Passos da Via Sacra do Funchal

IPA.00006994
Portugal, Ilha da Madeira (Madeira), Funchal, Funchal (Santa Maria Maior)
 
Via Sacra setecentista composta por cinco Passos, de que subsistem apenas dois, embutidos em edifícios, tipo nicho, em arco de volta perfeita e exteriormente com vão retilíneo, tipologicamente diferentes, mas de linguagem comum, fruto da sua contemporaneidade. O Passo da Rua de Santa Maria apresenta o vão com moldura terminada em cornija, encimada por friso e cornija sobreposta por nicho entre aletas e rematado por cruz sobre base inscrita com a data da sua feitura. No interior, o arco é decorado por pintura rococó, de caráter popular, com duas fases estilísticas sobrepostas, uma dos meados do séc. 18 e outra de finais do mesmo. O Passo do Largo do Pelourinho, com linguagem baseada no Tratado de Giovanni Vignola, tem o vão mais curto, encimado por cornija sustentando tabela retangular, com monograma IHS, cruz e cravos inseridos em tondo, rematada por frontão interrompido por cruz e ladeado por aletas e pináculos. No seu interior o nicho tem pintura recente recriando o espírito da Procissão dos Passos, fechado com placa de vidro. Ambos os Passos são em cantaria regional aparente e têm portadas de madeira.
Número IPA Antigo: PT062203040110
 
Registo visualizado 41 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto arquitetónico  Estrutura  Religioso  Via Sacra    

Descrição

Dois Passos da Via Sacra com vão retilíneo. PASSO DA RUA DE SANTA MARIA com vão retangular, até ao pavimento, e moldura em cantaria rija aparente, terminada em fina cornija, encimado por friso e cornija; esta é sobreposta por nicho, em arco de volta perfeita, decorado com rosetas sextavado, com outro interior rebaixado, ladeado por aletas e coroado por cornija sobreposta por cruz latina, assente em plinto com a data de 1733 inscrita. Portadas duplas de madeira, pintadas a verde escuro. Interiormente, tem arco de volta perfeita, de boa profundidade, com chave, capitéis e bases ressalvadas, assentando as impostas em estilóbatos. As cantarias interiores, face e intradorso do arco, são pintadas com cartelas representando instrumentos da Paixão, sobre fundo de marmoreados fingidos. Sob esta, surge na metade inferior uma outra cartela tendo pintado "INRI". PASSO DO LARGO DO PELOURINHO: sensivelmente quadrangular, de molduras em cantaria regional mole e escura, terminada em fina cornija, e base a meio metro do chão. Superiormente e separado do vão, surge cornija moldurada em cantaria vermelha, do Cabo Girão, encimada por tabela retangular, disposta na vertical, definida por pilastras almofadadas, enquadrando cartela circular de moldura relevada, com o monograma "HIS", cruz os três pregos da Paixão. A tabela termina em cornija e frontão triangular interrompido por cruz, e é ladeada por aletas volutadas e pináculos relevados, sobre bases quadrangulares. Portadas duplas de madeira, pintadas de verde escuro. Interiormente, tem arco de volta perfeita de pouca profundidade, com chave, capitéis e astrágalos ressalvados, com os seguintes também em cantaria vermelha, assentando as impostas diretamente na base. Fundo em alvenaria pintada a branco com tela figurando o Senhor da Cana Verde, com brasão da Câmara do Funchal, em cima e à direita, placa de madeira em forma de cartela, assente na base de cantaria com explicação do Passo Processional, fechado por placa de vidro.

Acessos

Funchal (Santa Maria Maior), Rua de Santa Maria n.º 88; Funchal (Sé), Largo do Pelourinho

Protecção

Categoria: VL - Valor Local, Resolução do Presidente do Governo Regional n.º 241/99, JORAM, 1.ª série, n.º 26 de 09 março 1999 (Passo do Largo do Pelourinho)

Enquadramento

Urbano, integrado em edifício, o da Rua de Santa Maria de dois pisos, na "zona velha" da cidade, e o do Largo do Pelourinho, junto da antiga Rua Direita e a confrontar-se com o Pelourinho da cidade (v. IPA.00030112).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: Via Sacra

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: municipal (Passo do Largo do Pelourinho) / Privada: pessoa colectiva (Passo da Rua de Santa Maria)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 17 / 18 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

RESTAURADORES: Eva Dellinger (1997); Georgina Garrido (1997); Leonor Leitão (1997).

Cronologia

Séc. 16 - 17 - instituição no Funchal da Procissão do Senhor dos Passos; séc. 17 - 18 - construção do Passo do Largo do Pelourinho; 1733 - construção em cantaria do Passo do Largo de Santa Maria; 1936, 16 março - descrição da antiga procissão dos Passos por Jaime Câmara; séc. 20 - reutilização do espaço do Passo de Santa Maria com novas funções; 1990 - colocação da pintura no interior do Passo do Pelourinho e da placa explicativa.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em cantaria mole escura e vermelha regional aparente; alvenaria de cantaria regional rebocada; portadas de madeira pintadas de verde; pintura sobre pedra, tela e vidro.

Bibliografia

CÂMARA, Jaime - “A Procissão do Senhor dos Passos”. In Diário de Notícias. 16 março 1936; CARITA, Rui - História da Madeira. Funchal: 1996, vol. 3, p. 35; CARITA, Rui - História da Madeira. Funchal: 1999, vol. 5; CARITA, Rui e TRUEVA, José Manuel de Sainz - Itinerário Cultural do Funchal. Funchal: 1997; CARITA, Rui, TRUEVA, José Manuel de Sainz - Roteiro Histórico e Cultural da Cidade. Funchal: 1997; "Da História do Cidade". In Boletim Municipal. setembro 1990; E. M. - "Passos da Paixão de Cristo no Funchal". In Jornal da Madeira. 20 janeiro 1985; "Largo do Pelourinho. Velho oratório é posto a descoberto". In Diário de Notícias. Funchal: 21 julho 1990; "Para turista (não) ver. Restauros em vão". In Diário de Notícias. Funchal: 10 julho 1998; SILVA, Padre Fernando Augusto da - Diocese do Funchal. 1922; SILVA, Padre Fernando Augusto da - Elucidário Madeirense. Funchal: 1945, 3 vols.; TRUEVA, José Manuel de Sainz - "Património para quê ? (15) Passos Processionais". In Diário de Notícias: Funchal, 06 maio 1984.

Documentação Gráfica

Planta de Oudinot (1804); planta de António Pedro de Azevedo ("Hospital Militar", 1846); CMF; DRAC, Funchal

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; Museu Vicentes Photographos; CMF, DRAC, Funchal

Documentação Administrativa

DRAC; CMF, Funchal

Intervenção Realizada

Câmara Municipal do Funchal: 1990 - recuperação geral com reposição conjetural do interior do Passo do Largo do Pelourinho para exposição permanente; Sindicato dos Enfermeiros: 1997 - recuperação geral do Passo da Rua de Santa Maria, com restauro das pinturas sobrepostas pelo Atelier do Corpo Santo (Eva Dellinger, Georgina Garrido e Leonor Leitão).

Observações

Estes Passos da Via Sacra abriam à passagem da Procissão, mostrando o seu interior com passos da Paixão de Cristo e, em frente a cada um, era feita uma pequena paragem, cantando-se um moteto acompanhado de rabecão. A procissão saía no domingo à tarde da Igreja do Colégio, percorrendo a R. da Carreira e a de São Francisco parando no primeiro Passo, no "jardim pequeno", depois seguia para a Sé, onde se celebrava o "encontro", ou seja, do Senhor dos Passos com Nossa Senhora, vinda de Santa Maria Maior, altura em que se realizava um sermão. A procissão seguia depois para Santa Maria Maior, fazendo pequenas paragens nos Passos da Rua do Aljube, Largo do Pelourinho e Rua de Santa Maria.

Autor e Data

Rui Carita 1999

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login