Igreja Paroquial de São Jordão / Ermida de São Jordão

IPA.00008889
Portugal, Évora, Évora, Torre de Coelheiros
 
Arquitectura religiosa, quinhentista, vernácula. Igreja de nave única, galilé e capela-mor, com sacristia a N. e campanário axial,característica do aro eborense, marcada pela justaposição e alternância de volumes característica das ermidas rurais no sul do país. Denota afinidades com a Igreja Paroquial de São Bento de Pomares (v. PT040705130107) e com a Ermida de São Marcos da Abóbada (PT040705130078) em Torre de Coelheiros. Portal da igreja tardo-renascentista.
Número IPA Antigo: PT040705130106
 
Registo visualizado 112 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal composta, por galilé, nave, capela-mor, sacristia e construções adossadas a N. e habitação adossada a S.. Volumes articulados, massas dispostas na horizontal com cobertura diferenciada em telhado de duas águas na nave, de uma água na sacristia e dependências adossadas, em cúpula de 4 vertentes na galilé e em cúpula telhada de 4 águas na capela-mor que se ergue a partir da altura da nave, com vértice coroado por pináculo pétreo. Fachadas de alvenaria mista de pedra e tijolo, rebocadas e caiadas. Fachada principal orientada, marcada pela galilé de três arcadas em arco de volta perfeita, assentes em pilares munidos de bases e capitéis de perfil rectangular; remate em cornija e beirado saliente; em plano recuado vestígios de platibanda em alvenaria de tijolo, já desprovida da quase totalidade do reboco, com enrolamento na banda S.; remate do corpo da nave em empena curva coroada por campanário de alvenaria de tijolo, rebocada e caiada, com remate em frontão volutado tendo no vértice vestígios da peanha de uma primitiva cruz. Fachadas laterais contrafortadas, com remates rectos em beirado saliente. Fachada N. de 4 corpos correspondentes à galilé, construção rectangular, adossada a todo o comprimento da nave, sacristia e casa de habitação; a construção adossada à nave, mais baixa, embebe parcialmente os três contrafortes e apresenta porta de acesso no extremo E.; sacristia ligeiramente mais elevada que a capela-mor, de planta quadrangular, rasgada na fachada N. por porta e janela descentradas; a habitação apresenta o remate da fachada O. em meia empena e chaminé de grandes dimensões. Fachada de S. de 4 corpos correspondentes à galilé, nave com capela lateral adossada na banda O., capela-mor e casa de habitação; num dos cunhais um relógio de sol. Fachada E. correspondente à cabeceira, rasgada por janelão, tendo adossada transversalmente a casa de habitação. INTERIOR: galilé com cobertura em abóbada; acesso à nave por porta de verga recta e molduras de granito. Nave rectangular com cobertura em abóbada de canhão sobre sanca; pavimento em terra com vestígios de lápides e outros fragmentos pétreos; paredes rebocadas e caiadas, estruturadas por arcadas cegas (três por banda) sobre pilastras munidas de capitéís; nas últimas arcadas rasgam-se duas capelas laterais, pouco profundas, rodapé e pilastras pintados de cor cinza; do lado do Evangelho, na arcada central, vestígios do púlpito de que resta apenas a bacia pétrea sendo o acesso exterior por porta simples, que comunica com a dependência anexa à nave. Arco triunfal de volta perfeita, sobre pilastras idênticas, pintado de cor cinza. Capela-mor quadrangular, marcada por um desnível vencido por três degraus de alvenaria; cobertura em cúpula sobre sanca moldurada e pendentes. Paramentos laterais e fundeira revestidas por diversas camadas de pinturas murais, anteriormente tapadas por retábulos em talha; do lado do Evangelho São Martinho, mandorla, fragmento de pintura mural cronografada, e o Anjo da Anunciação; do lado da Epístola um santo dominicano e um fragmento de pintura mural com legenda. Sacristia com tecto em travejamento de madeira, vestígios de um lavabo e dois nichos para guardar as alfaias religiosas.

Acessos

EN Évora - Beja, distando c. de 6Km do desvio para Torre de Coelheiros à mão direita da EM, a c. de 50m; acesso por caminho particular de terra batida.

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Rural, em ligeira elevação, no Monte de São Jordão, predominando os terrenos de montado e cereal, limitado por uma vedação em arame farpado com acesso através de cancela em ferro. A c. de 150 m a SO. da Ermida e a c. de 50m da estrada que liga a Torre de Coelheiros, a antiga Escola Primária, hoje arruinada.

Descrição Complementar

INSCRIÇÕES: Pintura mural, alçado lado da Epístola, 2º tramo - "esta ymagem m(an)dou pintar yo (ham) f(e)r(nande)z na e [ ra de (?) ] ; "esta: im [ agem mandou pintar.......] ". Pintura mural, alçado lado do Evangelho, 3º tramo - "[ esta ymagem mandou pintar (?) ] ferna(m) veç(en)t(e) por sua devaçam [ no ano / na era de ] mill . e . bc xxbj [ anos ]".

Utilização Inicial

Religiosa: ermida

Utilização Actual

Devoluto

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

305 - degolação de São Jordão (mártir romano-eborense a quem se atribuia a capacidade de curar a moléstia das sezões), no lugar da freguesia da Tourega *1; Séc.16 - fundação do templo dedicado a São Jordão; execução da primeira campanha de pintura mural afresco; 1627 - execução de pinturas murais, sobrepostas à campanha anterior, por devoção de Fernão Vicente, segundo inscrição nas mesmas; provavelmente por esta data terá tido lugar a ampliação e reformulação do edifício, incluíndo o acrescento da capela-mor, da sacristia e das dependências a N.; Séc. 17, meados - execução de retábulos de talha e de painéis de pintura, hoje desaparecidos; Séc.18 - execução do retábulo do altar-mor, actualmente inexistente; Séc.19 - acrescento da habitação adossada à parede fundeira do altar-mor; 1906 - obras de restauro alterando atraça primitiva; 1978 - Túlio Espanca refere (e publica uma fotografia) o primitivo recheio da igreja, constituído por retábulos em talha e painéis de pintura (posteriormente desaparecidos) *2 que ocultavam então as pinturas murais.

Dados Técnicos

Paredes portantes, travadas por tectos em abóbada e coberturas de duas águas e uma água; galilé construída em pilares travada por abóbada e cobertura em cúpula. Pinturas murais afresco

Materiais

Alvenaria mista de pedra e tijolo rebocada e caiada; alvenaria de tijolo rebocada e caiadoa na construção adossada à capela-mor e no campanário; granito na soleira e lintéis do portal de entrada; madeira na cobertura da sacristia; mármore no lavabo da sacristia; tijoleira nos pavimentos.

Bibliografia

ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Évora, vol.9, Lisboa, 1978; ALMEIDA, Fernando António, "Os frescos Mártires de S. Jordão", Revista Epicur, pp118 - 119, 2001.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1 - São Jordão teria sido bispo de Évora e era irmão de Santa Comba e Santa Anonimata, perseguidas por Diocleciano e martirizadas, elas também, na Tourega, freguesia do Concelho de Évora; *2 - o desaparecimento dos retábulos permitiu o reconhecimento das pinturas murais, ocultas durante séculos; é provável a existência de outras pinturas murais na áreas actualmente cobertas por cal.

Autor e Data

Paula Amendoeira 1999 / Rosário Gordalina 2009

Actualização

Fernando Mouta (Contribuinte externo) 2014
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login