Igreja Paroquial de Covas do Barroso / Igreja de Santa Maria

IPA.00005943
Portugal, Vila Real, Boticas, Covas do Barroso
 
Igreja de construção medieval e estilo românico, com nave única e cabeceira de altimetrias quase equiparadas, tendo campanário frontal.
Número IPA Antigo: PT011702080004
 
Registo visualizado 1040 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal composta por dois rectângulos justapostos correspondentes à nave e à cabeceira, mais estreita; de ambos os lados da nave justapõe-se duas capelas quadrangulares e a S. da cabeceira a Sacristia, rectangular. Massa horizontalista de volumes articulados, sendo a cabeceira de altura quase idêntica à nave e separada desta por empena angular que se eleva acima das coberturas; do muro do adro sobressai a torre sineira verticalista. Coberturas diferenciadas de telhados a 2 águas sobre o corpo da igreja e os dois anexos laterais e a 3 águas sobre a cabeceira e a Sacristia. Fachada principal orientada, centrada por portal rectangular encimado por óculo e remate em empena com cruz latina central. Nas fachadas laterais abrem-se duas portas e duas janelas rectangulares, a do lado S. sobre o telhado da capela lateral; remate em cornija com toro torso sobre cachorrada historiada e lisa. A cabeceira, igualmente coroada por cachorrada, possuí lateralmente duas frestas rectangulares e a fachada posterior uma fresta com dois colunelos, de capitéis, impostas e aduelas decoradas, no registo inferior, e, sobre esta, outra fresta, rectangular. Os corpos das capelas laterais são rasgado por duas pequenas janelas e por uma porta. O corpo da Sacristia possui uma fresta na fachada E. e outra mais pequena sobre a porta, na fachada S. INTERIOR: a O. coro-alto; do lado do Evangelho púlpito de balcão de balaústres sobre mísula de cantaria; do lado da Epístola arcosólio em arco quebrado contendo arca tumular com jacente de Afonso Eanes Barroso, escudeiro do 1º duque de Bragança, e, sobre esta a respectiva lápide epigrafada e pintada; a parede E. e todos os arcos são revestidos de pintura mural; pavimento de lajes de granito e tampas de sepultura separadas por guias; a cobertura em tecto de masseira com caixotões pintados. Arco triunfal pleno. Capela-mor integralmente pintada incluindo a abóbada de cruzaria de ogivas, apoiada em quatro mísulas cantonais. Fronteiro à igreja, ergue-se campanário com imagem de Santo Ildefonso num nicho.

Acessos

Covas do Barroso, Rua da Igreja

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 47 508, DG, 1.ª série, n.º 20 de 24 janeiro 1967

Enquadramento

Rural. Junto do cemitério e do Passal. Implantada em plataforma sobreelevada em relação à estrada. Circundada por adro de terra batida, com escada e portão de ferro forjado, arborizado e murado, no qual se encaixa a torre sineira com edícula e imagem de Santo Ildefonso a meia altura, marcada por friso, e superiormente vazada por dupla ventana de arcaria plena encimada por cruz entre pináculos.

Descrição Complementar

INSCRIÇÕES: 1. Inscrição funerária gravada, em relevo, numa lápide, cujo canto superior direito está cortado; letras pintadas a preto; sem moldura nem decoração; Tipo de Letra: gótica minúscula de forma com inicial capitular carolino-gótica; Leitura: Aqui Jaz afonso eanes barroso o qual foi muito honrrado escudeiro do duque de bragança fi del rei dom (?) joão e finou-se na Era do senhor de i iiij ix (= 1409) ano[s].

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Vila Real)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 13 (conjectural) / 16 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 13 - Construção da Igreja; 1457 - falecimento de Afonso Anes Barroso, escudeiro de D. Afonso, 1º Duque de Bragança, padroeiro da igreja; séc. 16 - reforma da igreja, procedendo-se ao entaipamento da fresta da capela-mor e colocação da imagem da Virgem; 1700 - ampliação da igreja; 1721 - Pinturas murais nas paredes da nave, arcos e capela-mor; 1758, 8 Mar. - A Memória Paroquial redigida pelo Pe. Bento de Moura, Abade de Santa Maria de Covas do Barroso, descreve que a igreja com 5 altares: no maior para além do Santísimo e da padroeira havia mais 6 imagens, no do lado de Evangelho o altar do Rosário e o do Menino Deus e do lado oposto o de São Sebastião e o das Almas; a capela-mor era abobadada de pedra e na nave estava a sepultura de Afonso Eanes Barroso num arco na parede S., com figura de vulto e epitáfio gravado, de que faz a leitura, referindo que o mesmo viera para esta freguesia com muito dinheiro, a fazer prazos que, à data, eram da casa de Bragança, e fizera capela para sua sepultura que deu à Paróquia; dos frutos desta abadia retirava-se uma parte para a capela do Paço Real de Vila Viçosa e outra parte para a Basílica Patriarcal; 1771 - data do primeiro registo de casamento documentado; 1782 - vindo a Covas do Barroso o juiz de fora de Montalegre, o Dr. Miguel Pereira de Barros, mostraram-lhe as duas estátuas de guerreiros calaicos que à cerca de cem anos se encontravam no adro da igreja, e que tinham aparecido no Castro de Lezenho; 1784 - data do primeiro registo de baptismos documentado; 1785 - transferência das estátuas dos guerreiros para Braga e, posteriormente, para Lisboa; séc. 18 - segundo o senso joanino, Covas do Barroso tinha 34 moradores; 1816 - data do primeiro registo de óbito documentado; 1839 - judicialmente pertencia à comarca de Chaves; 1852 - pertencia à comarca de Montalegre; 1878 - pertencia ao julgado de Eiró; 2017, 21 novembro - assinatura de protocolo entre a Câmara Municipal de Boticas e a Direção Regional de Cultura do Norte, em representação do Ministério da Cultura, e a Fundação Iberdrola, constituindo uma Adenda ao Protocolo de Cooperação no âmbito da execução do Plano Românico-Atlântico 2015-2018, com vista a proceder à intervenção de conservação e reforço estrutural da igreja.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito; pavimento de granito; tecto de madeira; portas de madeira; cobertura de telha de meia-cana; grades em ferro.

Bibliografia

ALMEIDA, José António Ferreira de (org.), Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1976, p. 224; CAPELA, José Viriato, BORRALHEIRO, Rogério, Boticas nas Memórias Paroquiais de 1758, Boticas, 2001; GUERRA, Luiz de Figueiredo da, Notícia Histórica do Concelho e Villa de Boticas, in PEREIRA, José Pacheco, (Recolha, organização e notas), Notícias Históricas do Concelho e Vila de Boticas, Boticas, 1982, p. 24 - 53; GUERRA, Luís Figueiredo, Notícias Históricas do Concelho e Vila de Boticas, Boticas, 1982; MARIZ, José (Coordenação), Inventário Colectivo dos Registos Paroquiais, vol. 2 - Norte, s.l., 1994; MARTINS, João Baptista, Concelho de Boticas. A sua História, Boticas, 1992; IPPAR, Património Arquitectónico e Arqueológico Classificado, vol. 3, Lisboa, 1993; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/74608 [consultado em 4 janeiro 2017].

Documentação Gráfica

DGPC: DGEMN:DREMN

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DREMN, DGEMN:DSID

Documentação Administrativa

DGPC: DGEMN:DREMN, DGEMN:DSID; Arquivo Distrital de Vila Real: Arquivo Paroquial (datas extremas: 1771 - 1879)

Intervenção Realizada

1987 - Conservação dos telhados; 1988 - reparação das coberturas; 2018 - previstas obras de restauro da igreja, sobretudo no interior, na sequência do acordo de cooperação entre a Câmara Municipal de Boticas, a Fundação Iberdrola e a Direção Regional de Cultura do Norte, no âmbito do Plano Românico-Atlântico 2015-2018.

Observações

Autor e Data

Isabel Sereno e Ricardo Teixeira 1994 / Lina Oliveira e Filipa Avellar 2004

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login