Ponte de D. Maria / Ponte de Santa-Clara-a-Velha

IPA.00007859
Portugal, Beja, Odemira, Santa Clara-a-Velha
 
Arquitectura de transportes, oitocentista. Ponte de alvenaria que segue modelos construtivos criados durante a época romana e que se prolongara sem alterações significativas até ao séc. 19, quando a divulgação da arquitectura do ferro veio introduzir novas possibilidades formais. Apesar de arruinada mantém as características construtivas e formais. Destaca-se a regularidade geométrica dos pilares e talhamares, contrastando com o aparelho em alvenaria, e a cobertura em tijolo dos talhamares.
Número IPA Antigo: PT040211040020
 
Registo visualizado 165 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Transportes  Ponte / Viaduto  Ponte pedonal / rodoviária  Tipo arco

Descrição

Ponte de alvenaria de pedra e cal, com tabuleiro horizontal assente em arcos de cantaria. Na margem S. do Rio Mira subsiste um o arranque de um arco muito arruinado. Na margem N. subsistem dois arcos de volta perfeita e o arranque de um terceiro, com molduras de cantaria, separados quer a montante quer a jusante por talhamares de cantaria, tabuleiro bastante arruinado, conservando parte dos muros laterais de alvenaria e o intradorso dos arcos em tijolo.

Acessos

Protecção

Categoria: IM - Interesse Municipal, Deliberação da Assembleia Municipal de Odemira de 19 janeiro 2006

Enquadramento

Rural, isolado no fundo de um vale, onde corre o rio Mira, com margens arborizadas e densamente cobertas de vegetação; leito do rio atapetado de nenúfares; em zona de grande beleza natural, perto da Pousada de Santa Clara e da Barragem de Santa Clara.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes: ponte

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural *1

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Construtor: Francisco Lopes do Rosário

Cronologia

1748 - Roteiro menciona a localidade de Santa Clara como ponto de passagem da estrada de Lisboa a Albufeira, dado este confirmado por mapas do Séc. 18; Séc. 19, finais - em mapas desta época as estradas para o Algarve já não passam por Santa Clara apesar de na aldeia existirem ainda três estalagens para muda de cavalos e dormida de viajantes; 1822 - construção ou ampliação da ponte, pelo mestre de obras Francisco Lopes do Rosário, cuja localização se pode relacionar com o traçado de uma via romana que ligaria Beja ao Algarve e cujos vestígios perduram ainda na parte que atravessa o rio Mira; 1849 - a Câmara de Odemira já refere a necessidade de reconstruir a "ponte velha" de Santa Clara e da vantagem em fazê-lo em local mais firme, sobre rocha, junto à aldeia; Séc. 19, final - o condutor das obras públicas do concelho escreve um relatório de inspecção à "ponte antiga de alvenaria sobre a ribeira do Mira na estrada do Alentejo para o Algarve, à distância de 1Km aproximadamente da aldeia de Santa Clara"; refere que a ponte se acha em "péssimo estado de conservação, com grandes fendas nas abóbadas dos arcos centrais, originando depressões no pavimento onde as águas pluviais se acumulam antes de escorrer pelas fendas, e sem guardas, pelo que nela não passam já veículos, nem mesmo descarregados"; lamenta que tão importante construção se encontre em tal estado e recomenda obras urgentes; Séc. 20, meados - intervenção provoca parcial derrocada da ponte; 1992, 26 de Fevereiro - despacho de abertura do IPPC para classificação como Imóvel de Interesse Público; 1996, 31 de Outubro - despacho de abertura pelo IPPAR processo de instrução de classificação; 2000, 25 agosto - incluído no PDM de Odemira, Resolução nº 114/2000, DR n.º 196.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante

Materiais

Estrutura de alvenaria de pedra e cal, rebocada e caiada, com arcos de tijolo, molduras dos arcos e quebra-mares revestidos a cantaria.

Bibliografia

QUARESMA, António Martins, A Barca de Odemira, Beja, 1993.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; IPPAR: DRE

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID; Biblioteca Pública de Évora: Roteiro Terrestre, 1748, cod. CXII / I-14 d; AHM: T. Jefferys, Carta Geographica dos Reynos de Portugal e Algarves, 1762.

Intervenção Realizada

Séc. 20, meados - obras de intervenção; IPPAR: 2003 - 2005 - obras de recuperação e valorização: colocação de gravilha em substituição do pavimento original do tabuleiro já desaprecido; colocação de signalética e de traves de betão armado possibilitando acesso pedonal parcial sobre o leito do rio de molde a permitir a visão frontal da ponte.

Observações

*1 - incluído no Itinerário Pontes Históricas do Alentejo/IGESPAR. *2 - o pavimento original desapareceu tendo o extradorso das abóbadas das arcadas sido coberto por gravilha.

Autor e Data

Ricardo Pereira 2001 / Rosário Gordalina 2002

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login