Casa da Quinta de Macieira de Sarnes / Quinta do Outeiro

IPA.00009610
Portugal, Aveiro, Oliveira de Azeméis, Macieira de Sarnes
 
Casa nobre barroca, de planta rectangular e dois pisos, a que se adossam lateralmente em L, a capela e a sacristia. Alçados rebocados, rematados por cornijas em cantaria de granito, rasgados por vãos alinhados, moldurados, de vidrinhos, folha dupla e bandeira. Na fachada principal, cunhais reforçados com pilastras de granito, vãos de sacada no piso superior, e escada frontal em granito, com guardas rematadas por dupla espiral. Interior com tectos de caixotões e de masseira, em madeira. O pico e o talhe das cantarias indiciam uma grande intervenção, em período relativamente recente , no espírito ecléctico e revivalista dos finais do séc. 19 ou inícios do século seguinte. O núcleo original da casa conserva-se, ainda que não totalmente identificável, correspondendo-lhe uma das portas que abre para o espaço de distribuição a N., encimada por entablamento com data de 1651 inscrita no respectivo friso. Na fachada posterior, 2 vãos abertos em arco abatido encimados por 4 vãos separados por colunelos, configurando o que parece ter sido uma varanda actualmente fechada por vidrinhos. O imóvel está implantado numa considerável área murada, constituída por zona agrícola, mata, jardim formal, e terreiro ao qual se acede por portão ladeado por figuras de convite em granito.
Número IPA Antigo: PT010113050040
 
Registo visualizado 147 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo planta em L

Descrição

Planta em L, composta por corpo rectangular central articulado a SE. com capela de planta rectangular, adossada, . CASA: volumetria maciça correspondente a 2 pisos, coberturas em telhado de 4 águas. Alçados rebocados e pintados de branco, com molduramentos, cunhais, cornija e outros elementos, em pedra. Dois registos separados por friso. Vãos alinhados, de vidrinhos, com folha dupla e bandeira, e caixilharia de madeira pintada de vermelho. Fachada principal virada a S. com acesso ao piso superior por escadaria frontal em pedra, colocada sobre a linha média, arrancando de patim a que se acede por 4 degraus, sendo as guardas rebocadas e rematadas na base por dupla espiral. No registo inferior, 9 vãos, sendo 2 deles portas, no registo superior, 9 janelas de sacada, com varandim sobre plataforma de pedra e grades de ferro com elementos verticais. Pilastra entre a 2ª e a 3ª linha de vãos a contar da esquerda. Pedra de armas dos Cernaches *2, colocada entre a 4ª e a 5ª sacadas a contar da direita. Na fachada N., no piso inferior, à esquerda da linha média, 2 vãos abertos em arco abatido de moldura em pedra encimados por 4 vãos separados por colunelos e fechados por vidrinhos*1. Os restantes vãos, em número de 6 por registo, são janelas alinhadas, sendo as do piso superior, ladeadas por mísulas em pedra. Os vãos em arco dão acesso a um espaço aberto de distribuição, de piso empedrado, com 3 portas de verga recta, uma delas com entablamento e a data inscrita de 1651. Fachada lateral O. com três vãos por registo em janelas encimadas por sacadas. A fachada lateral E. exibe os corpos adossados da capela e da sacristia com vãos em janelas de diferente dimensão e porta, dispostos de forma irregular. INTERIOR: no 1º piso salas e quartos com cozinha do lado E., pavimentos de tijoleira, vãos moldurados, paredes rebocadas e pintadas de branco, tectos com caixotões de madeira. Na actual sala de refeições, lareira de grande dimensão, saliente da parede, com os cunhais reforçados de cantaria e cornija de pedra encimando o vão. Escada de madeira, de bomba, conduz ao 2º piso, com quartos e salas, pavimentos de madeira, paredes rebocadas e pintadas de branco, tectos de masseira. Lareira saliente com meias colunas de cantaria suportando cornija de pedra que encima o vão. CAPELA: de nave única e cobertura em telhado de 2 águas. Fachada principal orientada a O., flanqueada por pilastras encimadas por pináculos. Porta principal de verga e entablamento rectos, encimada por grande óculo quadrilobado colocado sob a linha de base da empena. Cornija em ângulo e cruz sobre pedestal no vértice. Na fachada S. apresenta 2 vãos de cornija. O estreito espaço de ligação da Capela à Casa no qual se insere a Sacristia, apresenta 2 registos separados por friso de cantaria, cada um com sua janela sendo a do superior de cornija. Cimalha de cornija sobre a qual repousa uma sineira de 1 ventana. INTERIOR: coro alto de madeira sobre mísulas de granito. Pavimento de madeira sendo o espaço destinado ao altar sobrelevado com acesso por degraus de pedra. Altar com retábulo em talha dourada, em estilo barroco nacional, decoração de parras, cabeças de anjo e enrolamentos de folhas de acanto, nicho central pouco profundo, ladeado por colunas e pilastras continuadas na zona superior por arcos concêntricos. No nicho, de fundo constituído por mandorla de raios dourados e cabeças de anjo, mísula entalhada com imagem polícroma de Nossa Senhora da Conceição. As pilastras ostentam 4 mísulas para as imagens. Os espaços intercalares, lisos, são marmoreados de azul e verde. O frontal mostra idênticas folhas de acanto enroladas e cabeças de anjo. Sacristia: planta rectangular com escada de acesso ao coro.

Acessos

EN 227 (São João da Madeira - Vale de Cambra), km 1, EM 327, km 12,500; Rua do Outeiro; Quinta do Outeiro

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público / ZEP, Portaria nº 468/2012, DR, 2ª série, nº 184, de 21setembro 2012

Enquadramento

Rural, isolado, em planície, constituído por habitação e capela enquadrados por terreiro a S., jardim arborizado a E. e dependências agrícolas do lado N., inserindo-se em quinta agrícola murada com mata e campos. Acesso principal a NO., colocado num dos ângulos da cerca, apresenta muro de 3 panos rebocados e pintados, delimitados por pilastras em cantaria firmadas por pináculos, rematados por friso e cornija; pano central aberto por portão de moldura rectangular encimado por frontão contracurvado com pedra de armas ao centro (esquartelado de Leite, Melo, Pereira e Cernache). Acesso secundário a N., junto das dependências agrícolas, abrindo para o lug. de Quintã, o principal núcleo de povoamento da freguesia, a NO., onde se localiza a igreja paroquial.

Descrição Complementar

Conserva um pequeno arcaz, sobre o qual repousa uma redoma com Nossa Senhora das Dores, e maquineta de pendurar em talha vermelha e dourada que ostenta um Crucifixo e um Menino sobre o Mundo.

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Residencial: casa

Propriedade

Privada: pessoa colectiva

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

1577, 15 de Janeiro - instituição do vinculo da Quinta de Macieira de Sarnes por Fernão Vaz de Cernache, 5º Senhor de Gaia-a-Grande; 1651 - data inscrita na padieira de uma das portas de entrada correspondendo, com o brazão da fachada principal, à época provavel da construção inicial da casa promovida por Jerónimo de Távora de Noronha Leme e Cernache que já viúvo se fixou em Macieira de Sarnes; 1887, 10 de Fevereiro - concessão do título de Conde de Campo Bello a Adriano de Paiva de Faria Leite Brandão, professor da Academia Politécnica do Porto; séc. 19, fins - provável época da reforma e adaptação moderna da casa promovida pelo 2º Conde a que corresponde também a reforma e o brasão do portal monumental do acesso principal da quinta; 1934 - reconstrução da capela com cantarias reaproveitadas de outro imóvel; 2002, 16 Janeiro - proposta de classificação da proprietária; 5 Abril - despacho de abertura pelo Vice-Presidente do IPPAR; 2011, 17 Janeiro - proposta da Direcção Regional da Cultura do Norte para classificação como MIP; 31 Maio - parecer favorável da SPAA do Conselho Nacional Cultural; 31 Outubro - Anúncio nº 1586/2011, DR, 2ª série, nº 209, com projecto de decisão relativo à classificação como MIP e fixação da respectiva ZEP.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Granito, cantarias; cerâmica, telha e tijoleira; madeira, tectos, pavimentos, portas e caixilharias; ferro, grades.

Bibliografia

SILVA, António Lambert Pereira da, Nobres Casas de Portugal, Porto, 1958, vol. V, p. 119-125; GONÇALVES, A. N., Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Aveiro, Zona Norte, Lisboa, 1981, p. 145-146; FERNANDES, M. A., Património Heráldico Oliveirense, Ul-Vária, Arquivo de Estudos Regionais, Oliveira de Azeméis, 1996, t. III (1-2), p. 278; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/3926024 [consultado em 20 dezembro 2016].

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN: DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1: No espaço que deve ter sido uma varanda aberta. *2: No seio desta família, nasceu, no ano de 1690, Jerónimo de Távora de Noronha Leme e Cernache, Deão da Sé do Porto, grande mecenas das artes nesta cidade, tendo mandado vir de Itália o arquitecto Nicolau Nasoni, ao qual encomendou importantes obras, entre elas o Palácio do Freixo. A Fundação Conde de Campo Bello, no património da qual se integra a Quinta de Macieira de Sarnes, foi constituída em Julho de 1987, por solicitação de D. Henrique Leite Pereira de Paiva Távora e Cernache, 4º conde de Campo Bello.

Autor e Data

Maria Guimarães 2000 / Paulo Dordio 2000

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login