Casa dos Cônsules

IPA.00006598
Portugal, Ilha da Madeira (Madeira), Funchal, Funchal (Sé)
 
Palacete barroco, de planta rectangular e alçados de 3 pisos, tendo no térreo lojas e arrecadações, andar de serviços e andar nobre com janelas de sacada.
Número IPA Antigo: PT062203100015
 
Registo visualizado 46 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa  Palacete  

Descrição

Planta em rectângulo irregular orientado a N. / S., ligeiramente distorcido e com o lado S. enviesado; acesso a área de serviços a S. e logradouro a correr na fachada O. e um pequeno corpo a S. saliente para O.. Grande volume compacto e cobertura por telhados de tesoura orientados a E. / O. com telha portuguesa de canudo, com beiral triplo, salvo no corpo SO. onde é duplo. Fachadas pintadas em cor-de-rosa com embasamento a vermelho escuro. Fachada principal à R. da Conceição, de 3 pisos, tendo no piso térreo portal de entrada, 3 portas de acesso às antigas lojas, 4 óculos quadrilobados e uma porta para S., tudo em cantaria mole e rígida aparente, correspondente esta ao acesso aos antigos fundos; reforço de cantaria rija na esquina N.. Portal com pilastras centrais relevadas, com rebaixo central, capitéis, astrágalos e bases relevadas, assentes em 2 degraus de cantaria rija e em pilastras aparentes de moldura; entablamento largo com filete relevado intermédio e balanço superior ressalvado e bastante elaborado; óculos a ladearem o portal e, exteriormente, as portais laterais, gradeados e com filete exterior relevado. 2º piso, de serviços, com 8 janelas, agrupadas N. / S. 2, 3 e 3, com molduras de cantaria, filete exterior relevado, parapeito saliente e lintel marcado por 3 semicircunferências. Janelas do andar nobre, de sacada, de recorte abaulado assente sobre faixa saliente em todo o redor do edifício, com parapeito cego e sem grade, filete superior relevado e frontão triangular curvo com balanço encimado por bola. Corpo S. da fachada com porta encimada por janela com molduras de cantaria, sendo a moldura da porta chanfrada e com largo lintel, antigamente de acesso aos fundos e ao que deve ter sido a capela interior do palácio. A fachada é marcada pelos canos de descarga dos algerozes em folha de Flandres. Fachada N. com idêntico tratamento; acesso ao logradouro com porta de grade de ferros e moldura de cantaria, encimada por beiral duplo de telha de canudo. Fachada O. com idêntico tratamento, mas 3 panos, com o central mais elaborado, com portal mais simples que o E. e a janela do andar de serviços a apoiar as ilhargas no lintel de balanço, que lhe teria servido de varanda de sacada; portal ladeado por 2 portas e mais 2 nos panos laterais. Fachada S. muito mais simples, com porta no piso térreo e 2 janelões gradeados, 2 pares de janelas no piso médio, sendo as de O. gradeadas, o mesmo acontecendo no piso superior, onde as janelas têm maior escala. INTERIOR bastante reformulado para receber comércio e serviços, mantendo a S., no piso superior, portal bastante elaborado, dentro da gramática das janelas, virado a E., que teria pertencido à capela interior.

Acessos

Funchal (Sé), Rua da Conceição n.º 23 a 31; Rua da Figueira Preta n.º 22

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 37 077, DG, 1.ª série, n.º 228 de 29 setembro 1948

Enquadramento

Urbano, integrado num quarteirão, com acesso pelas R. da Figueira Preta e da Conceição, confrontando nesta com as traseiras do Recolhimento do Carmo (v. PT06220310094).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Serviços: edifício de escritórios / Comercial: loja / Judicial: tribunal de família e de menores

Propriedade

Privada: pessoa colectiva

Afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Teresa Ferraz (1994).

Cronologia

Séc. 17, finais - construção do imóvel, como provável residência senhorial do tenente general Inácio da Câmara Leme; 1720 - construção ou reconstrução do conjunto residencial pelo morgado Ribeiro Esmeraldo; séc. 19 - aluguer parcial do imóvel a instalações consulares; finais - reformulação do edifício com a ampliação do andar nobre para S. que não existia; séc. 20 - instalação de oficinas várias de serralharia e outras ligadas à "Cristália da Madeira"; 1940, 26 setembro - publicação de Decreto nº 30 762, no DG, 1.ª série, n.º 225, determinando a classificação do Casa dos Cônsules como Imóvel de Interesse Público; 01 novembro - publicação do Decreto nº 30 838, DG, 1.ª série, n.º 254, suspendendo o decreto n.º 30 762, de 26 de setembro do mesmo ano, relativamente à classificação de imóveis de propriedade particular.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Cantaria mole e rígida regional aparente, alvenaria de cantaria regional rebocada, madeira ( carvalho, casquinha e outras ), ferro, amarrações mistas de tirantes de madeira e de ferro, vidro e telha de meio canudo.

Bibliografia

GOMES, João dos Reis e TAVARES, arq. Edmundo, Casas Madeirenses, compilação de artgs. de 1929 com desenhos do arquitecto Tavares, Funchal, 1937; SILVA, Padre Fernando Augusto da, Elucidário Madeirense, 3 vols., Funchal, 1945; PEREIRA, padre Eduardo Nunes, Ilhas de Zarco, Funchal, 1967; ARAGÃO, António, Para a História do Funchal, Funchal, 1980; FLORENÇA, Teresa, Interesse pelo património ganha dimensão. CTT pensam recuperar "Palácio dos Cônsules", Diário de Notícias, Funchal, 1991; CARITA, Rui, História da Madeira, 3º vol., Funchal, 1992; idem, As Dinastias dos Habsburgos e dos Braganças, Funchal, 1992; AMJ, Palácio dos Cônsules vai ser restaurado, Jornal da Madeira, 24 Agosto 1994, p. 4; SILVA, E., "República ocupa Cônsules", Diário de Notícias, Funchal, 24 Ago. 1995; idem, Obras de Restauro em questão - Presidente visita palácio, Diário de Notícias - Madeira, 24 Agosto 1995, p. 4.

Documentação Gráfica

Mapoteca do IGC ( planta do Funchal de Reinaldo Oudinot, 1804 ), Lisboa; GR / Equipamento Social; CMF; DRAC, Funchal

Documentação Fotográfica

Museu Vicentes Photographos; DRAC, Funchal; DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

ARM; CMF e Juízo dos Resíduos e Capelas, antiga Junta Geral; DRAC, Funchal; DGEMN: DSID

Intervenção Realizada

Proprietário: 1994 - enquanto decorriam as obras de reabilitação foram efectuadas escavações arqueológicas de emergência no piso térreo, a cargo da arqueóloga Clara Baptista e de uma equipa camarária, investigando-se 3 poços e vários pisos de calhau rolado, num dos quais foi recuperada uma quantidade apreciável de fragmentos de formas de açúcar.

Observações

Através de fotografias antigas é detectável a ampliação do andar nobre para S. nos finais do Séc. 19, até então somente com o par de janelas do andar de serviços. Daí o aspecto de hoje da fachada com conjuntos de 3 mais 3 janelas enquadrando o portal, acrescidos de mais 2 para S.

Autor e Data

Rui Carita 1999

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login