Torre de Quintela

IPA.00005939
Portugal, Vila Real, Vila Real, Vila Marim
 
Arquitectura residencial, românica e gótica. Casa-torre românica e gótica, de planta quadrada, com acesso por portal sobrelevado, em arco de volta perfeita e fachadas rasgadas por frestas. Torre senhorial medieval remodelada provavelmente no séc. 15 / 16, altura em que se rasgaram balcões assentes em cachorros e com parapeito de cantaria e matacães, quer a meio das fachadas, quer no topo destas e nos seus ângulos.
Número IPA Antigo: PT011714290003
 
Registo visualizado 413 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo torre

Descrição

Torre de planta rectangular, com c. de 12 metros de largura e 21 de altura, assente no afloramento rochoso. Massa simples, coberta por telhados de quatro águas. Fachadas em cantaria aparente, de três pisos, possuindo inferiormente um embasamento com chanfro, que corresponde às duas fiadas inferiores de silhares, e um "passeio" a toda a volta, em lajeado granítico recente, e sendo rematada por merlões piramidais, ritmados por frestas. Fachada principal rasgada ao centro por um portal, num nível elevado, de arco de volta perfeita, de aduelas largas, sobre pés-direitos, com arco superior de descarga quebrado e dintel aparelhado; actualmente tem acesso por uma escada em ângulo, moderna, em granito e com corrimão metálico. Sobrepuja o portal fresta e balcão, sobre cachorros, possuindo matacães e parapeito em cantaria ameado, e superiormente, duas consolas, revelando antigos cobertos que protegiam os balcões. Fachadas laterais e posterior simétricas, rasgadas por frestas e balcões centrais iguais; no topo das fachadas, dispõem-se nos ângulos balcões iguais, também com mata-cães e parapeito ameado. Em duas das fachadas, à mesma altura dos balcões, existem duas gárgulas lisas. INTERIOR: primeiro piso pavimentado com lajes de granito, possuindo apenas como abertura a porta de acesso. A ligação ao andar superior faz-se por dois lanços de uma escada em madeira situada à direita da porta de entrada. O segundo andar, com pavimento em soalho, possui, no centro de cada uma das fachadas, frestas estreitas com dintel suportado internamente por pilarete central chanfrado. O terceiro e último andar, acessível por escada de dois lanços, em madeira, situada no mesmo ângulo da anterior, constitui o espaço nobre do edifício. No centro de cada uma das quatro paredes abrem-se as portas de acesso aos balcões, que interiormente têm arco abatido. A meia altura das paredes conservam-se também consolas, talvez, de um forro desaparecido. Tecto de madeira com duas asnas suportando o telhado. O acesso ao telhado faz-se por alçapão ao qual se acede por escada de mão.

Acessos

Na estrada 1220 no sentido de Vila Real para Vila Marim, desvio à esquerda para Quintela

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136 de 23 junho 1910

Enquadramento

Rural. Situada na periferia da povoação de Quintela, junto a terrenos agrícolas, sobranceira ao Ribeiro da Marinheira, afluente do Cabril.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Câmara Municipal de Vila Real, cedida a título precário em 1988

Época Construção

Séc. 13 / 14

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 11 - Quintela era unidade agrária pertença de D. Gontrode Nunes, casada com o conde D. Vasco, Senhor da terra de Chaves, e tia do conde D. Nuno Mendes, que viria a falecer na Batalha de Pedroso, em 1071; 1258 - mencionada nas Inquirições de D. Afonso III; séc. 13, finais / séc. 14, inícios - D. Alda Vasques, descendente de D. Vasco Fernandes, ocupou a torre, fazendo dela sua residência; D. Alda deixou em testamento o senhorio e torre de Quintela à Ordem dos Cavaleiros Hospitalários; 1695, 27 Junho - reforma do morgado quando era Senhor do morgadio o Conde de Vimioso, D. Francisco de Portugal; a torre é descrita no livro do Tombo como tendo 52 fiadas da base ao coroamento das ameias, possuía quatro guartitas e varanda em cada um dos cantos e quatro janelas com varandas em cada uma das faces, capela dentro da quinta, dedicada a Santa Maria Madalena, com cinco varas de comprimento, de nascente a poente, e quatro varas de largo, de N. a S., que pegava a S. com outra dependência; entre a capela e a torre havia um terreno que dava para o antigo portal da quinta e que se abria a S.; séc. 19 - até este século, a torre manteve-se na posse da Ordem de Malta, sucessora da Ordem dos Cavaleiros Hospitalários; Camilo Castelo Branco, aqui localiza algumas das cenas do seu romance Anátema e atribuiu a sua propriedade à família dos Távoras, o que, historicamente, não se comprova; 1834 - após a extinsão das Ordens Religiosas, a torre foi vendida ao Estado; surge um morgadio com sede na torre; 1905 - os então proprietários venderam a torre por 100 mil réis a um pedreiro para lhe aproveitar a cantaria, mas o pedreiro acabou por desistir do contrato por receio das dificuldades do apeamento da pedra e da grande despesa que lhe acarretaria; séc. 20, segunda metade - a torre foi usada pela Mocidade Portuguesa; 1982 - Decreto-Lei 318/82, de 11 Agosto, publicado no Diário da República nº 182, determina a afectação da torre ao Minisdtério da Cultura e Cooedenação Científica, através do Instituto Português do Património Cultural (IPPC); 1988, 5 Maio - Despacho conjunto determinando o auto de cessão da afectação da torre à Secretaria de Estado da Cultura e a cedência da mesma à Câmara Municipal de Vila Real, para instalação de museu numismático.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura e pavimento do primeiro andar em granito; escadas interiores, soalhos e cobertura em madeira, de carvalho francês e pinho português tratado.

Bibliografia

ALMEIDA, José António Ferreira de (org.), Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1976, p. 475; AZEVEDO, Carlos de, Solares Portugueses, Lisboa, 1969, p. 23 - 25 e 164; BOTELHO, Henrique, Torre de Quintela, O Archeologo Português, Lisboa, vol. 10, 1905, p. 292 - 295; GONÇALVES, António Nogueira, O Gótico vila-realense do séc. XV, 1941, p. 13 - 14; PARENTE, João, Roteiro arqueológico e artístico do concelho de Vila Real, Vila Real, s/d; PLÁCIDO, Manuel Alves, Torre de Quintela, Vila Real, 1986; VERDELHO, Pedro, Roteiro dos Castelos de Trás-os-Montes, Chaves, 2000.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMN

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMN

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMN

Intervenção Realizada

IPPAR: 1982 - Obras de restauro e adaptação a museu, trabalhos de recuperação e beneficiação, consolidação da fundação, assentamento do lajeado na base da Torre, refechamento de juntas dos paramentos de alvenaria, execução de lintel em betão armado, execução de escadas de acesso à torre, em alvenaria, execução de cobertura em madeira de castanho, assentamento de telha nacional dupla; 1983 - Continuação dos trabalhos de construção civil com vista à adaptação a museu; 1984 - Continuação dos trabalhos de construção civil com vista à adaptação a museu: beneficiação da instalação eléctrica, iluminação e tomadas, sistema de detecção e alarme de incêndios, detecção e alarme de intrusão, pára-raios, execução de vitrais, assentamento de grade metálica, tratamento de paramentos de alvenaria de granito, colocação de portas e merlões em falta.

Observações

O Padre João Parente, coleccionador de numismática romana e visigótica, em protocolo celebrado com a Câmara doou em 1989 um conjunto de mais de quatro mil moedas representativas de quase todos os imperadores, que deveria ser a base de um Museu de Numismática. A Torre foi berço de um morgadio dos condes de Vimioso.

Autor e Data

Isabel Sereno e Ricardo Teixeira 1994

Actualização

Paula Noé 2003
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login