Ponte de Mértola/ Ponte Branca / Torre do Rio

IPA.00000905
Portugal, Beja, Mértola, Mértola
 
Vestígios de cais ou molhe fortificado, do qual restam 6 pegões dispostos em linha currva, metade dos quais reforçados por talhamares a montante; a não existência de vestígios na outra margem do rio nega a sua função como ponte, corroborada pelo facto do leito do rio ser aqui demasiado profundo para ter permitido o lançamento de pégões e pelo arredondamento do último pégão, não normal numa ponte (ALMEIDA, 1976); na verdade, para além de proteger a acostagem, a construção permitiria, em caso de necessidade, a passagem para a outra margem, por meio de barcaças (VEIGA, 1880); de couraça para defesa do porto e do acesso à água (TORRES, 1990). Tratar-se-ia de um aqueduto para abastecer a vila de água, tirada do rio por meio de nora; em Fez e na Síria existia uma deste tipo, esta lançando a água do rio Oronte sobre um aqueduto romano (ALMEIDA, 1976). Raro exemplo de cais ou molhe fortificado, construído durante o domínio árabe. Reaproveitamento de material romano nos 3 últimos pegões.
Número IPA Antigo: PT040209040001
 
Registo visualizado 498 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Transportes  Ponte / Viaduto  Ponte pedonal / rodoviária com torre-portagem  Tipo arco

Descrição

Seis pegões dispostos em linha curvilínea; planta quadrangular, excepto o 6º, junto ao leito do rio, ovalado, de maiores dimensões e disposto longitudinalmente ao rio; os 3 últimos têm talhamares a montante e são rasgados na parte inferior por túnel com abóbada de berço ( apenas anunciado no 4º ). Em todos eles é visível o arranque das arcadas que os uniam, existindo ainda agueiros rasgados na parte superior do 3º e 4º pegões.

Acessos

Porta da Misericórdia

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG n.º 136 de 23 junho 1910 / Incluído no Parque Natural do Vale do Guadiana e no Plano Sectorial da Rede Natura 2000: Sítio de Interesse Comunitário Guadiana (PTCON0036)

Enquadramento

Rural, borda d'água. Implantado junto ao rio Guadiana, na sua margem direita.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes: ponte

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural *1

Propriedade

Pública: Municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 09 / 12 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Séc. 09 - 12 - período de construção provável durante a ocupação árabe; Séc. 12 - provável destruição pelos árabes aquando da sua retirada; 1956 - adjudicação da obra pela Junta Autónoma de Estradas.

Dados Técnicos

Materiais

Alvenaria de xisto, cantaria de pedra

Bibliografia

VEIGA, Estácio da, Memória das Antiguidades de Mértola, Lisboa, 1880; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1956, Lisboa, 1957; ALMEIDA, Fernando de, As Ruínas da chamada ponte romana de Mértola, Madrider Mitteilungen, 17, Heidelberg, 1976; TORRES, Cláudio, Mértola - vila museu, Mértola, 1990; RIBEIRO, Aníbal Soares, Pontes Antigas Classificadas, MEPAT- JAE, 1998.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1 - Incluído no Itinerário Pontes Históricas do Alentejo/IGESPAR.

Autor e Data

Isabel Mendonça 1994

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login