Edifício na Rua de Trás, n.º 63 a 69

IPA.00009609
Portugal, Porto, Porto, União das freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória
 
Edifício residencial multifamiliar oitocentista. A fachada principal, apresenta vãos alinhados, emoldurados de granito abrindo nos dois pisos superiores, para varanda corrida de granito com guarda de ferro, e apoiada em cachorros. Caixa de escadas ao centro, de dois lanços, com patamares a intercalar e bomba sucessivamente mais larga piso a piso, iluminada por clarabóia.
Número IPA Antigo: PT011312150220
 
Registo visualizado 406 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial multifamiliar  Edifício  Edifício residencial  

Descrição

Edifício de duas frentes de planta trapezoidal. Volume simples com cobertura em telhado de quatro águas apoiado em estrutura de madeira. Destaca-se uma clarabóia de remate cónico em ferro e vidro. Três pisos, sendo o primeiro semi-enterrado. A fachada principal, orientada a N. apresenta vãos alinhados, quatro em cada piso. No 1º piso, embasamento de granito, três portas e uma janela de duas folhas, sendo uma delas de acesso ao 2º e 3º pisos. Os dois pisos superiores, com varanda corrida com guarda de ferro, ligeiramente saliente no 2º, e mais saliente no último e apoiada em cachorros de granito, apresentam portas de duas folhas, emolduradas de granito, entre pilares da mesma pedra. A rematar, cornija saliente de granito, em papo de rola, onde sobressai beiral com caleira contínua. O alçado posterior apresenta respectivamente no segundo e terceiro pisos, duas e três frestas. O INTERIOR do edifício é marcado por uma entrada corredor de acesso a uma escada em L , adossada à parede do vizinho a E. transformando-se numa escadaria de dois lanços com patamares intercalados, com bomba central, progressivamente mais larga e iluminada por clarabóia. A subdividir o edifício em duas partes uma parede de meação em alvenaria de granito é suportada por uma viga e coluna de ferro fundido no 1º piso. Funcionalmente o edifício dispõe no 1º piso de um amplo espaço comercial e nos restantes pisos três habitações, com as cozinhas nas traseiras.

Acessos

Rua de Trás, n.º 63 a 69

Protecção

Incluído na Zona Especial de Protecção da Igreja e Torre dos Clérigos (v. PT011312150003)

Enquadramento

Urbano, adossado, o edifício faz frente com a Rua de Trás e o logradouro confronta com as traseiras dos lotes da Rua dos Caldeireiros. A Rua de Trás, paralela à Rua dos Clérigos desce até ao Largo dos Lóios.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: edifício residencial

Utilização Actual

Residencial: edifício residencial / Devoluto

Propriedade

Privada: Misericórdia

Afectação

Época Construção

Séc. 19 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Paulo Borges (autor do projecto de recuperação).

Cronologia

Séc. 19 - Provável construção do edifício; 1883, 23 Outubro - aprovado o requerimento de 10 de Outubro de Domingos Ferreira Pinto para "construir cano de esgoto" na R. de Trás, nº63 e 65";1892 - data do 1º registo da propriedade da Conservatória no Registo Predial; 1959, 14 Janeiro - é doado á Santa Casa da Misericórdia por testamento de Dª. Margarida Rosa Araújo Lopes; 2000, Fevereiro - Projecto de Recuperação do edifício da autoria do Arqº. Paulo Borges

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Paredes de alvenaria de granito rebocadas no interior e exterior; cobertura em telha cerâmica apoiada em estrutura de madeira; caixilharias em madeira pintada; tectos em estuque e/ou madeira pintados; pavimentos em soalho de madeira; escadaria principal em madeira; grades em ferro pintado

Bibliografia

CARVALHO, João, Misericórdia do Porto. Cinco séculos a fazer o bem, in O Tripeiro, 7ª série, Ano XVIII, nº12, Dezembro, Porto, 1999; FREITAS, Eugénio de Andrea da Cunha, A antiga sede da Misericórdia, in O Tripeiro, 7ª série, Ano XVIII, nº12, Dezembro, Porto, 1999

Documentação Gráfica

SCMP: AH; CMP: AHMP, Plantas de Casas, Livro 86, fls. 218,219

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

SCMP:AH; CMP: AHMP, Plantas de Casas, Livro 86, fls. 218,219

Intervenção Realizada

SCMP: 1998 - Obras de conservação; Obras de recuperação (previstas para 2000)

Observações

1499, 14 Março - Carta Régia, de D. Manuel I marca a fundação da Confraria de Santa Maria da Misericórdia do Porto; 1502- instalação provisória da Misericórdia na Capela de Santiago, à Sé;1544 / 1550 - a Casa do Despacho, sede da irmandade é construída na Rua de Santa Catarina das Flores. O principal objectivo da Santa Casa da Misericórdia consistia em fazer cumprir as 14 "Obras de Misericórdia" assim descritas: " ensinar os simples, dar bom conselho a quem o pede, castigar com caridade os que erram, consolar os tristes e desconsolados, perdoar a quem errou, sofrer as injúrias com paciência, rogar a deus pelos vivos e os mortos" consideradas acções "espirituais"; " remir cativos e presos, visitar e curar os enfermos, cobrir os nus, dar de comer aos famintos e pobres, dar de beber aos que hão sede, dar pousada aos peregrinos e pobres, enterrar os finados", consideradas acções "corporais". Entre estas actividades destaca-se a assistência material e jurídica aos presos da Cadeia de Relação. A acção da Santa Casa é sustentada fundamentalmente pelos rendimentos dos prédios urbanos.

Autor e Data

Isabel Sereno 2000

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login