Pelourinho de Aldeia Galega da Merceana

IPA.00006243
Portugal, Lisboa, Alenquer, União das freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha
 
Arquitectura político-administrativa e judicial, manuelina. Pelourinho de bloco em cogulho, com soco recente, de dois degraus circulares, com coluna de fuste torso de dois registos alternando colunelos com faixas vegetalistas, interrompido por nó vegetalista e rematado por capitel de folhagens com heráldica autárquica. Remate em cogulhos de acanto, sendo o de topo em forma de pequena calote. Pelourinho ostensivamente decorado com elementos vegetalistas (romãs, folhas, flores, acantos) inspirados na flora local que, no fuste, se elevam a partir de cestos estilizados.
Número IPA Antigo: PT031101020003
 
Registo visualizado 644 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição senhorial  Tipo bloco

Descrição

Estrutura em cantaria de calcário, composta por soco de dois degraus circulares escalonados, sobre os quais assenta a base quadrangular, facetada e esculpida com meias esferas nos vértices superiores, de onde se eleva fuste torso composto por quatro colunelos adossados, lisos, com bases facetadas estrelares de anéis espiralados à esquerda, que intercalam com faixas inteiramente revestidas de decoração vegetalista que se elevam de enastrados. A decoração vegetalista que preenche as faixas torsas do fuste compõe-se de caules ondulantes com romãs, flores e folhas. Um nó vegetalista, ornado por enrolamentos de acanto, e delimitado por anéis divide o fuste em dois registos. o fuste há vestígios da existência de um ferro de sujeição. Capitel oitavado igualmente vegetalista com pedra de armas da vila na face N. (cinco quinas a ladear árvore arrancada). Remate inferiormente oitavado, sobre moldura lisa, composto por quatro cogulhos de acanto e terminando noutro cogulho esferóide.

Acessos

Largo do Pelourinho. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,081818, long.: -9,112100

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG n.º 136 de 23 junho 1910

Enquadramento

Urbano. Ergue-se no centro histórico da vila, isolado num largo calcetado e ligeiramente inclinado e circundado por edifícios de dois e três pisos. Entre as construções envolventes destacam-se a Igreja da Misericórdia (v. PT031101020045) e a Casa Medieval de Aldeia Galega da Merceana / Casa da Rainha (v. PT031101020060).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1305, 09 Janeiro - concessão de foral à vila de Montes de Alenquer (topónimo primitivo) pelo rei D. Dinis; 1513, 01 Outubro - foral novo concedido por D. Manuel, em sequência do qual, provavelmente, foi construído o pelourinho; 1712 - é da comarca de Alenquer, tem 100 vizinhos e 2 juízes ordinários, 3 vereadores, um escrivão da câmara, almotaçaria, procurador do concelho, juiz dos órfãos com o respectivo escrivão, 3 tabeliães e 2 almotacés; 1758, 04 Julho - nas Memórias Paroquiais é referido que pertence à Casa da Rainha, tendo a povoação 52 vizinhos; 1855 - extinção do concelho da Aldeia Galega da Merceana; 1936 - a Câmara Municipal solicitou obras de restauro no Pelourinho, para substituição de cantarias mutiladas e dos degraus.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de calcário.

Bibliografia

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO Julieta, GUSMÃO, Adriano de, Monumentos e Edifícios Notáveis de Lisboa, Lisboa, 1963; CHAVES, Luís, Os Pelourinhos Portugueses, Lisboa, 1930; DGEMN, Pelourinhos de Lisboa, Boletim nº 123, Lisboa 1966; COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza…, vol. III, Lisboa, Officina Real Deslandesiana, 1712; JESUS, Isabel de e MORGADO, Florbela, Pelourinhos do Distrito de Lisboa (Programa Nacional de Bolsas de Investigação para Jovens Historiadores e Antropólogos, 3ª edição, 1996/97), Lisboa, 1997; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; OLIVEIRA, António de, GUAPO, António Rodrigues, MARTINS, José Eduardo, O Concelho de Alenquer. Subsídios para um Roteiro de Arte e Etnografia, vol.1, Alenquer, 1989; Pelourinho de Aldeia Galega da Merceana, in O Occidente, vol. 5, nº 141, Lisboa, 1882, p.260, 262 e 264; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/70505 [consultado em 8 agosto 2016].

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID; DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 2, n.º 19, fol. 161-164)

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: séc. 20, final - construção de novo soco.

Observações

Autor e Data

Paula Noé 1991 / Lina Marques 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login