Casa da Quinta da Calçada

IPA.00006855
Portugal, Viana do Castelo, Melgaço, União das freguesias de Vila e Roussas
 
Casa nobre construída no séc. 18, de grande sobriedade e harmonia, conferida pela relação entre volumes, destacadamente no frontispício. Apresenta planta em U pouco pronunciado e invertido, com uma das alas prolongadas para a fachada posterior, traça característica do Alto Minho. A fachada principal, marcadamente sóbria e equilibrada, é modulada em três panos, com varanda recuada coberta ao centro, a partir da qual se faz o acesso ao andar nobre, e que se converte em espaço funcional aberto, contrastando com a situação geográfica da casa, nas faldas setentrionais da Serra da Peneda. Apesar da adaptação do solar a funções turísticas, manteve a traça e o emprego de acabamentos tradicionais e bem integrados, destacou-lhe a sobriedade; o telhado caiado, segue a tradição local que dessa forma procura impermeabilizar a telha, tornando-a resistente à geada.
Número IPA Antigo: PT011603180012
 
Registo visualizado 109 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo planta em U

Descrição

Planta composta por corpo principal em U pouco pronunciado, constituído por dois corpos laterais, rectangulares, ligados por um central recuado com varanda coberta, e por corpo também rectangular que prolonga o anterior a NE. e de que resulta uma traça final em L. Uma pequena galeria de planta rectangular, encostada ao ângulo recto que marca a intersecção daqueles dois corpos, ergue-se sobre a eira para a qual abre a parte posterior da casa. Volumes articulados e coberturas diferenciadas em telhados de duas águas no corpo central e três águas nos restantes. Fachadas de dois registos, rebocadas a branco com excepção da do lado N. que é caiada directamente sobre o aparelho, e cunhais, embasamento, cornijas e vãos que são em granito aparente. O telhado é também caiado acentuando o tom claro e luminoso do conjunto. Caixilharias em madeira pintadas a branco e alizares a verde. Fachada principal virada a S., sóbria e equilibrada, modulada em três panos. Nos laterais, portal central de vão recto no 1º registo e no 2º duas janelas de peito, de verga curva com caixilharia de guilhotina, flanqueando pedra de armas. No pano central rasga-se, no 1º registo, vão central em arco pleno e, no 2º elegante varanda alpendrada com cinco colunas graníticas de fuste e capitel simples sobre murete. É flanqueada de cada um dos lados por um lanço de escadas graníticas, ambos frontais, com guarda-corpo em granito, ornado com voluta no arranque e no remate. Conduzem ao andar nobre, ao qual se acede por três portas simples de vão recto, a O., a N. e a E.. Fachada O de pano único, com porta de acesso ao 2º registo servida por lanço de escadas frontal e janela de peito a N. Fachada N. tendo no corpo principal, duas portas no 1º registo e três janelas de peito no 2º, duas delas, a central e a oriental, de menores dimensões. O corpo que se prolonga para NE possui virado a O. janela no 2º registo, encosta escada de acesso, com guarda-corpo e corrimão férreo. A galeria que se acrescentou, resguarda o patamar da escada e avança sobre a eira. A fachada N., também de um só pano, ostenta quatro janelas, duas em cada um dos registos. Fachada E de um só pano com três portas no 1º registo, de vão recto, e cinco janelas no 2º de peito e caixilharia de guilhotina. A N. da eira ergue-se espigueiro em granito e madeira, coberto por telhado de duas águas. A O. da casa foi aberta ampla piscina. Pelo INTERIOR, os espaços dividem-se em áreas de loja, serviços e dois quartos no 1º registo e, no andar nobre, espaços de recepção abertos para a varanda e na parte posterior de casa, quartos e áreas de serviço.

Acessos

Vila, EN 301 (Melgaço - São Gregório)

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 1/86, DR, 1.ª série, n.º 2 de 03 janeiro 1986

Enquadramento

Urbano, isolado. A meia encosta, no extremo oriental da Vila já no limite do aro urbano, o muro da propriedade, caiado a branco e pouco elevado, flanqueia, por N., a estrada. Um terreiro em terra batida antecede o solar que se ergue ao fundo, a uma cota inferior, e virando o frontispício para a via. Em torno do conjunto edificado alongam-se videiras em bardos e latadas e crescem árvores de fruto. Compõem o primeiro plano as cumeadas que enquadram, pelo lado espanhol, o vale do Minho, rio que corre ao longo do sopé setentrional da vertente.

Descrição Complementar

Descrição das pedra de armas a E., ou seja, dos Costa, Gomes, Abreus e Magalhães: "escudo esquartelado, no primeiro quartel as armas dos Costas, em campo vermelho seis costas de prata; no segundo as dos Gomes em campo azul um pelicano picando o peito, com três filhos, tudo de ouro, no terceiro as dos Abreus, em campo vermelho, cinco cotos de asa de ouro cortadas em sangue, no quarto as dos Magalhães, em campo de prata, três faixas enxaquetadas de prata e vermelho" (ESTEVES, 1950: 142 ). Descrição da pedra de armas a O., ou seja, dos Abreus e Magalhães: "um escudo partido em pala, na primeira as armas dos Abreus, em campo vemelho cinco cotos de asa de ouro cortadas em sangue. Na segunda as dos Magalhães, em campo de prata três faixas enxaquetadas de prata e vermelho, quatro pesas em pala. Elmo de prata aberto guarnecido de ouro" (ESTEVES, 1950: 145).

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Comercial e turística: casa de turismo de habitação

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Idade Moderna - edificação provável de uma casa da família Magalhães neste local designado de São Julião de Baixo; séc. 18, 1ª década - referências à Casa de São Julião de Baixo como sendo da família Magalhães (ESTEVES, 1991: 65, 71); séc. 18, 1ª metade - terá sido mandada construir o actual solar por Jerónimo José Gomes de Abreu Magalhães que, tendo casado com Sabina Gomes de Abreu, colocou no edifício as pedras de armas de ambos (ESTEVES, 1957: 90; ESTEVES, 1991: 91); 1813 - testamento de Jerónimo José de Magalhães, casado em 1762 com Teresa Joaquina Rosa de Melo e Almada de Vasconcelos, "feito e aprovado na Quinta da Calçada" (ESTEVES, 1957: 244); séc. 19, 1ª década - era senhor da casa João Caetano Gomes de Abreu Magalhães, irmão do anterior; Seu filho primogénito, Luís de Abreu Magalhães, nascido a 1798, viria a ser o último morgado da Calçada (ESTEVES, 1950: 163); 1822 - a casa encabeça uma quinta agrícola, existindo referência ao "caseiro da Quinta da Calçada vindo na noite [de 7 de Maio] reconduzir água para a mesma Quinta" ( ESTEVES, 1959:11 ); 1843 - era senhor da Casa da Calçada Jerónimo Luís de Magalhães (ESTEVES, 1959: 47 e 53); 1896 - data inscrita em desenho no qual a casa é representada com o frontispício e o alçado E., correspondendo ao corpo que prolonga o edifício para N., apresentando a traça actual; séc. 19 - aposição de um conjunto de elementos secundários como seja um pequeno lago no terreiro que antecede a casa; séc. 20, 1ª metade - construção da pequena galeria a N. que resguarda o patamar da escada e cria espaço coberto sobre a eira e colocação de lanternas no frontispício; séc. 20, década de 50 - construção da piscina e arranjo do espaço envolvente e alteração das janelas que passam a ser de guilhotina; década de 90 - adaptação a Turismo de Habitação.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura de granito, madeira, vidro, ferro, telha.

Bibliografia

ESTEVES, Augusto César - Melgaço e as Invasões Francesas. Melgaço: 1950; ESTEVES, Augusto César - Melgaço, Sentinela do Alto Minho. Melgaço: 1957, vol. 1, 1; ESTEVES, Augusto César - Melgaço, Sentinela do Alto Minho. Melgaço: 1959, vol. 1, 2; PINTOR, Bernardo - Melgaço Medieval. Melgaço: 1975; ESTEVES, Augusto César - O Meu Livro das Gerações Melgacenses. Melgaço: 1991, vol. 2.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DSID, SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Séc. 20, década de 90 - reformas e obras de adaptação a turismo de habitação: remoção de elementos atípicos e dissonantes que haviam sido introduzidos no séc. 19 e 20 como o lago e as lanternas no frontispício; adaptação das lojas no 1º registo, no lado E. a dois quartos e da antiga sala de visitas, com acesso pela varanda, a O. desta, também a quarto. A escada exterior que o serve era a antiga escada que abria sobre o jardim.

Observações

Documento transcreve escritura, datada de 1771, na qual assim consta nome e título: "Cavaleiro fidalgo de Sua Magestade, Sargento Mor das Ordenanças e Procurador dos Estados da Sereníssima Casa de Bragança" (ESTEVES, 1957: 90). Jerónimo Luís de Magalhães foi nomeado escudeiro fidalgo da Casa Real por alvará de 24 de Março de 1830 (ESTEVES, 1959: 101). A casa é referida na publicação do IPPAR como datando de finais do séc. 17 tendo sofrido ampliações no séc. 19. Infere-se que as ampliações citadas se reportam ao corpo a E. que prolonga o edifício para N. O proprietário actual contradiz esta interpretação sugerindo que existe uma ligação estrutural e de raiz entre o corpo principal, de planta em U e aquele outro que corresponde a área de serviços e quartos. Refere uma notória diferença no aparelho construtivo mas entre o 1º registo, muito mais rudimentar, e o 2º, de maior qualidade. A Quinta é na década de 90 deste século adaptada à produção do vinho Alvarinho, de frutos secos e ainda, com a construção de espaço com funções de canil, à criação de cães Castro Laboreiro.

Autor e Data

Alexandra Cerveira 1999

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login