Igreja Paroquial de São José / Igreja de São José

IPA.00006226
Portugal, Lisboa, Lisboa, Santo António
 
Arquitectura religiosa, barroca e pombalina. Igreja paroquial. O presépio ostenta uma "Anunciação", tema raramente reproduzido nos espécimes portugueses, bem como uma "Fuga para o Egipto", vendo-se o grupo a abandonar a cidade, ao contrário da iconografia habitual.
Número IPA Antigo: PT031106450105
 
Registo visualizado 1080 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal constituída por 2 rectângulos justapostos (nave e capela-mor), de que resulta um volume paralelepipédico coberto por telhado a 2 águas. No alçado principal destaca-se o portal, coroado por medalhão oval figurando São José e ladeado por 2 cartelas com inscrições alusivas às efemérides principais do templo e das quais pendem em relevo pétreo, as ferramentas de pedreiro (esquerda) e de carpinteiro (direita). No nível superior abrem-se 3 janelões gradeados, sendo os laterais rectangulares e o central em volta inteira, encurvando assim a cimalha do frontão barroco que termina a fachada. No lado esq. observa-se a torre, de secção quadrada, com 2 vãos rectangulares sobrepostos e ventanas sineiras em arco de volta perfeita. Interior: nave e capela-mor, esta de menor altura, ambas com cobertura em abóbada de berço, apresentando a da nave pintura ornamental monocroma oitocentista em torno de uma composição central figurando São José e o anjo. Ladeiam o arco triunfal - com embasamentos de embrechados de mármore - 2 altares integrados em arcos de volta inteira. 2 capelas laterais abrem para a nave - constituindo como que um falso transepto - e apresentam retábulos de talha polícroma datáveis do 1º quartel do séc. XVIII, ostentando o do lado da Epístola um camarim abobadado com a imagem do Senhor dos Passos. A capela do lado do Evangelho, alberga uma imagem de Nossa Senhora da Fé. Sobre a entrada eleva-se o coro-alto, de madeira, com grade de balaústres torneados. Sensivelmente a meio da nave observam-se, afrontados, 2 púlpitos com balcão de madeira e sobreporta encimada por espaldar de leque semicircular. Paredes da nave com silhar de 16 azulejos de altura em monocromia (azul em fundo branco) de meados do séc. XVIII, figurando cenas da vida de São José: Sonho de José; Visitação de Maria a Isabel; Nascimento de Jesus; José e o menino; Fuga para o Egipto, morte de de São José, Ascensão de São José. Todos os painéis têm legendas explicativas em latim. Presépio em terracota, inserto em oratório, representando uma "Sagrada Família" e, em plano secundário, a "Anunciação" e uma "Fuga para o Egipto", encontrando-se o grupo a abandonar a cidade.

Acessos

Rua de São José, n.º 64 - 100; Rua da Fé, n.º 53

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 95/78, DR, 1.ª série, n.º 210 de 12 setembro 1978 / ZEP, Portaria n.º 529/96, DR, 1.ª série-B, n.º 228 de 01 outubro 1996 *1 / Incluído na Zona Geral de Proteção da Avenida da Liberdade (v. IPA.00005972)

Enquadramento

Urbano, destacado, adossado.

Descrição Complementar

Na sacristia, à qual se acede pela 1ª porta do lado da Epístola, lavabo em pedra com ornamentação vegetalista e brasão da irmandade encimado por coroa. Silhar de azulejos azuis e brancos, de composição ornamental seriada, representando albarradas - Jarras de flores ladeadas por pássaros; barra: motivos vegetalistas; 10 azulejos de altura; finais do século XVII . Em posição simétrica a este compartimento, um outro, que deve ter sido a primitiva sacristia privativa da confraria, segundo alguns autores. Nas paredes, silhares de azulejos do tipo albarradas e figura avulsa; lavabo de embutidos de mármore, coroado por frontão barroco de concha enquadrada por volutas. A Casa da Mesa da confraria, anexa à igreja (*1), é um compartimento rectangular com pavimento de tijoleira e tecto plano com pintura ornamental polícroma do séc. XVIII. Ao longo das paredes da sala, corre uma bancada apoiada em mísulas de mármore. Silhares de azulejos de composição figurativa/narrativa; monocromia: azul em fundo branco; 2º quartel do séc. 18. Casa de Despacho - à qual se acede por uma escada de mármore com rodapé de azulejo - silhar de azulejos com barra idêntica à das sacristias e de notável desenho.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Lisboa)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

ESCULTOR: Escola de Machado de Castro (séc. 18). MESTRE-DE-OBRAS: Caetano Tomás (1758). PINTOR de AZULEJO: António Pereira Ravasco (séc. 18). PINTOR - DOURADOR: Manuel Henriques (1698, 1702).

Cronologia

1546 - a Confraria de São José, da igreja de Santa Justa e Santa Rufina, muda-se para uma capela no local designado "Entre-as-Hortas", desanexando o Cardeal D. Henrique esse território da paróquia de Santa Justa; 1567 - a capela passa a igreja paroquial da então criada freguesia de São José; 1653 - campanha de obras atestada pela inscrição desta data numa porta aberta na nave da igreja; 1698, 09 fevereiro - contrato entre Manuel Luís e o pintor Manuel Henriques para o douramento do altar de Nossa Senhora da Fé, por 170$000 (FERREIRA, vol. II, p. 589); séc. 18 - pintura de azulejo por António Pereira Ravasco; 1702, 07 agosto - contrato entre Diogo Leite, cavaleiro da Ordem de Cristo e o pintor Manuel Henriques para o douramento do altar do Santo Cristo do Bonfim, com a mesma perfeição do altar fronteiro, de Nossa Senhora da Fé, pela quantia de 170$000 (FERREIRA, vol. II, p. 591); 1755, 1 novembro - o terramoto arruina a fachada, pelo que a Irmandade recorre ao mestre pedreiro Caetano Tomás (activ. até 1764), que em dois anos constrói a atual; igualmente a capela-mor terá sido atingida e registado obras; séc. 18, 2.ª metade - execução de um presépio, atribuível à escola de Machado de Castro; 1758, 09 abril - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco Tomás Rodrigues de Aguiar, é referido que a igreja tem as capelas mor, onde está o Santíssimo, as colaterais de Nossa Senhora da Conceição, com imagem de roca, e a de São Miguel, e as laterais de Nossa Senhora da Fé, com imagem antiga, e a do Senhor Crucificado; a igreja foi refeita pela Irmandade dos Carpinteiros e dos Pedreiros, bem como pela do Santíssimo, que contribuíu para a sua ornamentação; o pároco é vigário, apresentado pelo arcebispo de Lisboa e tem de renda 500$000, ajudado por um cura e um coadjutor; existem 34 capelães de missa quotidiana, pagos pelas Irmandades do Santíssimo, Almas e São José: instituição da Irmandade de Nossa Senhora da Conceição; 1889, 13 maio - transferência de objetos de culto para a igreja, provenientes do extinto Mosteiro da Esperança (v. PT031106371733).

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Cantaria de calcário e mármore, alvenaria mista, reboco pintado, estuque, mármore, azulejos

Bibliografia

ALMEIDA, D. Fernando de, (coord. de), Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, Lisboa, Lisboa, 1975, Tomo II; FERREIRA, Sílvia Maria Cabrita Nogueira Amaral da Silva, A Talha Barroca de Lisboa (1670-1720). Os Artistas e as Obras, Lisboa, Dissertação de Doutoramento em História da Arte apresentada à Faculdade de Letras de Lisboa, 2009, 3 vols.; LEAL, Augusto S. A. B. de Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Vol. IV, Lisboa, 1873 - 1890; MANGUCCI, António Celso, As gravuras de Nicolas Lancret e os azulejos da Quinta da Trindade, no Seixal, in al madan, II série, n.º 13, Almada, Julho 2005; MATOS, Alfredo, PORTUGAL, Fernando, Lisboa em 1758. Memórias Paroquiais de Lisboa, Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, 1974; PAIS, Alexandre Manuel Nobre da Silva, Presépios Portugueses Monumentais do século XVIII em Terracota [dissertação de Mestrado na Universidade Nova de Lisboa ], Lisboa, 1998; VITERBO, Sousa, Diccionario Historico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portuguezes ou a serviço de Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional, 1904, vol. III.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DRMLisboa

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DSARH; DGLAB/TT: Arquivo Histórico do Ministério das Finanças / Conventos extintos, Convento da Esperança, caixa 1957, capilha 2

Intervenção Realizada

Observações

*1 - DOF: Conjunto formado pela Igreja de São José dos Carpinteiros e prédios anexos da Rua de S. José com os n.os 64 a 100. Zona Especial de Proteção Conjunta da Avenida da Liberdade e edifícios classificados na área envolvente.

Autor e Data

Teresa Vale e Carlos Gomes 1994

Actualização

Paula Correia 2004
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login