Pelourinho de Rebordainhos

IPA.00000812
Portugal, Bragança, Bragança, União das freguesias de Rebordainhos e Pombares
 
Pelourinho construído no séc. 16, com rematet do tipo de bloco prismático, composto por soco quadrangular de dois degraus, fuste octogonal e remate cúbico, encimado por pequeno pináculo piramidal. Possui decoração antropomórfica, para além daquilo que parece ser uma lua e um anel metálico no fuste, podendo corresponder ao local onde se encontravam as argolas de sujeição.
Número IPA Antigo: PT010402350011
 
Registo visualizado 381 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição régia  Tipo bloco

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco quadrangular de dois degraus, onde assenta fuste quadrangular de ângulos chanfrados, possuindo a meio um arco de ferro. Remate quadrado, com as faces rebaixadas, apresentando como decoração em baixo relevo uma cara e o que parece ser uma cruz de Santo André.

Acessos

Rebordainhos, Lugar do Pelourinho. WGS84 (graus decimais): lat.: 41.668564, long.: -6.860679

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, isolado. Situa-se num plano elevado, num largo junto à igreja. As habitações de carácter rústico situam-se a uma certa distância.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 16 - época provável da construção do pelourinho; 1706 - segundo Carvalho da Costa, a povoação, com 70 vizinhos, pertence à Comarca de Miranda e ao Bispado de Miranda; 1758 - segundo o padre Bernardino de Morais nas Memórias Paroquiais, a freguesia era couto do rei; tinha 76 vizinhos e 254 pessoas; até há poucos anos era o juiz ordinário da vila que fazia a eleição de novas justiças, mas o corregedor Félix Francisco da Silva tirou aos moradores a posse de fazer justiças; tinha juiz ordinário e câmara, "dos quais bem sindicar o corregedor da Comarca de Miranda", porém as sentenças dadas pelo juiz ordinário iam logo apeladas para a Relação do Porto.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1986; Bragança Boletim Municipal Especial, nº 22, Bragança, Fevereiro 2009; CAPELA, José Viriato, BORRALHEIRO, Rogério, MATOS, Henrique, As Freguesias do Distrito de Bragança nas Memórias Paroquiais de 1758. Memórias, História e Património, Braga, 2007; COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza, vol. I, Lisboa, Valentim da Costa Deslandes, 1706; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; Pelourinhos, Lisboa, 1935; Pelourinhos do Distrito de Bragança, Bragança, 1982.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DREMN

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

2004 - recuperação do espaço envolvente do pelourinho de Rebordaínhos.

Observações

Autor e Data

Ernesto Jana 1993

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login