Palácio Barahona / Arquivo Distrital de Portalegre

IPA.00006562
Portugal, Portalegre, Portalegre, União das freguesias da Sé e São Lourenço
 
Arquitectura residencial, neoclássica com notórias afinidades com o Palácio da Brejoeira (v. PT011604210003), apresentando a frontaria ladeada por torreões encimados por platibanda com balaústres e um corpo central saliente, ladeado de pilastras almofadadas e encimado por frontão curvo. Apresenta, no andar nobre, dois tectos de folha de metal pintada, sendo moldado o do salão principal. A caixa das escadas, terminando em cúpula, apresenta interesse formal e decorativo e é de grande eficácia a sua captação de luz para o interior do edifício.
Número IPA Antigo: PT041214090018
 
Registo visualizado 131 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  

Descrição

Planta composta, irregular, volumes articulados com disposição horizontal em terreno inclinado da frontaria para o tardoz (cota mais alta); o corpo principal, predominantemente rectangular, está orientado na direcção NE. / SO. e dá configuração ao Lg. Serpa Pinto, sendo o seu edifício principal; cobertura diferenciada em telhados, terraços e domo. A NE. o jardim situado ao nível do andar nobre. Frontaria definida entre dois torreões de base quadrada, terminando em eirado com platibanda de balaústres; corpo central destacado e de frontão curvo entre dois fogaréus; os paramentos da frontaria apresentam soco de silharia e faixa, sobre mísulas decorativas de moldura arredondada, dividindo o piso térreo do andar nobre; no piso térreo apresentam-se oito janelas de arco redondo com ligeiros ressaltos e o portal, em arco abatido, ladeado por dois óculos que iluminam o vestíbulo; no andar nobre, as janelas dos torreões têm vão semelhante às do piso térreo mas apresentam frontão ondulado sobrepujado por cartela com espelho inscrito; das três janelas do corpo central, a do meio, com sacada ondulada, também possui arco redondo, sendo as que a ladeiam em arco abaulado e todas com frontão curvo, sobrepujadas por cartela com espelho inscrito apresentando o brasão dos Matos; as outras seis janelas, ladeando o corpo saliente, apresentam verga recta com frontão angular. Fachada SO. rasgada no piso térreo por fresta rectangular horizontal no torreão, e por duas portas e uma janela de vergas rectas; no piso superior, apresenta a janela do torreão, igual à da frontaria, e duas janelas de frontão angular, também iguais às da frontaria. A NE. temos vários panos: o correspondente ao torreão tem duas janelas iguais às correspondentes da frontaria; os que dão para o jardim apresentam, no corpo ligado ao principal, uma janela de frontão angular e uma porta de moldura rectangular; no corpo perpendicular ao principal, apresenta-se pano rasgado por quatro conjuntos verticais de porta e janela, todas de moldura rectangular, estando envolvido, cada par, por moldura em massa com cartelas e círculos decorados, também, em trabalho de massa. INTERIOR: vestíbulo com duas portas laterais, de cada lado, que comunicam com três salas e um corredor para NE., e com sete salas, em dois planos, para SO.; todos estes espaços foram reabilitados para depósitos do arquivo, não havendo qualquer reminiscência de funções anteriores. Frente ao portal da entrada situam-se duas passagens em arco ligeiramente abatido, em cantaria de granito, que dão acesso, o do lado direito, apenas ao elevador (em resultado da reabilitação efectuada), o do lado esquerdo, à caixa de escadas. Esta caixa, de considerável dignidade arquitectónica, tem planta quase quadrada, arredondada nos cantos, apresentando três lanços de escada até um patamar avarandado que possui quatro portas comunicantes com todas as zonas do edifício; a caixa apresenta dois registos de vãos até ao lanternim; o primeiro é constituído por dois janelões, que captam a luz para a parte posterior do edifício, e por três nichos, dois dos quais apresentam esculturas em massa (terracota?) representando um guerreiro e uma mulher com cornucópia e flores na cabeça; o segundo registo de vãos é constituído por uma janela em cada parede; os cantos arredondados desta caixa e os nichos, estão decorados com molduras em massa, de influência rococó ( concheados ), e com grinaldas. No andar nobre localizam-se as únicas salas que apresentam reminiscências da antiga ambiência palaciana, com janelas para a frontaria. De SO. para NE.: saleta do torreão, entre vários espaços hoje intercomunicantes a servir de depósito; saleta com tecto moldurado com estuque ( e madeira? ), pintado de verde e creme; sala de trabalho com tecto decorado com os mesmos materiais, pintado a azul e creme; Salão Nobre ( hoje Sala de Leitura ), correspondente ao corpo saliente da frontaria, com tecto em folha metálica, moldada e pintada com motivos vegetalistas em policromia; sala semelhante ( hoje a Secretaria ) com tecto nos mesmos materiais e decoração mais simples, não apresentando a folha qualquer moldagem; saleta dando acesso à do torreão, ambas a servirem de Gabinete da Direcção, sendo de destacar o trabalho de massa que decora a última. Todas as outras zonas do edifício, dos pisos 2 e 3, que se distribuem à volta da caixa de escadas, incluindo o corpo perpendicular ao principal, cuja função palaciana incluía os quartos, a cozinha e a área da criadagem, foram reabilitados para funcionarem como depósitos, salas de trabalho, arrecadações e sanitários, não sendo de referir qualquer pormenor de interesse patrimonial. Sobrepujando o edifício, a cúpula da caixa das escadas, redonda e facetada, com lanternim e varandim.

Acessos

Largo Serpa Pinto, n.º 2. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,291074; long.: -7,431416

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 28/82, DR, 1.ª série, n.º 47 de 26 fevereiro 1982 / Incluído na Área Protegida da Serra de São Mamede (v. PT041214020015)

Enquadramento

Urbano, adossado aos edifícios da Rua dos Besteiros, dando o seu jardim para o Largo de Santiago e para o Castelo (v. PT04121409006), e a frontaria, para o Largo Serpa Pinto, com fonte oitocentista ao centro.

Descrição Complementar

O jardim, a NE. do edifício, situado no piso do andar nobre, divide-se em três espaços: o que comunica com o edifício (zona E.) é constituído por dois passeios rectangulares a níveis diferentes, separados por uma fiada de bancos e canteiros e apresentando um tanque adossado à parede SE.; um pequeno lanço de escadas dá acesso, para NE., ao segundo espaço, arborizado, com tanque central de repuxo e espaldar de fonte com frontão recortado, apresentando-se este espaço delimitado por um sistema corrido de bancos de espaldares contracurvados intervalados por canteiros; um terceiro espaço, também arborizado, dá acesso visual aos Largos Serpa Pinto e de Santiago, funcionando como mirante.

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Cultural e recreativa: arquivo

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

DGLAB, Decreto-Lei n.º 103/2012, DR, 1.ª série, n.º 95 de 16 maio 2012

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1800 - início da construção por João Juzarte Cid, tendo sido terminado, depois de adquirido em situação de interdição judicial, por Francisco Cordovil Caldeira Castel-Branco e sua esposa D. Maria José de Barros Castelo Branco Barba Mouzinho e Matos; séc. 19, finais - pertence a Francisco Cordovil Caldeira Castel-Branco de Barahona (1884 - 1931), ficando conhecido por Palácio Barahona; Séc. 20, anos 80 - compra do imóvel pelo Estado; 1990 - data projecto de reabilitação para função de arquivo pela empresa TECPROENG; 1990 - 1993 - obras de reabilitação para arquivo a cargo da empresa Construções Anselmo Costa, S.A.; 1993 - inauguração do edifício com a nova função de Arquivo Distrital de Portalegre; 1997, 20 março - o imóvel foi afeto ao Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo, por Decreto-Lei n.º 60/97, DR, 1.ª série-A, n.º 67; 2007, 29 março - afetação do Arquivo à Direção-Geral de Arquivos, Decreto-Lei n.º 93/2007, DR, 1.ª série, n.º 63.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes e estrutura autónoma, de alvenaria de pedra e tijolo com argamassa; estruturas de betão armado; cantaria; rebocos pintados ou forrados de azulejo (sanitários); pavimentos de soalho, tijoleira e mosaico; tectos de laje de betão, estuque, madeira e metal relevado e pintado; coberturas telhadas e de argamassa.

Materiais

Granito, mármore, pedra, tijolo, argamassa de cal e de cimento, betão armado, ferro, madeira, telha.

Bibliografia

KEIL, Luís, Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Portalegre, Lisboa, 1943.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMS

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMS, SIPA

Documentação Administrativa

Arquivo Distrital de Portalegre; ADGAR/TT

Intervenção Realizada

Arquivo Nacional da Torre do Tombo - Arquivo Distrital de Portalegre: 1990-1993 - reabilitação para arquivo documental.

Observações

Possui brasão dos Matos, de execução seiscentista, tendo sido para ali transplantado.

Autor e Data

Domingos Bucho 1999

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login