Anta de Monte Abraão

IPA.00006093
Portugal, Lisboa, Sintra, União das freguesias de Queluz e Belas
 
Monumentos megalíticos agrupados, formando um pequeno núcleo que, por sua vez, se integra num conjunto mais extenso existente no concelho de Sintra e Amadora. Integram-se em 2 tipologias distintas de dolmens: a anta da Pedra de Mouros na tipologia de dólmens de câmara simples; as outras 2 na tipologia de dólmens de corredor e, dentro desta a Anta de estria no sub-grupo dos de câmara e corredor diferenciado em planta e a anta de Monte Abraão no sub-grupo dos de câmara e corredor indistintos planimetricamente. A anta de Estria conserva ainda a mamoa e a de Pedra de Mouros gravuras rupestres antropomórficas e a pequena couraça pétrea envolvente.
Número IPA Antigo: PT031111040003
 
Registo visualizado 1543 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Funerário  Anta    

Descrição

3 sepulcros megalíticos: 1) A Anta do Monte Abraão compõe-se por câmara poligonal com 3,6 m. de diâmetro, assente directamente na rocha, e por corredor, com 8 m. de comprimento e 2 m. de largura, estendendo-se para Nascente, mas sendo já pouco detectável no terreno. Da câmara restam 6 esteios e o chapéu há muito que se encontra tombado; 2) A Anta da Pedra dos Mouros; possui apenas um esteio erguido, com cerca de 5 m., parcialmente apoiado num outro, já fracturado, e com uma pequena couraça pétrea disposta semi-circularmente no exterior do esteio maior, onde ainda se podem ver as gravuras rupestres antropomórficas, representando um homem e uma mulher; 3) A Anta de Estria orientada a poente é formada por câmara poligonal, há muito sem chapéu, corredor virada a S. escavada na rocha e com esteios tombados no interior e por uma couraça de pedra e terra acastanhada de grande altura. Conserva ainda a mamoa, montículo de terra que protegia a sepultura.

Acessos

Monte Abraão (Queluz). WGS84 (graus decimais) lat.: 38,768182; long: -9,264746

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG, 1.ª série, n.º 136 de 23 junho 1910 *1

Enquadramento

Urbano. A Anta do Monte Abraão ergue-se no Monte Abraão, a cerca de 200 m. a N. do marco geodésico, orientando-se no sentido E - O. A Anta da Pedra dos Mouros situa-se a cerca de 400 m. a poente da capela da Quinta do Marquês de Belas e a 1 Km da anterior. A Anta de Estria situa-se a cerca de 400 m. a NO da 1ª anta e perto do posto de alta tensão. Fica numa dobra do terreno, entre um campo agricultado e o matagal.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Funerária: anta

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Privada

Afectação

Época Construção

Época megalítica

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

Época megalítica - construção; 1856 - Carlos Ribeiro descobre a anta da Pedra dos Mouros; 1917 - Vergílio Correia descobre as pinturas rupestres; 1986 - intervenção arqueológica no conjunto; 1995 - limpeza da lixeira que envolvia a anta de Monte Abraão e instalação de vedação.

Dados Técnicos

Materiais

Calcário

Bibliografia

MATA, António, Roteiro Histórico Artístico, s.l., s.d; RIBEIRO, Carlos, Notícia de Algumas Estações e Monumentos Pré - Históricos, Lisboa, 1880; BOLAMA, Gen. Marquez d'Avila e de, Nova Carta Chorographica de Portugal, vol. 1, Lisboa, 1910; IPPC, Roteiros da Arqueologia Portuguesa; I - Lisboa e Arredores, Lisboa, 1986; CHAGAS, Gabriela, Urbanização e Vandalismo ameaçam Antas de Belas in Revista da Imprensa, nº 49, Sintra, 21-07-1990, pp. 48 - 49; SEBASTIÃO, Luís Filipe, Antas de Belas entre o lixo e a CREL in O Público, Lisboa, 05-07-1994, p. 58; BELAS, J.F., Anta de Monte Abraão, in Conversas de Café, 06 Fevereiro 2007.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1876 - Carlos Ribeiro procede a escavações na Anta da Pedra de Mouros, mas é informado pela população que, 12 anos antes, a mesma já havia sido escavada; 1986 - trabalhos de limpeza e consolidação nas 3 antas, dirigidos pelos técnicos do Departamento da Arqueologia do Ministério da Educação e Cultura, Teresa Marques e Carlos Jorge Ferreira, com a colaboração da Junta de Freguesia de Queluz e da Câmara Municipal de Sintra; 1995 - vedação da anta de Monte Abraão.

Observações

*1 - DOF: Antas de Belas (Anta do Monte Abraão, Anta da Estria, Anta do Senhor da Serra, Anta da Pedra dos Mouros e Pedra dos Mouros). O espólio das 3 antas está no Museu dos Serviços Geológicos de Portugal. As escavações realizadas na Anta do Monte Abraão forneceram indústria típica muito variada com placas de xisto, cilindros de calcário, pontas de seta e alguma cerâmica. Até à alguns anos, ainda se realizaram na Anta da Pedra dos Mouros romarias para escorregar pelos esteios, demonstrando a permanência de antigos cultos de fertilidade.

Autor e Data

Paula Noé 1991

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login