041509060048).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Saúde: hospital de confraria / irmandade

Utilização Actual

Religiosa: igreja / Cultural e recreativa: museu

Propriedade

Privada: sociedade (hospital) / Privada: pessoa singular (igreja)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Eduardo Souto Moura (2000).

Cronologia

Séc. 14, 1ª metade - primitiva construção erguida sob o patrocínio de D. Vataça Lascaris, senhora de Santiago do Cacém, e que teria estado na origem do antigo Hospital do Espírito Santo (FALCÃO, 1991); Séc. 16, inícios - a instituição passa para a alçada da Misericórdia de Santiago do Cacém (v. PT041509060019 ); Carlos Soares considera que neste local teria sido construído o primeiro hospital da Misericórdia, criado com a fundação da própria Misericórdia; 1752 - a Misericórdia cede a igreja aos Irmãos da Ordem 3ª de São Francisco, tendo-se então verificado a reconstrução do primitivo templo medieval; 1755, 01 Novembro - o hospital é afectado pelo terramoto sendo que a igreja não surge referida na descrição dos templos danificados; 1760 - reconstrução do Hospital após o terramoto (SILVA, 1969); 1780 - segundo o Pe. António de Macedo e Silva, nesta data "juntou-se" ao Hospital " a antiga casa da câmara, que era onde hoje estão as enfermarias" (SILVA, 1969);1844 - reedificação do Hospital (SILVA, 1969); 1858, 11 de Novembro - segundo a descrição do sismo ocorrido neste dia, todos os templos da vila, sem excepção, teriam ficado arruinados; 1869 - os bens do Hospital estão "confundidos com os da Misericórdia que para ele supre com o necessário" (SILVA, 1969); Séc. 19 - profanação da igreja; séc. 20, inícios - adaptação da igreja a garagem, com alargamento da porta principal e abertura das janelas da fachada lateral; 200o instalação do Museu de Arte Sacra no edifício do hospital.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Paredes de alvenaria de pedra e cal rebocadas e pintadas, molduras de vãos e lelementos secundários de cantaria, caixilharias de madeira e ferro, telhados em telha de canudo, pavimentos de tijoleira..

Bibliografia

ALMEIDA, D. Fernando de, Ruínas de Miróbriga dos Célticos (Santiago do Cacém), Setúbal, edição da Junta Distrital, 1964; FALCÃO, Bernardo, Memórias sobre a Antiga Miróbriga, Ms. de finais do Séc. 18, (no prelo); LEAL, A. S. A. B. de Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Vol. IX, Lisboa, 1880; SILVA, António de Macedo e, Annaes do Municipio de Sant'Iago de Cacem, Beja, 1866, 2ª ed., Lisboa, Imprensa Nacional, 1869; SOARES, Carlos, Santa Casa da Misericórdia de Santiago do Cacém, s.d.; SOBRAL, Carlos e MATIAS, José,Património Edificado de Santiago do Cacém - Breve Inventário, CMSC, Santiago do Cacém, 2001.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMSC: Gabinete de Património e Recuperação

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMSC: Gabinete de Património e Recuperação

Documentação Administrativa

CMSC: Gabinete de Património e Recuperação; IANTT: Dicionário Geográfico, Memórias Paroquiais, 1758, vol. 9, f.1218 - 1220; Arquivo Municipal de Santiago do Cacém: Livro de Actas de Verações de 5 de Julho de 1856 a 25 de Maio 1859, f. 154v..

Intervenção Realizada

Proprietário: 2002 - pintura geral da igreja; CMSantigo do Cacém: 2000 - conclusão das obras de adaptação do edifício do hospital a museu com projeto do arquiteto Eduardo Souto Moura.

Observações

*1 - segundo Macedo e Silva, no interior do templo enterravam-se os pobres falecidos no Hospital e nele esteve a sepultura de Diogo de Vasconcellos.

Autor e Data

José Falcão e Ricardo Pereira 1999

Actualização

Rosário Gordalina 2005
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login