Palácio da Graciosa

IPA.00000785
Portugal, Aveiro, Anadia, União das freguesias de Arcos e Mogofores
 
Casa nobre barroca, inserta na tipologia definida por Carlos de Azevedo como casa comprida, tendo em conta o seu desenvolvimento horizontal. Encontra modelos parentes e contemporâneos na Casa de Amoreira de Gândara, Anadia, (com balaústres, fogaréus e escadaria idêntica, datada de 1778), Casa dos Viscondes de Maiorca (com janelões semelhantes), Casa Sotto Mayor (Condeixa) e Palácio Galvão Mexia (Lisboa). Destaca-se o reaproveitamento de material artístico românico e seiscentista no corpo neomanuelino.
Número IPA Antigo: PT020103030003
 
Registo visualizado 202 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  

Descrição

Planta retangular composta por edifício principal e, ligada por um arco, a capela privativa, Volumes articulados e coberturas em telhados de quatro águas (palácio) e duas águas (capela). Fachada organizada em três panos verticais marcados por pilastras colossais toscanas. Corpo central emoldurado por escadaria com patamar central e dois patamares superiores de acesso a dupla entrada. A escadaria arranca de soco em degraus semicirculares levantando-se, a partir do patamar central, guardas com balaustrada com secções marcadas por pedestais com fogaréus. Ao nível térreo, por baixo da escadaria, quatro portadas de acesso ao edifício, com remates curvos. Enquadram-se ao nível do andar nobre, portada dupla com empena e remates curvos interrompidos e pendentes decorativos laterais e ao centro janelão com empena curva, moldura em orelha e remate superior curvilíneo incluindo pedra de armas. Lateralmente rasgam-se, simetricamente, seis vãos em cada andar, no piso térreo quatro janelões gradeados com empena curva e porta rectangular com cimalha curva com correspondência a seis janelões superiores, emoldurados por cantaria e frontão triangular abatido. As fachadas laterais e posterior têm vãos idênticos: à direita, acesso superior central por escadaria, porta rectangular central e dois janelões rectangulares e à esquerda, composição de um corpo avançado com triplas aberturas e janelão central com varanda abalaustrada curva. Nas traseiras e unida por arco, capela rectangular composta por nave única e capela-mor rebaixada. Fachada simples com porta axial com empena curva e óculo quadrilobado superior com coroamento triangular, fachada lateral com porta, dois janelões superiores e um outro, ao nível da capela-mor. Na fachada posterior, acima do soco que corre todo o templo, três nichos cegos de arco ogival e anexa-se pequeno campanário lateral. Todas as fachadas têm cunhais marcados por ordem arquitectónica colossal com pilastras toscanas lisas assentes em plintos, sendo os capitéis substituídos por elemento convexo, e coroados por fogaréus.

Acessos

Lugar de Arcos, Rua de Três Arcos, Rua da Carneira, Rua da Graciosa

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 67/97, DR, 1ª Série-B, n.º 301, de 31 dezembro 1997

Enquadramento

Rural. Isolado, está envolvido por formoso parque com esculturas, numa vasta quinta murada, com terrenos agrícolas e floresta.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Residencial: casa

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Época Construção

Séc. 18 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

Séc. 18, último terço - Supõe-se ter sido edificada por José de Melo Sampaio Pereira de Figueiredo, irmão do Bispo de Goa e Algarve, Frei Lourenço de Santa Maria; 1879 - conferido o título de Marquês da Graciosa; 1896, cerca - construção do corpo neomanuelino, anexo ao edifício, no qual se reaproveitaram colunas seiscentistas provenientes de demolições da cidade de Coimbra e capitéis românicos pertencentes à igreja de São Cristóvão, Coimbra; 1977, 29 setembro - o imóvel foi classificado como VC, pelo Decreto nº 129 / 77, DR, 1ª Série, nº 226 de 29 setembro de 1977.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Alvenaria, cantaria em calcário, coberturas em tijolo, madeira e estuque (tectos)

Bibliografia

GOMES, Marques, O Distrito de Aveiro, Coimbra 1877; GONÇALVES, Nogueira, Inventário Artístico de Portugal. Distrito de Aveiro, VI, Lisboa, 1959, pp. 69 - 70; AZEVEDO, Carlos de, Solares Portugueses, Lisboa, 1969, pp. 88 - 89 e 146; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/72976 [consultado em 14 outubro 2016].

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

DGEMN: DREMC

Intervenção Realizada

O proprietário realiza, periodicamente, obras de beneficiação.

Observações

O brasão da fachada é esquartelado de Figueiredos, Pereiras, Melos e Sampaios com timbre de água de duas cabeças.

Autor e Data

Margarida Alçada 1983 / Carlos Ruão 1996

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login