Cemitério Britânico / The British Factory Cemetery / Old Burial Ground

IPA.00009749
Portugal, Ilha da Madeira (Madeira), Funchal, Funchal (Sé)
 
Cemitério neoclássica, revivalista e ecléctica, inglês de planta semi-trapesoidal irregular, estruturado em vários talhões por muros altos, com portais neoclássicos e revivalistas, integrando nas faces interiores arcosólios e placas funerárias, e com campas dispostas paralelamente, concebidas com maior ou menor simplicidade, com elementos funerários barrocos, neoclássicos, neogóticos e de "fim de século". Possui ainda capela revivalista de planta rectangular, com fachadas laterais em empena e fachada principal de 3 panos e janelas de gosto neogótico.
Número IPA Antigo: PT062203100070
 
Registo visualizado 245 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto arquitetónico  Edifício e estrutura  Funerário  Cemitério    

Descrição

Planta semi-trapesoidal, irregular, cortada transversalmente por pequena alameda bordeada de palmeiras, a nascer na antiga porta sobre a Ribeira, definindo 3 talhões de cemitério e, a três quartos, por muro paralelo à R. da Carreira, onde se inscreve o grande portal interior e muro perpendicular a S. delimitando para esse lado o cemitério antigo e ao centro, o jardim de entrada, com canteiros, delimitado a O. pela capela mortuária. Acesso por portão inscrito em muro pintado a cinza e rematado a cantaria, encimado por gradeamento, prolongando-se para O., sobrelevado junto à capela mortuária e com porta de moldura em cantaria cinzenta de acesso à residência do guarda; muro virado a O. cego e alto pintado a ocre e com embasamento a cinza, rematado por faixa relevada pintada a branco; ao centro, dois pilares de alvenaria sobrelevados, com embasamento mais alto e em cantaria, rematados por cimalha também de cantaria e encimados por pináculos; definem pequeno átrio de entrada, gradeado, onde se inscreve, recuado, portal de cantaria, com pilastras, bases e capitéis ressalvados, arco de volta perfeita rematado por filete relevado, friso decorado com rosáceas e argolas e cornija, onde assenta frontão contracurvado, com placa de mármore com a data: "MDCCLXV" no tímpano e encimado por cruz. CAPELA mortuária de planta rectangular e nave única, coberta a telhado de 2 águas e telha de canudo; fachadas rebocadas e pintadas de branco, a imitar cantaria, embasamento pintado a cinza, e remate por filete de alvenaria e cornija pintados a cinza; fachada virada a S. de 3 panos, com o central avançado e terminado em empena, com portal de arco apontado com moldura de cantaria, decorado com friso superior duplo, pintado a cinza, e portadas de almofadas de madeira; encima-o rosácea cega em cantaria cinzenta regional tendo ao centro cruz grega e remate relevado de alvenaria pintado a cinza. Do lado O. do portal, placa de mármore negro com as legendas "To The Memory of Those Who Died in The Service of Their Country" e "Lest we forget". Panos laterais com janela dentro do mesmo gosto da porta, com vidros em losango coloridos e caixilharia de chumbo. Fachadas N. e S. em empena, com janelas geminadas triplas de arcos quebrados, com o central mais alto encimados por friso em arco abatido dentro do gosto dos restantes; algerozes laterais de folha "de flandres" pintados a branco; fachada virada a N. com 3 janelas mais simples mas dentro do mesmo gosto, definindo corredor alpendrado com a residência do guarda. INTERIOR de nave única, muito simples, coberto por abóbada de meia cana pintada a branco e decorada com nervuras. Casa do guarda de 2 corpos com coberturas de telhado de 4 águas em telha de canudo, sendo o O. de 2 pisos e dentro do espírito da capela mortuária, e o E. de um piso e dentro da tradição regional. Átrio do cemitério ajardinado e demarcado por muro virado a E. onde se insere imponente portal de cantaria cinzenta regional, rematado por entablamento com cornija e frontão triangular encimado por escudo e cruz de hastes trilobadas e, perpendicular a este, muro delimitando a parte mais antiga, com portal mais baixo e simples, encimado por cruz simples. Ruas empedradas a calharu rolado miúdo formando losangos. Na face interna dos muros adossam-se lápides ou abrem-se arcosólios e no chão dispõem-se paralelamente campas com placas votivas e outras memórias funerárias, algumas dotadas de esculturas em vulto e baixos relevos, brasões e inscrições relacionadas com a vivência da colónia britânica na Ilha.

Acessos

R. da Carreira, 235

Protecção

Em vias de classificação

Enquadramento

Urbano, murado e gradeado à R. da Carreira, e com portão gradeado apoiado em pilastras de cantaria cinzenta; para a R. João Brito Câmara, murado e com portão fechado a grade e sem utilização, confrontando com casario para O. e com a Câmara Eclesiástica e muro da residência episcopal para E. No topo do outeiro que lhe fica sobranceiro, o Forte de São João Baptista (v. PT062203080017)

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Funerária: cemitério

Utilização Actual

Cultural e recreativa: monumento

Propriedade

Privada: Igreja Anglicana

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1689 - queixa do reverendo anglicano John Ovington da forma como eram tratados os cadáveres dos protestantes "lançados ao mar e entregues às ondas"; 1760 - início das diligências da comunidade anglicana, junto de D. José I, em Lisboa, para a autorização de levantar um cemitério no Funchal; 1761, 3 Jan. - carta do Marquês de Pombal ao governador José Correia de Sá a esse respeito, informando que o rei autorizara a petição da colónia britânica "de comprarem um terreno e fazerem um cemitério", devendo o governador autorizar a aquisição, "fora da cidade, de um pedaço de terra, que for suficiente, para poderem dar sepultura aos seus naturais, na mesma forma que se pratica nesta Corte"; 1765 - início das diligências no Funchal; 1777, 13 Mai. - instrumento de compra a D. Antónia Rosa Tavares de um terreno fora das muralhas da cidade e junto a São Paulo, sendo procurador o padre José Joaquim Teixeira, do Estreito de Câmara de Lobos; 13 Mai. - posse do terreno; 1778, 14 Mar. - registo na Câmara Municipal do Funchal; 1806 - data da mais antiga pedra de armas tumular, do comerciante James Murdoc; 1808 - criação de um talhão militar para enterramento dos militares britânicos da força estacionada na Madeira; 1816 - data da pedra de armas tumular do comerciante Thomas Holloway; 1830 - data da pedra de armas tumular do cônsul dos Estados Unidos, Stuart Jackson; 1852 - ampliação do cemitério; 1885 - último enterro na parte antiga, junto ao Lg. Ribeiro Real e actual R. 5 de Junho; 1888, 20 Jul. - falecimento na Quinta Lambert, actual Vigia, do médico e cientista Paul Wilhem Heinrich Langerhans, enterrado depois no cemitério britânico; 1889 / 1890 - cedência à Câmara do espaço hoje ocupado pelo Lg. Ribeiro Real e R. 5 de Junho e ampliação do cemitério, com a construção de um importante portal no interior, passagem do antigo para as margens da Ribeira de São João e construção da capela mortuária; 1988 - homenagem a Paul Langerhans, com colocação de um baixo relevo no cemitério, assinado e datado: "Dorta, 88".

Dados Técnicos

Estrutura autoportante e paredes autoportantes na capela.

Materiais

Cantarias várias europeias, mole e rígida regional aparente, alvenaria de cantaria regional rebocada, madeira ( vinhático, carvalho e outras ), pilares e amarrações mistas de tirantes de ferro, vidro, "folha de flandres" pintada e telha de meio canudo.

Bibliografia

CANNE, Ellen e Florence du, The Flowers and Gardens of Madeira, Londres, 1904 e 1909; NEWELL, lieut.-coronel H. A., The English Church in Madeira now The Churck of The Holy and Undivided Trinity, Oxford, University Press, 1931; NASCIMENTO, João Cabral do, Estampas antigas da Madeira: paisagem, costumes, traje, edifícios, marinhas, Club Rotário do Funchal, 1935; SILVA, Padre Fernando Augusto da, Elucidário Madeirense, 3 vols., Funchal, 1945; CLODE, Luís Peter, Algumas famílias inglesas que passaram a esta Ilha, A.H.M., vol. II, n.º 2, Funchal, 1949, pp. 68 a 76; idem, Registo de alguns brasões de armas de famílias estrangeiras relacionados com a Madeira, DAHM, vol. I, nº 2, Funchal, 1950; SARMENTO, Artur Alberto, Ensaios Históricos da Minha Terra, 3º vol.; Cemitério Inglês, Funchal, 1952, pp. 55 a 58; VIEIRA, Rui e PESSOA, Fernando, Inquérito aos espaços verdes e exemplares botânicos notáveis do Funchal, Nov. 1966 e 1984 ( nº 3 ); SAINZ-TRUEVA, José Manuel de, Heráldica inglesa no "Old Burial Ground", Atlântico, n.º 1, Primavera 1985, pp. 60 a 63; VERÍSSIMO, Nelson e SAINZ-TRUEVA, José Manuel de, Inventário das Esculturas da Região Autónoma da Madeira, Funchal, 1996, p. 68; CARITA, Rui e SAINZ-TRUEVA, José Manuel de, Roteiro Histórico e Cultural da Cidade, Funchal, 1997; SILVA, Emmanuel, Existente desde 1761. Cinco mortos por ano no Cemitério Inglês, Diário de Notícias, Funchal, 2 Nov. 1997; CARITA, Rui, História da Madeira, vol. 5, Cemitério Britânico, Funchal, 1999, pp. 308 a 311.

Documentação Gráfica

Plantas das várias fases do Cemitério na sacristia da capela mortuária; planta do Brigadeiro Oudinot, de 1804; Gravura "Stranger's grave" de 1839; "The Peak Fort Funchal, Madeira, taken from Emglish Stranger's Burial ground / with the tomb of Christopher Wood Esq. in fore ground / March 1843", aguarela de E. G. Smith, e aguarela de H. Northland, 1865 ( Museu das Cruzes ); planta dos irmãos Trigo ( 1880 )

Documentação Fotográfica

Museu Vicentes Photographos; DRAC; Consulado Britânico, Funchal

Documentação Administrativa

Consulado Britânico: "Regists of Burials in British Cemitery", Funchal

Intervenção Realizada

Observações

Segundo a aguarela de H. Northland, em 1865 e uma fotografia, datável de antes de 1890, o portal hoje colocado frente à Ribeira de S. João, figura ao lado da antiga entrada da cidade, à R. da Carreira, entrada essa já não existente na fotografia. A localização é confirmada pela planta de Oudinot ( 1804 ) e pelo conjunto de plantas existente na sacristia da capela mortuária, com a localização e nomenclatura das sepulturas.

Autor e Data

Rui Carita 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login