Chafariz das Bravas

IPA.00008864
Portugal, Évora, Évora, União das freguesias de Malagueira e Horta das Figueiras
 
Arquitectura infraestrutural, gótica. Chafariz de espaldar de paredão simples encimado por friso de ameias e merlões e tanque rectangular. Integra-se num conjunto de fontes e chafarizes, urbanos - Chafariz do Geraldo (v. PT040705050027), Chafariz das Portas de Moura (v. PT040705050039), Fonte Nova (v. PT040705180072), Fonte do Largo de Aviz (v. PT040705070111) e Chafariz Del-Rei (v. PT040705190110) -, periurbanos - Chafariz do Rossio de São Braz (v. PT040705180101) - e rurais - Chafariz da Quinta do Arcediago (v. PT040705170108). O tanque estreito. A par do chafariz Del-Rei ( v. PT040705190110) é um dos mais antigos chafarizes da cidade. Figura na panorâmica da cidade que se encontra no Foral da Leitura Nova.
Número IPA Antigo: PT040705170109
 
Registo visualizado 172 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Hidráulica de elevação, extração e distribuição  Chafariz / Fonte  Chafariz / Fonte  Tipo espaldar

Descrição

Planta rectangular composta por tanque e extenso paredão rectangulares. Tanque estreito, recortado em semicirculos concâvos no centro, com bica axial. Paredão escaiolado, encimado por friso de ameias e merlões com remate piramidal; nos ângulos e ao centro pilastras pintadas a cor azul.

Acessos

Avenida Túlio Espanca; EN 114 à saída de Évora para Montemor-o-Novo

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público / ZEP, Portaria n.º 447/2012, DR, 2.ª série, n.º 181, de 18 setembro 2012

Enquadramento

Periurbano, ribeirinho, isolado, junto à estrada, na margem esquerda da ribeira da Torregela, a c. de 500m da antiga Porta de Alconchel.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Hidráulica: chafariz

Utilização Actual

Hidráulica: chafariz

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 15

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Séc. 15, último quartel - construção pelo Senado Eborense; nesta época o sistema de abastecimento da urbe funcionava a partir de poços e cisternas extramuros ou perto das portas das muralhas; 1501, 01 novembro - foral da Leitura Nova doado por D. Manuel e no qual figura, numa panorâmica da cidade apensa à folha de guarda, provavelmente da autoria de Duarte d'Armas, uma imagem do chafariz; 1528 - empreitada de melhoramento entregue aos pedreiros Lourenço Luís e Domingos Rodrigues; 1995, 17 janeiro - Proposta de classificação pelo IPPAR/DRÉvora; 1995, 03 de agosto - proposta de classificação pelo IPPAR, nº 25/MD/95; 1996, 19 janeiro - Despacho de abertura do processo de classificação pelo Vice-Presidente do IPPAR; 2006, 30 junho - Proposta da DRCAlentejo para a classificação como IIP - Imóvel de Interesse Público; 2008, 12 setembro - Proposta de ZEP pela DRCAlentejo 2009, 03 março - Parecer favorável à classificação e ZEP pelo Conselho Consultivo do IGESPAR; 2012, 20 de abril - publicado no DR, nº 79, 2ª série, o Anúncio nº 8777/2012 de Projeto de Decisão relativo à classificação como MIP - Monumento de Interesse Municipal e à fixação da respetiva ZEP.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante

Materiais

Alvenaria rebocada e caiada; tanque de granito

Bibliografia

ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico de Portugal - Concelho de Évora, Lisboa, 1966.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Paula Amendoeira 1999

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login