Hospital da Santa Casa da Misericórdia de Beja / Hospital de Nossa Senhora da Piedade

IPA.00000750
Portugal, Beja, Beja, União das freguesias de Beja (Santiago Maior e São João Baptista)
 
Arquitectura religiosa e de saúde, gótica, manuelina, barroca, rococó, revivalista. Hospital de fundação régia, mais tarde incorporado na Misericórdia, com capela privada anexa; implantação quadrangular em torno de um claustro central, rodeado por 4 alas; capela adossada a um dos cantos do quadrilátero. Da primitiva construção do gótico final resta a primitiva capela da portaria, depois transformada em botica, mantendo a estrutura e a decoração manuelina; da actual capela resta a estrutura com contrafortes escalonados e chanfrados, um óculo entaipado na parede O. e um nicho na actual sacristia; no corpo do hospital vários espaços abobadados, com abóbadas de cruzaria de ogivas estribadas em mísulas em forma de prismas invertidos e fechos decorados e abóbadas de berço com fortes arcos torais descarregando também em mísulas; no piso superior do alçado N. do hospital subsistem janelas de verga golpeada, com diferentes modelos de arcos conopiais, característicamente manuelinas. Portais da igreja e do logradouro de linhas barrocas. Vãos neo-góticos na fachada principal e revestimento azulejar do séc. 19 em diversas alas. A disposição da actual capela foi alterada quando a ela se adaptou o retábulo vindo de São Francisco; o primitivo templo era orientado a O.; a sua tribuna, integralmente decorada com pinturas murais barrocas, de excelente qualidedae, figurando, mármores embutidos fingidos, portas em trompe l'oeil, brutescos, representações de símbolos da paixão e inscrições alusivas, foi recentemente descoberta por trás do actual altar lateral do Evangelho (BORRELA, 1987).
Número IPA Antigo: PT040205130016
 
Registo visualizado 441 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Saúde  Hospital  Hospital de Confraria / Irmandade  Misericórdia

Descrição

Planta irregular composta por vários corpos rectangulares dispostos em torno de um claustro central, quadrangular; do lado N. adossam-se os corpos justapostos da capela rectangular e da sacristia, de planta quadrada. Corpos articulados com coberturas diferenciadas em telhado de 2 águas. Fachada principal virada a O. de 2 pisos com cimalha e beirado envolvente, rasgada por arco a pleno centro dando acesso a um átrio com abóbada de cruzaria de ogivas, com porta em arco quebrado na parede fundeira; sobre o átrio uma outra janela de igual vão; na restante fachada vãos rectangulares moldurados, com janelas de sacadas no piso superior; na fachada N., também de 2 pisos, destacam-se 4 janelas de verga golpeada em arco conopial, rasgadas no piso superior; a fachada da capela, de 3 panos divididos por contrafortes escalonados chanfrados, é rasgada por portal de frontão curvo interrompido com pedras de armas ao centro. INTERIOR: para o o átrio abrem 2 salas, a antiga casa da roda, a S., a antiga capela de São Marcos depois transformada em botica, a N.; claustro formado por 4 quadras fechadas rodeando um pátio elevado, com abóbada de cruzaria de ogivas sobre mísulas, dos lados S. e E., em abóbada de berço a O., interrompida pela escada de acesso ao piso superior a N.. Anexa a toda a ala O. a sala da enfermaria, com 2 naves de 6 tramos, divididas por largos pilares prismáticos, cobertas por abóbada de cruzaria de ogivas sobre mísulas, com fechos esculpidos. CAPELA: espaço unificado iluminado por janelão no alçado lateral, com abóbada de berço rebaixado; alçados totalmente revestidos a talha dourada rococó, integrando pinturas a óleo e 2 retábulos, um no altar-mor, outro em altar lateral, este com marmoreados; silhar envolvente da capela também em talha marmoreada. Na parede do hospital 2 tribunas entaipadas, dos lados de um painel pictórico, rematadas por frontões em talha dourada. A partir do frontal de altar do retábulo da capela do lado do Evangelho, removível, tem-se acesso à primitiva tribuna do antigo templo orientado a O.: apresenta os alçados integralmente revestidos com pinturas murais

Acessos

Rua Dom Manuel I

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto n.º 15/2006, DR, 1ª série - B, n.º 109 de 06 junho 2006

Enquadramento

Urbano. Implanta-se no centro histórico de Beja, junto ao Castelo ( v. 0205130003 ), integrando-se no casario do lado E., encostando a fachada O. à muralha que envolvia a cidade e abrindo a fachada principal para a antiga R. do Hospital (hoje de D. Manuel I). Um logradouro separado da rua por um muro alto, rasgado por portal rematado por frontão com cruz, com pedra de armas de D. Manuel no tímpano, rodeia o edifício do lado N.; para o logradouro deita a fachada da capela.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Saúde: hospital de confraria / irmandade

Utilização Actual

Educativa: instituto superior

Propriedade

Privada: Misericórdia

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 15 / 18 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

André Reinoso ( pinturas a óleo, atr. ); José António da Costa, carpinteiro, séc. 19

Cronologia

1490 - início da construção do hospital de Nossa Senhora da Piedade por iniciativa de D. Manuel, ainda duque de Beja, provavelmente no local onde em 1469 o infante D. Fernando, seu pai, fundara uma casa para recolhimento de doentes e peregrinos; das obras é encarregue Antão de Oliveira, mais tarde provedor; na construção serão aplicados os bens dos hospitais medievais existentes em Beja, entretanto desactivados: o de São Brás e o dos Palmeiros, no Arrabalde de São Francisco, a Gafaria de Santana, junto à ermida de Santo André; 1511 - o hospital é dotado de Regimento; 1554 - o hospital passa para a alçada da Misericórdia, por iniciativa de D. Luís, fundador da igreja daquela instituição, passando a beneficiar dos seus rendimentos; Séc. 17, 1ª metade - pinturas a óleo dos alçados atribuíveis a André Reinoso ( MESTRE; 1992 ); Séc. 18, 1ª metade - construção do portal de acesso ao logradouro e do portal de acesso à capela, integrando pedras de armas manuelinas; Séc. 18, finais - remodelação da fachada principal, na qual se colocou pedra de armas de D. Maria no fecho do arco da fachada sobre a data de 1794, construção da escada de acesso ao piso superior; 1844 / 1855 - rasgamento da porta principal e da janela do 2º piso da fachada principal, revestimento do átrio com silhar de azulejos; pavimentos das quadras do claustro; transformação do interior da capela, alterando a disposição anterior, com altar-mor do lado O.; revestimento de todo o interior com a talha dourada rococó vinda da capela dos Terceiros da igreja de São Francisco, cuja adaptação esteve a cargo do mestre carpinteiro José António Costa ( BORRELA, 1987 ); 1970 - encerramento do Hospital da Misericórdia; 1972 - reabertura como Hospital de apoio do distrital de Beja; 1988 - fecho definitivo do Hospital; 1988, 05 de Novembro - a Câmara Municipal apresenta ao IPPAR proposta de classificação do imóvel; 1989, Janeiro - despacho de classificação como Monumento Nacional; 1990 - instalação dos serviços do Instituto Superior de Serviço Social e da Universidade Moderna; 2001 - a Universidade Moderna deixa de ocupar o 1º piso.

Dados Técnicos

Estrutura autónoma e mista

Materiais

Alvenaria de pedra e tijolo em estruturas, cantaria em molduras, pavimentos cerâmicos, azulejos, madeira, vidro.

Bibliografia

BORRELA, Leonel, Hospital de Nossa Senhora da Piedade - a Igreja, Arquivo de Beja, Beja, vol. 4, 1987; ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico do Distrito de Beja, Lisboa, 1993; MESTRE, Joaquim Figueira, Proposta de Classificação do Hospital da Misericórdia como monumento nacional, Beja, 1992; Beja - olhares sobre a cidade, Beja, 1993; Cadernos do Centro Histórico, nº 3, Beja, 1992.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Isabel Mendonça 1993

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login