Forte de São João das Maias

IPA.00006075
Portugal, Lisboa, Oeiras, União das freguesias de Oeiras e São Julião da Barra, Paço de Arcos e Caxias
 
Arquitectura militar, maneirista. Forte costeiro, de alvenaria, de pequena dimensão, abaluartada com merlões e casa forte, coberta por um eirado, que servia de alojamento à guarnição Fortificação integrada na linha defensiva da Barra do Tejo. Armas reais sobre a porta principal e uma inscrição alusiva à sua construção "Alvaro de Sousa o fez em 1644". Capela com silhar de azulejos do séc. 18.
Número IPA Antigo: PT031110040011
 
Registo visualizado 1405 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Militar  Forte    

Descrição

Planta composta por pentágono irregular e trapézio, volumetria escalonada - marcada pela presença de guaritas de corpo cilindrico ou paralelepipédico e cobertura em cupulim -, cobertura efectuada em terraço. Alçado principal, N., composto por pano de muro tripartido, (dando sobre terreiro murado) abertura a eixo de portal de cantaria, em arco de volta perfeita (sobrepujado por pedra de armas real e inscrição alusiva à fundação), implantado em posição inferior relativamente ao pavimento circundante. Alçado posterior (a S.), dando sobre terraço da bateria e delimitado por muro vasado pelas canhoneiras, ostenta superiormente merlões e na base jorramento. É vasado por arco de volta perfeita a partir do qual se desenvolve corredor de acesso à capela (no extremo N.). INTERIOR: organizado por corredor tranversal, lateralmente ao qual se distribuem os compartimentos (dominantemente de planta rectangular) e que permite o acesso directo à capela. Destaca-se o vestíbulo ou sala de entrada, com lambril azulejar monócromo de padrão ; CAPELA: pequeno compartimento rectangular coberto por abóbada de berço, na qual se reconhece revestimento azulejar monócromo figurativo (Santa Rosalia e São Roque).

Acessos

EN 6, Avenida Marginal. WGS84 (graus decimais) lat.: 38.685637, long.: -9.305189

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Implantado no extremo E. da enseada da Praia de Santo Amaro de Oeiras. Em posição fronteira ao alçado principal, a SE., reconhece-se construção de planta rectangular (edifício da colónia de férias).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Militar: forte

Utilização Actual

Assistencial: colónia de férias

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Serviços Sociais das Forças Armadas

Época Construção

Séc. 17

Arquitecto / Construtor / Autor

Álvaro de Sousa

Cronologia

1644 - 1653 - edificação do forte, pelo capitão de Álvaro de Sousa (conforme refere lápide sobre a porta de entrada, encimada pelas armas reais), segundo ordem do governador da fortaleza de Sao Julião da Barra (D. José de Meneses, membro do Conselho de Guerra), certamente integrado no mais vasto plano de fortificação costeira da barra do Tejo, no seguimento da Restauração, sendo artilhado com 5 bocas de fogo e guarnecido com 20 soldados, 10 artilheiros e um condestável; 1701 - é nomeado governador do forte o 2º conde de Vila Flor, D. Cristovão Manuel (m. 1704); 1728 - era governador do forte o capitão Manuel de Brito Freire ; 1730 - é nomeado governador do forte (por falecimento do anterior) o sargento-mor José da Cruz da Silva; 1735 - a fortificação encontrava-se em bom estado de conservação mas a sua artilharia resumia-se a 2 peças de bronze, de calibrre 24, montadas e 12 fora de serviço; 1751 - o estado de conservação do forte não era bom, sendo as obras necessárias orçadas em 1200$000; 1754 - aplicação de azulejos na capela por iniciativa do governador, Roque Martins Ribeiro; 1755 - a capela é bastante danificada pelo terramoto, necessitando consequentemente de obras ; 1759 - reabertura da capela ao culto, sendo governador do forte Roque Martins Ribeiro; 1769 - o forte é dotado com maior poder de fogo, construíndo-se a denominada bateria nova, no exterior do recinto fortificado, a qual ainda se encontrava desartilhada a 18 de Agosto desse ano; 1793 - campanha de obras de beneficiação, reconstruindo-se a bateria; 1802 - o forte detinha então 24 bocas de fogo, 12 na bateria nova, 8 na velha e 4 no terraço sobre a casa forte; 1809 - o forte era ponto terminal E. da denominada linha defensiva de Oeiras; 1833 - era governador do forte, então com 14 bocas de fogo, o Tenente-Coronel João da Guarda Cabreira (nomeado para tal cargo a 9 de Novembro de 1831); 1837 - o forte possuía então 17 bocas de fogo em serviço, sendo pouco depois desartilhado; 1853 - campanha de obras (registada em lápide como reedificação), sendo governador do forte o major Inácio José Perdigão (e do de São Julião da Barra o general barão da Batalha); 1940, 13 Janeiro - Auto cedendo alguns terrenos pertencentes ao forte foram cedidos à Junta Autónoma das Estradas, com vista à construção da Avenida Marginal; 1962 - funciona no local a Colónia de Férias "Teotónio Pereira"; 1963 - no forte funcionava já a Colónia Balnear Infantil da Brigada Naval da Região de Lisboa; 1976 - cedência formal do forte aos Serviços Sociais das Forças Armadas a fim de servir como colónia de férias.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante e estrutura mista

Materiais

Alvenaria mista, reboco pintado, cantaria de calcário, estuque, ferro forjado, madeira, azulejos (séc. 18)

Bibliografia

CHABY, Cláudio, Sinopse dos Decretos Remetidos ao Extincto Conselho de Guerra, Vol. I, Lisboa, 1869 ; CALLIXTO, Carlos Pereira, Fortificações Marítimas no Concelho de Oeiras, Lisboa, s. d. ; AZEVEDO, Carlos, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano, Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, Vol. II, Lisboa, 1963 ; Memorial histórico ou Colecção de Memórias sobre Oeiras, Oeiras, 1982 ; CRISPIM, M. N., LOBO, P. V., (coord. de), Retratos de Oeiras, Oeiras, 1994 ; FERNANDES, José Manuel, Imagens de Oeiras, Oeiras, 1996 ; Plano Director Municipal, Oeiras, 1996 ; FERREIRA, Manuel Marques Ribeiro, História de Oeiras. A Paróquia de Nossa Senhora da Purificação de Oeiras (1147 - 1997), Oeiras, 1997 ; Plano de Salvaguarda do Património Construído e Ambiental do Concelho de Oeiras, Oeiras, 1999

Documentação Gráfica

CMO: Departamento de Infraestruturas Municipais - Divisão de Estudos e Projecto

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGA/TT: Conselho de Guerra, Caixa 68, Maço 87, Ministério do Reino, Maço 617 (Eugénio dos Santos CARVALHO, Relação das Ruinas em que se Acham as Praças, Fortalezas, e Torres da Marinha da Repartição de Cascais, 12 Maio 1751); AHM: 3ª Divisão, 1ª Secção, Caixa 9, Nº 1, 3ª Divisão, 9ª Secção : Relatório do Coronel de Engenharia José Matias de Oliveira Rego, 18 Agosto 1796, Relação do estado Actual da Artilharia, Munições de Guerra, Palamenta e mais Géneros Existentes na Fortaleza de São Julião da Barra e mais Fortes da sua Dependência em 30 de Novembro de 1821, Lista dos Oficiais que Compõem o Estado maior da Torre de São Julião da Barra e Fortes da sua Dependência, 20 Novembro 1833

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Teresa Vale, Maria Ferreira e Sandra Costa 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login