Igreja Paroquial de Mértola / Igreja de Nossa Senhora da Assunção / igreja de Nossa Senhora da Anunciação

IPA.00000741
Portugal, Beja, Mértola, Mértola
 
Arquitectura religiosa, islâmica, gótica, manuelina, renascentista. Primitiva mesquita almóada adaptada a igreja cristã, já com a divisão interior em 5 naves, marcadas exteriormente por 5 telhados, com cobertura em madeira assente em fiadas de 6 colunas, arcos ultrapassados enquadrados por alfizes; a solução adoptada no interior (a nave central e o último tramo, maiores que os restantes e com a mesma dimensão, marcam um "T" inscrito na planta) foi muito utilizada pela arquitectura religiosa almóada; também a decoração do "mihrab" tem paralelos na Mesquita de Almeria e nas mesquitas almóadas do N. de África. O abobadamento do interior, a transformação da volumetria exterior e os acrescentos estruturais (contraforte cilíndrico e de esbarros) e ornamentais (merlões denteados e chanfrados, pináculos cónicos) são característicos do gótico final alentejano de tradição mudéjar; o portal de proporções e decoração clássica integra-se na paralela corrente renascentista, testemunhando a acção de André Pilarte, activo igualmente na Igreja de Salvador de Ayamonte, mas cuja oficina actuou sobretudo no Algarve, à qual se associam outros imóveis, como a Igreja Matriz de Moncarapacho, a igreja Matriz de Alcoutim (v. PT050802010013), a Igreja de Cacela Velha (v.PT050816010008), a Igreja de Santa Catarina de Fonte do Bispo, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição de Tavira (v. PT050814020014) e, em Tavira, a Igreja da Misericórdia (v. PT05081406003), a Casa na R. do Poço do Bispo (v. PT050814060061), a Casa na R. Almirante Cândido dos Reis( v. PT050814 0071), o Edifício Irene Rolo (v. PT050814050047) e o Palácio da Galeria (v. PT050814050023). Única igreja cristã em que ainda é reconhecível a volumetria e alguns elementos decorativos da mesquita que a antecedeu, nomeadamente a disposição da planta em "T" reforçado, a presença do "mihrab" (com decoração em gesso formando aros cegos polilobados) e do compartimento do "nimbar" (onde se guardava o púlpito móvel) na parede da "quibla", orientada a nascente, na direcção de Meca e ainda a presença de 4 arcos ultrapassados, enquadrados por alfizes. É dos poucos edifícios que apresenta ameias tipicamente mudéjares, escalonadas, inspiradas no muro sul da Mesquita de Córdova, tal como acontece no Palácio da Quinta dos Ribafrias (v. PT031111090017) e Paço da Vila de Sintra (v. PT031111110006). A manutenção da estrutura da mesquita estará relacionada com a sua relativa grandeza num período de apogeu da cultura muçulmana em Mértola e com o escasso desenvolvimento que a povoação conheceu no período cristão (ALMEIDA: 1986). É patente o reaproveitamento de capitéis coríntios romanos; plintos e capitéis na maioria manuelinos, a par de algumas bases de feição clássica.
Número IPA Antigo: PT040209040002
 
Registo visualizado 1954 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Mesquita  

Descrição

Planta composta; à grande nave quadrangular adossa-se um pequeno anexo rectangular, a N., a forma pentagonal do "mihrab", a E. e a torre sineira de planta quadrada no canto SE.. Volumes escalonados com cobertura diferenciada em telhado de 2 águas sobre a igreja e anexos, em coruchéu de remate bolboso sobre a torre. As 4 fachadas são coroadas por merlões triangulares de recorte denteado, alternando nos alçados laterais com pináculos cónicos rodeados por merlões chanfrados; na fachada principal, virada a S., de empena angular, um desses pináculos serve de remate a um contraforte cilíndrico no cunhal esquerdo, adossando-se ao contraforte oposto a torre sineira prismática, rasgada por ventanas na parte superior, com fogaréus nos 4 cantos; adossado ao eixo médio da fachada um contraforte de 3 andares de diferente molduração, terminando em pináculo cónico; à sua direita rasga-se, em posição descentrada, o portal de vão rectangular, enquadrado por molduras com baixos relevos e colunelos e encimado por óculo moldurado; na fachada posterior o volume prismático do anexo e um portal em arco ultrapassado enquadrado por alfiz; na fachada lateral direita o volume facetado do "mihrab"; vários contrafortes reforçam o alçado principal e os alçados laterais, um deles disposto na diagonal, um outro vazado em arcobotante. INTERIOR: 5 naves de 4 tramos (com a nave central e o último tramo mais largos e formando um "T"), cobertos por abóbadas de cruzaria de ogivas sobre colunas de fuste cilíndrico e sobre mísulas adossadas às paredes; o tramo em frente ao "mihrab"/ altar-mor é coberto por abóbada estrelada. Um nicho em arco redondo sobre colunelos rasga-se na parede E., enquadrando o "mihrab" em forma de nicho facetado, com arcos cegos polilobados em estuque e o compartimento do "nimbar"; 4 portas de vão em arco ultrapassado, enquadradas por alfizes, abrem-se 1 no alçado E., 3 no alçado N..

Acessos

Rua da Igreja

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG n.º 136 de 23 junho 1910 / ZEP, Portaria, DG, 2.ª série, n.º 37 de 13 dezembro 1970 / Incluído no Parque Natural do Vale do Guadiana e no Plano Sectorial da Rede Natura 2000: Sítio de Interesse Comunitário Guadiana (PTCON0036)

Enquadramento

Urbano, outeiro, isolada. Implantação destacada num patamar rasgado na colina de forte declive, abaixo do castelo, dominando a N. a povoação, que se espraia em socalcos até ao Rio Guadiana. A fachada principal deita para uma via empedrada ladeada por murete, no qual assenta um Cruzeiro (v. PT040209040017). Nas imediações fica ainda a Capela do Calvário (v. PT040209040012).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: mesquita

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 12 / 13 / 15 / 16 / 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: André Pillarte (conjectural) e Fernão Pires (merlões, atr.)

Cronologia

Séc. 12, final - data provável da construção da mesquita; Séc. 13 - a mesquita é sagrada igreja cristã e o altar-mor é deslocado para a parede N.; Séc. 15, finais - o altar-mor torna a ser implantado na parede E.; 1506 - Duarte Darmas representa a igreja ainda com os telhados em tesoura e com a torre minarete (ALMEIDA, 1943). Séc. 16, meados - rasgamento do portal, abobadamento da igreja, possível substituição do minarete pela torre sineira, coroamento com merlões, da autoria de Fernão Pires, segundo Pedro Dias; Séc. 17 / 18 - remate da torre sineira; 1969, 2 Fevereiro - danos causados pelo sismo.

Dados Técnicos

Estrutura mista

Materiais

Estrutura de alvenaria rebocada. Portal de mármore. Cobertura em telha cerâmica. Tijoleira no pavimento

Bibliografia

Guia de Portugal, Vol. II, Lisboa, 1932; ALMEIDA, João, O Livro das Fortalezas de Duarte Darmas (...), Lisboa, 1943; SANTOS, Reinaldo, O estilo manuelino, Lisboa 1952; A Igreja Matriz de Mértola, Boletim da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, nº 71, Lisboa, 1953; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1953, Lisboa, 1954; EWERT, Christian, La Mezquita de Mertola (Portugal), Granada, 1965; TAR, Lisboa, 1976; SILVA, José Custódio Vieira da, O tardo-gótico em Portugal - a arquitectura no Alentejo, Lisboa, 1989; ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de, Arte islâmica em Portugal in História da Arte, Vol. II, Lisboa, 1986; TORRES, Cláudio, SILVA, Luís Alves da, Mértola - vila museu, Mértola, 1990; DIAS, Pedro, Arquitectura Mudéjar Portuguesa: Tentativa de sistematização, Mare Liberum, nº 8, Dezembro de 1994.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

DGEMN: 1947 - reparação da cobertura e de rebocos; 1949 - reparação de rebocos; 1952 - reparação do "mihrab"; 1961 - reparação da cobertura, reparação de rebocos e de pinturas; 1974 - reconstrução da cobertura, execução de rebocos; 1979 - consolidação da fachada; 2007 - decorrem escavações arqueológicas junto à fachada lateral direita, tendo sido levantado o lageamento de pedra do adro e posto a descoberto diversas estruturas.

Observações

Autor e Data

Isabel Mendonça 1994

Actualização

Rosário Gordalina 2007
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login