Igreja Paroquial de Pensalvos / Igreja de Santa Eulália

IPA.00009570
Portugal, Vila Real, Vila Pouca de Aguiar, União das freguesias de Pensalvos e Parada de Monteiros
 
Arquitectura religiosa, barroca. Igreja seiscentista de planta longitudinal composta por nave única e capela-mor rectangular, mais baixa e estreita, com sacristia adossada à fachada lateral esquerda. Fachada principal em frontão triangular com nicho no tímpano, rasgada por portal de verga recta e óculo. Alçados com pilastras nos cunhais e remates em friso e cornija, sendo os laterais rasgados por frestas, confrontantes, e porta travessa na lateral direita. Interior com cobertura de madeira, em falsa abóbada de berço, formando caixotões de talha, barrocos, pintados com cenas figurativas, coro-alto, púlpito no lado do Evangelho e retábulos, em talha dourada, barrocos, os laterais, confrontantes, de estilo joanino e o mor de estilo nacional; integra-se na tipologia de igrejas com parede envolvendo o arco triunfal completamente revestida de talha dourada, integrando retábulos colaterais, de estilo joanino. Igreja de raiz medieval profundamente remodelada nos séc. 17 e 18, com campanário, de dupla sineira, construído separadamente no adro, variante pouco frequente no distrito. Fachadas de cunhais ritmados pela alternância de frisos e cornijas, sobretudo na fachada principal, devido ao frontão que a remata ser aberto nos ângulos. O portal, de verga recta, assente directamente nas ombreiras, é talhado de modo a criar pequeno ressalvo do paramento. Nesta fachada, destaca-se ainda o óculo, quadrilobado, tipo trevo, aberto numa só pedra, com losângo inferior e superior colcado de modo diferente, e o nicho, com decoração vegetalista e concheada envolvente. Interior de maior riqueza decorativa devido aos retábulos de talha dourada e tectos de caixotões entalhados com pinturas de diversa temática, com legenda em latim, representando temas hagiográficos e bíblicos, sendo o travejamento em talha dourada e policroma. Os retábulos laterais rematam em espaldar curvo, destacando-se o dedicado a Nossa Senhora do Rosário, que apresenta no painel fundeiro a representação dos 15 mistérios do Rosário. O retábulo-mor, com a parte central levemente côncava, é povoado por vários anjos e querubins encarnados, que contrastam com a policromia e o dourado da talha, surgindo lateralmente painéis decorados com acantos e anjos que sustentam vasos floridos. Na base das colunas, surgem atlantes. Enormes resplendores dourados marcam os fundos dos retábulos, bem como o remate dos colaterais. As imagens de Santa Eulália não ostentam os seus atributos habituais, sendo identificável pela legenda na base de uma das esculturas. Realce para as grandes pias de água-benta, encimadas por abóbadas de quarto de esfera, que ladeiam os portais de ligação ao exterior. O acesso ao coro-alto era feito por escada colocada junto à parede da fachada principal, como é tão comum no distrito, disposta no lado da Epístola, conforme documentam fotografias de meados do séc. 20.
Número IPA Antigo: PT011713080036
 
Registo visualizado 79 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal composta por nave única e capela-mor mais baixa e estreita, com sacristia rectangular adossada a ambas na fachada lateral esquerda. Volumes escalonados com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas na igreja e de uma na sacristia. Fachadas em cantaria aparente com pilastras nos cunhais, encimadas por pináculos piramidais terminados em bola, e cruzes no remate das empenas. Fachada principal em frontão triangular, com friso e cornija, possuindo no tímpano nicho concheado entre largas pilastras, de capitel jónico, suportando frontão de volutas entre vasos e encimado por vieira; as pilastras são ladeadas por elementos fitomórficos e a imagem de Santa Eulália surge sobre mísula com carranca. Ao centro, rasga-se portal de verga recta simples, com inscrição meio delida, encimado por óculo quadrilobado, moldurado. Fachadas laterais rematadas por friso e cornija, rasgadas na nave por quatro frestas de rampa confrontantes, tendo na lateral direita porta travessa, e, na capela-mor, uma outra fresta. Sacristia com fresta de rampa virada a O. e uma janela quadrada de rampa a N.. Fachada posterior da capela-mor cega e da sacristia com fresta de rampa. INTERIOR rebocado e pintado de branco com pequeno embasamento de granito e pavimento em taburnos de madeira. Coro-alto em madeira envernizada, alteado em relação às antigas mísulas de suporte, formando inferiormente U para permitir o encaixe do guarda-vento, em madeira e vidro; tem balaustrada policroma e acesso por escada de madeira, com guarda policroma, que se estende pela nave, no lado da Epístola. No sub-coro, possui do lado do Evangelho pia baptismal gomada, em granito, sobre plinto quadrangular, e na parede nicho quadrado com cornija, fechado por porta de madeira. No lado oposto, tem incrustado na parede, ladeando o portal grande pia de água-benta gomada, encimada por abóbada em quarto de esfera, e, na parede do lado da Epístola, uma outra, mas mais pequena e lisa, a ladear o portal lateral. No lado do Evangelho, púlpito de base pétrea quadrada, sobre mísula decorada, com balaustrada policroma, que se prolonga como guarda na escada de acesso. Retábulos laterais, confrontantes, de talha dourada, de planta recta e um eixo, o do lado do Evangelho dedicado a Nossa Senhora do Rosário e o oposto a Santa Ana. Arco triunfal a pleno centro, sobre pilastras de capitel pintado, com parede envolvente completamente revestida a talha dourada e policroma, interligando-se aos retábulos colaterais, o do Evangelho de invocação de Nossa Senhora da Piedade. Sobre o arco triunfal, nicho enquadrado por quarteirões, com imagem e baldaquino. Cobertura em falsa abóbada de berço abatido, de madeira, formando caixotões de talha pintados com representações de santos e cenas bíblicas. Estes assentam sobre cornija de talha decorada com enrolamentos e ritmada por mísulas no enfiamento dos caixotões e tirantes igualmente em talha policroma. Capela-mor com pavimento de granito e, sobre supedâneo, retábulo-mor de talha dourada e policroma, de planta recta e um eixo formado por tribuna central com trono, ladeada por seis pilastras e quatro colunas torsas decoradas com pâmpanos, aves, anjinhos e suportadas por atlantes, as quais se prolongam em arquivoltas unidas no sentido do raio. Lateralmente, dois painéis decorados com putti sustentando vasos floridos. No intercolúnio, duas mísulas suportam imaginária. O fundo da tribuna encontra-se pintado com pequenas flores e com enorme resplendor que envolve a imagem do trono. Sobre o altar marmoreado, de forma paralelepipédica, o sacrário com profusa decoração de acantos e, na porta, símbolos do martírio de Cristo. Toda a estrutura retabular ostenta uma profusa de apainelados de acanto, dispostos de forma simétrica. Em frente a este, ara de altar de madeira em branco, assente em dois pilares. Tecto formando caixotões, pintados com cenas da vida de Cristo e outras, assente em cornija entalhada. Sacristia com paredes em cantaria aparente e juntas pintadas de branco, pavimento cerâmico e tecto esconso. Possui arcaz em madeira entalhada, decorado com florões circulares, e lavabo interligado a uma fresta, com bacia semicircular, espaldar quadrado encimado por nicho em quarto de esfera.

Acessos

Pensalvos, Largo da Igreja

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Portaria n.º 443/2006, DR, 2.ª série, n.º 49 de 09 março 2006

Enquadramento

Rural, isolado, no centro da povoação, em adro calcetado a lajes graníticas irregulares e murado, com acesso por portões de ferro sensivelmente a meio das fachadas laterais. O adro forma uma plataforma adaptada ao pendor das ruas envolventes, ficando a frontaria visualmente cortada pelo declive das mesmas e pelo muro do adro. Junto às fachadas, erguem-se várias cruzes da Via Sacra, muito simples, com braços da cruz quadrangulares, assentes em bases tronco-piramidais, uma delas datada de "1...73"; junto à lateral direita da capela-mor foram aplicadas no pavimento três lápides sepulcrais. Neste mesmo lado, ergue-se no meio do adro campanário, isolado, de planta rectangular rematado por cornija, sobre a qual tem sineira de arco pleno, com a junta das aduelas sublinhadas a cimento, enquadrados por pináculos piramidais sobre acrotério assente na cornija e, no remate, sobrepuja-o cruz. Próximo da igreja, ergue-se a Casa dos Canavarros, do séc. 17, com um mini-museu de coches.

Descrição Complementar

Os retábulos laterais são semelhantes, de planta recta e um só eixo formado por nicho, com mísula sustentando a imagem do orago, ladeado por quatro colunas torsas, com o terço inferior liso e decorado com festões de flores, assentes em consolas com putti. As colunas exteriores são sustentadas por pilastras com fuste almofadado, ostentando, sensivelmente a meio, pequena mísula. Lateralmente, orelhas de talha decorada com elementos fitomórficos. Ático em espaldar de perfil curvo, decorado com concheados, encimado por sanefa com lambrequins e putti que ladeiam cornija encurvada. Altar paralelepipédico, com frontal decorado com elementos fitomórficos. O retábulo dedicado a Nossa Senhora do Rosário possui um painel com resplendor dourado e os quinze mistérios do Rosário pintados: a Anunciação, Visitação, Nascimento de Jesus, Apresentação no Templo e Purificação de Nossa Senhora, Encontro de Jesus no Templo, Agonia no Horto, Flagelação, Coroação de Espinhos, Caminho do Calvário, Crucificação e Morte, Ressurreição, Ascenção de Cristo, Descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos, Assunção da Virgem e a Coroação da Virgem. Retábulos colaterais semelhantes, de talha dourada e policroma, de azul e vermelho, de planta recta e eixo único, com mísula sustentando os respectivos oragos, ladeada por colunas torsas, com terço inferior do fuste liso, decorado com elementos fitomórficos e espira vegetalista dourada, assentes em plintos decorados. Sobre a mísula e protegendo as imagens, baldaquino com drapeados e sanefa e remate arquitravado, encimado por dois elementos volutados, dispostos de forma simétrica e enorme resplendor central, sobre o qual surge um anjo, que segura os elementos decorativos que envolvem o arco triunfal. Altares paralelepipédicos, com frontais decorados com elementos fitomórficos. A banqueta ostenta pequeno sacrário.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Vila Real)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Idade Média - construção de uma primitiva igreja; séc. 16 - feitura de uma imagem da Virgem; séc. 17 - época provável de grandes remodelações; séc. 18 - colocação dos retábulos e demais decoração em talha; execução de imaginária; era uma reitoria e comenda da Ordem de Cristo, sendo seu comendador o conde de São Lourenço e dava-lhe de rendimento anual sessenta mil reis mais o pé-de-altar; 1755, 1 Novembro - não sofreu qualquer padecimento com o terramoto, a não ser a queda de algumas cruzes do tecto da igreja e algumas imagens dos altares; 1758 - segundo o Reitor João da Cunha nas Memórias Paroquiais, a freguesia era cabeça da Comenda que então tinha como Comendador o Infante D. Pedro e tinha como anexas a de São João Baptista de Capeludos, a de São Pedro de Bragado, a de Santa Maria de Afonsim e a de São Pedro de Parada de Monteiros; a freguesia tinha 57 fogos, 247 pessoas de sacramento e 18 menores de confissão; a igreja ficava dentro do lugar, tinha uma só nave e 5 altares: o altar-mor dedicado à padroeira, dois colaterais, o do lado do Evangelho dedicado ao Santíssimo Nome de Jesus e o da Epístola a São Sebastião, e dois laterais, em correspondência, o do lado do Evangelho dedicado a Nossa Senhora do Rosário, com uma Irmandade, e o do lado oposto às Alma; o pároco era Reitor de apresentação ordinária e tinha de renda 40$000 rs, que se pagavam dos frutos da Comenda; os danos causados pelo terramoto já estavam reparados.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura de cantaria granítica, aparente no exterior e rebocada e pintada no interior da igreja; base do púlpito e mísulas do coro-alto, pia baptismal e de água-benta em granito; pavimento de madeira na nave, granito na capela-mor e mosaico cerâmico industrial na sacristia; tectos em caixotões entalhados e pintados; parapeito do púlpito e coro-alto em madeira; retábulos de talha dourada; cobertura de telha.

Bibliografia

ALMEIDA, José Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Porto, 1988; Guia de Portugal - Trás-os-Montes e Alto Douro, vol. 5, Coimbra, 1987; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/156244 [consultado em 11 janeiro 2017].

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMN

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID; IAN/TT: Dicionário Geográfico de Portugal, vol. 28, nº 132, p. 967 - 970

Intervenção Realizada

Paróquia: séc. 20, meados - obras de restauro e consolidação; CMVPA / IPPAR / Paróquia / outros: 2001 - obras de restauro.

Observações

Autor e Data

Ricardo Teixeira 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login