Igreja Paroquial de Almodôvar / Igreja de Santo Ildefonso

IPA.00000945
Portugal, Beja, Almodôvar, União das freguesias de Almodôvar e Graça dos Padrões
 
Arquitectura religiosa, maneirista, barroca, neoclássica. Igreja paroquial de três naves à mesma altura, cuja planta, composição dos alçados, colunas, púlpito e diversos elementos secundários correspondem a uma apurada versão da arquitectura maneirista no plano regional, constituindo uma ressonância dos protótipos de igreja-salão divulgados a partir da prática construtiva da Companhia de Jesus em Évora como na Igreja do Espírito Santo (v. PT04070512023) e na Igreja de Santo Antão (v. PT04070505057). Retábulos laterais e colaterais, portal e torre sineira de características barrocas. Retábulo do altar-mor neoclássico.
Número IPA Antigo: PT040202010008
 
Registo visualizado 315 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal escalonada, composta por corpo de 3 naves, nártex, baptistério a E. e torre sineira a O., Cobertura diferenciada em telhado de duas águas no corpo do templo, cabeceira, capelas laterais, sacristia e casa do capítulo, em cúpula na torre sineira. Fachada principal a N., com três panos separados por pilastras de cantaria e portal de cantaria com frontão em que se inscreve a cruz dos Espatários, sobrepujado por janelão; no ângulo E. eleva-se a torre sineira, prolongando as pilastras da frontaria, com corpo superior ligeiramente recuado, rematada por cúpula bolbosa e catavento; a caixa do escadório é iluminada por três frestas em cantaria, sobrepostas. No ângulo O. resta o corpo inferior de uma primitiva torre sineira com os vãos entaipados *1. As fachadas laterais, simétricas entre si, são ritmadas pela sucessão de quatro contrafortes, tendo nos dois panos intermédios os volumes salientes das capelas laterais e os portais de acesso, estes precedidos por escadaria. A fachada S. apresenta a capela-mor saliente, tendo no topo um Passo da Paixão. INTERIOR: três naves, de 4 tramos, assentes em arcadas de volta perfeita e colunas toscanas e cobertas por abóbadas de berço; capelas laterais adossadas no terceiro tramo e colaterais no topo das naves laterais, com retábulos de talha dourada e policromada; coro alto de alvenaria, assente em arco de asa de cesto, com grade de madeira; púlpito adossado à coluna central do lado do Evangelho. Arco triunfal de volta perfeita, em cantaria, assente em pilastras; capela-mor mais estreita, ladeada pela sacristia e pela casa do capítulo; retábulo-mor de talha policromada e dourada.

Acessos

Rua do Algarve

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público / ZEP, Portaria, n.º 450/2012, DR, 2.ª série, n.º 181, de 18 setembro 2012

Enquadramento

Urbano, isolado, destacado em terreno com leve declive.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Beja)

Afectação

DRCALEN

Época Construção

Séc. 16 / 18 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Nicolau de Frias; ENTALHADOR: Sebastião de Abreu do Ó; PINTOR: Severo Portela

Cronologia

1592 - construção do templo, substituindo um anterior doado por D. Dinis à Ordem de Santiago, sob projeto do arquiteto Nicolau de Frias; 1747 - segundo o Padre Luís Cardoso, "porque a capela-mor se achava arruinada, e por sua pequenez fica imperfeito o edifício da igreja, que é o maior templo desta comarca, foi Sua Majestade servido mandar pelo Tribunal da Mesa da Consciência, e Ordens, se derrubasse, e se fizesse regular ao restante da igreja, e se acrescentasse tribuna, que de presente se anda fazendo"; execução dos altares laterais e colarerais de talha pelo entalhador Sebastião de Abreu do Ó; Séc. 19 - substituição da capela-mor; execução do retábulo-mor; ruína da torre sineira a NO.; 1950 - execução por Severo Portela do painel representando o Baptismo de Cristo no Jordão; 1969 - danos causados pelo sismo; 2007, 03 de Abril - proposta de classificação pela autarquia; 2009, 16 de março - Despacho de abertura do processo de classificação pelo Director do IGESPAR; 2009, 30 de setembro - Proposta de classificação como IIP - Imóvel de Interesse Público e de ZEP pela DRCAlentejo; 2010, 23 de março - proposta de classificação como MIP e parecer favorável relativo à ZEP pelo Conselho Consultivo do IGESPAR; 2012, 4 de maio - Anúncio n.º 9655/2012 publicado no DR, 2.ª série, n.º 87, de projeto de decisão de classificação como MIP e fixação de ZEP.

Dados Técnicos

Estrutura mista

Materiais

Paredes de alvenaria de pedra e cal, rebocadas e caiadas, cobertura em abóbada e telhado, retábulos de talha dourada e policromada, elementos secundários de cantaria e madeira.

Bibliografia

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/ DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/ DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Paróquia: Séc. 20, meados - recuperação geral; 1969 - reparações diversas dos estragos provocados pelo sismo.

Observações

*1 - esta torre sineira era idêntica à ainda existente.

Autor e Data

José Falcão e Ricardo Pereira 1996

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login