Igreja Paroquial de Ferreiros de Tendais / Igreja de São Pedro

IPA.00007060
Portugal, Viseu, Cinfães, Ferreiros de Tendais
 
Igreja paroquial de planta retangular composta de nave única e capela-mor rectangular, mais baixa e estreita com sacristia adossada à fachada lateral esquerda. Fachada principal terminada em empena de friso e cornija, rasgada por portal de verga recta encimado por janela de modinatura semelhante. Tem sineira fronteira e, no adro, eixstem algumas sepulturas escavadas na rocha, algumas delas antropomórficas, pertencentes a um primitivo cemitério. Fachadas laterais terminadas em friso e cornija, com pilastras nos cunhais e rasgadas por seis janelas de verga recta. Interior com coro-alto, púlpito e tectos de madeira de caixotões policromados e com imagens de santos. Retábulos do estilo nacional, decorados com parras e cachos de uvas. Nave e capela-mor com lambril de azulejo padrã seiscentista reveste o interior do edifício.
Número IPA Antigo: PT011804050009
 
Registo visualizado 654 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal, com volumes articulados com coberturas diferenciadas de duas águas e de uma no corpo adossado à fachada lateral N.. Fachada principal orientada a O. com portal de verga recta encimado por janelão de arco abatido. Pano delimitado por pilastras, com remate em empena, cornija, pináculos e cruz no remate. Campanário separado e fronteiro, constituido por pano de muro precedido por escadaria de cantaria de acesso à dupla sineira de arco pleno, com cornija recta sobrepujada por dois pináculos e cruz central. Fachada lateral esquerda virada a N. com porta encimada por janelão gradeado, ladeado por dois janelões de verga recta, também gradeados. Na transição da nave para o corpo da capela-mor, em plano ligeiramente mais recuado, corpo saliente da sacristia, com pequena fresta lateral. Janelão de verga recta no corpo da capela-mor. Fachada lateral direita, virada a S., com aberturas semelhantes à lateral esquerda, com excepção de escadaria adossada longitudinalmente à estrutura murária que conduz ao janelão mais chegado à fachada principal, que funciona como acesso ao coro-alto. No corpo da capela-mor, em plano mais baixo e recuado, porta e três janelões de verga recta. Fachada posterior cega, onde se destacam as pilastras, cornija, pináculos e cruz no remate. INTERIOR da igreja de nave única, com coro-alto de madeira policromada com balaustrada de madeira, apoiado em arco de asa de cesto. Na parede do lado do Evangelho, situa-se o baptistério. Porta lateral encimada por varanda de sacada para o interior, a que se tem acesso por escadaria intramuros e que por sua vez segue para o coro-alto. Parede do lado da Epístola semelhante à fronteira. Tecto de caixotões de madeira policromados e pintados com imagens de santos. Arco triunfal revestido de madeira policromada e ladeado por dois altares de madeira também policromada. Capela-mor com porta de acesso à sacristia, três janelões de verga reta, dois deles entaipados. Tecto semelhante ao da nave. Na nave e capela-mor, revestimento de lambril de azulejo de tapete, envolto por molduraa de acantos enrolados.

Acessos

EN 321 ao Km 37,8 para Granja - Vila Boa; a 8,9 Km para caminho público a 100 m

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público / ZEP, Portaria nº 740-L/2012, DR, 2.ª série, n.º 248, de 24 dezembro 2012

Enquadramento

Urbano, a meia encosta, isolado e implementado em adro em plano inferior ao da via pública, onde se ergue Cruzeiro dos Centenários (v. IPA.00014381).

Descrição Complementar

Retábulos laterais com tribuna rectangular, ladeada por colunas espiraladas envolvidas por parras e anjinhos, sobre plinto. As colunas são travadas por arquitrave e prolongam-se sobre esta em arquivoltas, unidas no sentido do raio, que envolvem o arco triunfal. Retábulo principal composto por tela central, representando a Instituição da Eucaristia, ladeada por pilastras e colunas espiraladas, que se prolongam em arquivoltas formando arco pleno.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Lamego)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 17

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

Séc. 13 - era um curato real; 1574 - a igreja pertence ao padroado real e integra o território da Diocese de Lamego; 1641 - ordem dada pelos visitadores para se concluir a obra de madeiramento; 1645 - ordem para se rematar o entablamento; 1679 - reparação da galilé; 1889 - restauro da igreja sob o patrocínio do Conde de Castelo de Paiva; 1947, 12 dezembro - proposta da Junta Nacional de Educação de classificar o edifício como Imóvel de Interesse Local quando superiormente fosse estabelecida tal classificação (a categoria de VC veio a ser estabelecida em 1949); 16 dezembro - despacho de homologação; 2010, 14 maio - proposta da DRCNorte de classificação do edifício como Interesse Público e fixação da respetiva Zona Especial de Proteção; 03 novembro - parecer do Conselho Nacional de Cultura a concordar com a Zona Especial de Proteção e a propor a classificação como Monumento de Interesse Público; 2011, 06 outubro - publicação do projeto de decisão de classificação do edifício como Monumento de Interesse Público e fixação da respectiva Zona Especial de Proteção, em Anúncio n.º 14165/2011, DR, 2.ª série, n.º 192.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura de granito, pilastras, cruzes, cornijas, sineira e molduras de vãos em cantaria; gradeamento em ferro; lambril de azulejos na nave e revestimento das paredes da capela-mor; tecto, altares, coro-alto e púlpito de madeira; cobertura de telha.

Bibliografia

COSTA, M. Gonçalves da, História do Bispado e Cidade de Lamego, vols. IV, V, Lamego, 1984, 1985; MONTEREY, Guido de, Terras ao Léu - Cinfães, Cinfães, 1985; Terras Cinfanenses, Cinfães, 1997; SERRÃO, Joaquim Veríssimo - Livro das Igrejas e Capelas do Padroado dos Reis de Portugal - 1574. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian Centro Cultural Português, 1971.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1 - uma pedra tumular, inserida no muro da igreja, com uma cruz de hastes alongadas dentro de um círculo, utilizada tanto no período visigótico como na Idade Média, levam alguns autores a apontarem a primitiva igreja como do séc. 6.

Autor e Data

João Carvalho 1999 / Sónia Basto 2013

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login