Pelourinho de Serpins

IPA.00000970
Portugal, Coimbra, Lousã, Serpins
 
Pelourinho quinhentista, de bloco prismático, com soco quadrangular de três degraus, de onde evolui fuste quadrangular de arestas chanfradas e remate em blobo paralelepipédico, ostentando elementos heráldicos. Evidencia bastante desgaste, possuindo ampla base cilíndrica e remate com o escudo de Portugal.
Número IPA Antigo: PT020607040003
 
Registo visualizado 193 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição senhorial  Tipo bloco

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco quadrangular de três degraus, onde assenta base cilíndrica e fuste de secção quadrangular, de arestas chanfradas, com paralelepípedo levemente torso, ostentando, num dos lados, o escudo nacional.

Acessos

Lugar de Nossa Senhora da Graça

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, destacado, implantado numa zona ajardinada, junto a parque infantil.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Época medieval - a povoação pertence ao Mosteiro do Lorvão; 1514, 27 fevereiro - concessão de foral por D. Manuel I; provável construção do pelourinho; 1708 - a povoação, com 300 vizinhos, pertence aos Duques de Aveiro; tem 2 juízes ordinários, 3 vereadores, um procurador do concelho, um escrivão da câmara, um tabelião; 1758, 30 Março - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco Manuel Baptista da silva, é referido que a povoação, com 369 fogos, pertence ao Mosteiro do Lorvão e à Comarca de Coimbra; tem juiz ordinário e juiz dos órfãos, confirmados pelo donatário da povoação; a câmara tem 2 vereadores, procurador do concelho, escrivão e escrivão dos órfãos; 1836 - extinção do concelho; séc. 20 - o pelourinho foi reconstruído a partir de fragmentos encontrados junto à capela da Senhora da Graça.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza, vol. II, Lisboa, Valentim da Costa Deslandes, 1708; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/72309 [consultado em 23 agosto 2016].

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 34, n.º 138, fl. 1029-1036)

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

João Cravo 1993

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login