Alta de Coimbra / Universidade de Coimbra - Alta e Sofia

IPA.00005908
Portugal, Coimbra, Coimbra, União das freguesias de Coimbra (Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e São Bartolomeu)
 
Sector urbano. Área urbana situada em colina. Conjunto urbano de traçado orgânico (lado E.: zona residencial), conjunto urbano com plano prévio (lado O.: universidade. Urbanismo românico, renascentista, pombalino, contemporâneo; predomina arquitectura religiosa e civil românica, gótica, manuelina, renascentista, maneirista, barroca, neoclássica, revivalista, modernista, popular. As estruturas urbanas dominantes são a românica (a mais antiga) e a do Estado Novo (mais recente). Em torno da Sé Velha, um núcleo de urbanismo românico irregular, espontâneo, radioconcêntrico marcado pela topografia e legados antigos; a catedral impõe-se como centro cívico e religioso onde convergem as principais vias. Na Cidade Universitária urbanismo do Estado Novo, organizado em função do antigo e histórico Paço das Escolas. Do urbanismo renascentista dominante na definição da estrutura urbana da Alta, já pouco resta: algumas estruturas arquitectónicas dispersas, antigos colégios ou paços real e episcopal, casas de famílias abastadas, ou de arrendamento. A Pç. Marquês de Pombal é excelente exemplo do urbanismo pombalino e arquitectura neoclássica. Aí subsistem os edifícios mais significativos da estética do período - a Via Latina, o Jardim Botânico, o Aqueduto de São Sebastião, o Colégio de São Bento e o Seminário. A malha urbana românica a envolver a Sé Velha, composta pelo casario de construção simples de grande riqueza de conjunto e algumas construções imponentes religiosas, o Paço das Escolas, arquitectura renascentista, barroca e neoclássica, os edifícios pombalinos em torno da Pç. Marquês de Pombal, a monumentalidade da Cidade Universitária moderna em diálogo com a Pç. da República, onde se implantam os edifícios sede da Associação Académica, constituem morfologias e estruturas que definem épocas.
Número IPA Antigo: PT020603020051
 
Registo visualizado 2756 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto urbano  Setor urbano  Área geográfica      

Descrição

Área de forma oblonga morfológica e tipologicamente constituída por duas zonas distintas: zona residencial, de casario antigo e vias estreitas acidentadas, na encosta O., com núcleo na Sé Velha; a Cidade Universitária, no cimo da colina, organizada em função dos Paços, com ruas largas e 4 praças vastas (da Porta Férrea, de D. Dinis, Marquês de Pombal, da Sé Nova). MONUMENTOS: O Paço das Escolas (PT02060325014), no alto da colina, com pátio em U (Pç. da Porta Férrea) em redor do qual se articulam as Faculdade de Letras e Biblioteca Geral , com ala S. livre e a Torre da Universidade a dominar a cidade. Entre esta e Pç. de D. Dinis, ao longo da rua larga e direita E.-O., organizam-se as faculdades de Medicina e de Ciências e Tecnologia. A S. da Pç., o Departamento de Matemática daquela Faculdade; a N., o edifício do antigo Colégio de São Jerónimo e a R. dos Estudos, a ligar a Pç. à do Marquês de Pombal. Antecede esta Pç. o edifício do antigo Colégio das Artes e envolvem-na os edifícios do Museu de História Natural (PT02060325052) e do Laboratório Químico. A O., a Pç. e igreja da Sé Nova (PT02060325001) e vestígios do antigo Colégio dos Jesuítas. Na proximidade o antigo Paço Episcopal / Museu Nacional Machado de Castro (PT02060325013). Do lado oposto ao Paço das Escolas, o antigo Colégio da Trindade e igreja. Na encosta O., distribui-se o velho casario ao longo de escadas, ruas e ruelas estreitas e sinuosas, seguindo a topografia e terminando muitas vezes em becos; as principais vias convergem na Sé Velha (PT02060302006), imponente a sobressaír do conjunto de casas simples de pequenos telhados. Entre aquelas, algumas casas nobres e burguesas de certo carácter (Paço de Sub-Ripas PT02060302015, Casa da Nau PT02060302029) e casas religiosas (Colégio Novo, PT02060302016; Igreja do antigo Colégio de Santo António da Estrela, PT02060302036; Igreja de São Salvador, PT02060325007). O Arco de Almedina (PT02060302019), uma das antigas portas da cidade e passagem obrigatória nos percursos pedestres, da ou para a Alta de Coimbra.

Acessos

Escadas Monumentais, Rua Castro Matoso; Rua Padre António Vieira ou Rua do Colégio Novo; Rua do Corpo de Deus, a partir da Rua Ferreira Borges

Protecção

Categoria: Património Mundial - UNESCO, 2013 / MN - Monumento Nacional, Aviso n.º 14917/2013, DR, 2.ª série, n.º 236 de 5 dezembro 2013

Enquadramento

O conjunto ocupa a acrópole da cidade, sobre o rio Mondego. Restos da antiga muralha (v. PT02060302012), algumas torres (Torre de Anto, v. PT02060302026) e porta existentes deixam supor delimitação medieval da área. Em redor desenvolvem-se encostas e vales de urbanização recente. Pontos com vistas sobre envolvência, margens, planície aluvial do Mondego e restante área urbana, nomeadamente a Baixa, seu casario e monumentos (Mosteiro e Igreja de Santa Cruz, v. PT02060317004; Jardim da Manga, v. PT02060317025; Rua da Sofia, v. PT02060317033; Igreja de Santiago, v. PT02060319008; Igreja de São Bartolomeu, v. PT02060319039; Edifício do Chiado, v. PT02060319040; Edifício do Largo do Romal nº 2 (v. PT02060319044), encostas de Santa Clara com os mosteiros e conventos (Mosteiros de Santa Clara-a-Velha, v. PT02060316002, de Santa Clara-a-Nova, v. PT02060316003 Convento de São Francisco, v. PT02060316020), capelas (Capela de Nossa Senhora da Esperança, v. PT02060316047, Capela de Nossa Senhora da Conceição, v. PT02060316063) e quintas (Quinta das Lágrimas, v. PT02060316034, Quinta das Canas, v. PT02060316046), casario e Portugal dos Pequenitos; após a Ponte de Santa Clara, Montarroio, Montes Claros, Celas (Mosteiro de Celas v. PT02060318005), Cumeada, e zonas verdes do Parque de Santa Cruz (v. PT02060325032) e Jardim Botânico (v. PT02060325037).

Descrição Complementar

Não aplicável

Utilização Inicial

Não aplicável

Utilização Actual

Não aplicável

Propriedade

Não aplicável

Afectação

Não aplicável

Época Construção

Séc. 09 / 10 / 11 / 12 / 13 / 15 / 16 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: José Ângelo Cottinelli Telmo (Plano Geral da Cidade Universitária, 1942); Luís Cristino da Silva (1948-1953, Actualização do Plano Geral da Cidade Universitária, 1948-1953).

Cronologia

Séc. 3 a. C. - 5 d. C. - colina ocupada pelos romanos constituindo o forum de Aeminium; Séc. 6, meados - Bispo de Conímbriga implanta ali a nova sede do Episcopus Conimbrigensis; a Imínio visigoda passa a chamar-se Coimbra; 714 - domínio muçulmano; 878 - Reconquistada e repovoada pelo rei de Leão, Afonso II o Magno; função de baluarte da Cristandade na linha do Mondego; talvez desta altura a edificação das muralhas do burgo (CORREIA e GONÇALVES, 1947); séc. 10, finais - Almansor reconquista a cidade; 1064 - cidade definitivamente reconquistada por Fernando Magno; governação do moçárabe Sesnando Davides; 1131 - início da construção do Mosteiro de Santa Cruz; 1162 - início da construção afonsina da Sé Velha; hipótese de existirem outros templos no local; 1290 - D. Dinis funda em Lisboa os Estudos Gerais, transferidos para Coimbra, regressando a Lisboa; 1373, Julho - D. Fernando ordena recuperação da muralha; 1517 - D. Manuel I inicia reconstrução do Paço Real; 1537 - D. João III reinstalou definitivamente os Estudos Gerais na cidade de Coimbra; transferidas para o Paço todas as aulas universitárias; entre 1547 e 1615 - Ordens religiosas constroem em Coimbra, sobretudo na Rua da Sofia e em volta do Paço, colégios universitários conduzindo a alterações profundas na estrutura urbana; em volta do paço universitário florescem as habitações para arrendar a estudantes; 1541 - D. João III manda construir 12 casas que oferece à Universidade, para estudantes e usufruír rendimento; 1597 - Universidade compra a D. Filipe III (II de Portugal) os edifícios do Paço; 1772 - Marquês de Pombal inicia reforma da Universidade; alteração de edifícios e construção de outros de raíz; Sé Velha deixa de ser Sé Episcopal; função transferida para a igreja do extinto Colégio de Jesus, doravante Sé Nova; parte da muralha e castelo demolidos para regularização do traçado urbano; construção do Jardim Botânico e grandes edifícios para o ensino; 1816 - velha catedral passa a sede paroquial; 1834, 29 de Maio - extinção das ordens religiosas; muitos colégios mudam de proprietários, hoje na maioria ocupada pela Universidade; 1855 - início de remodelação dos antigos colégios universitários (das Artes, de São Jerónimo, dos Militares) e do Observatório Astronómico (obra pombalina incompleta) para adaptação a Hospitais da Universidade; 1884 - programa de transformação da área E. da Alta; 1893 - 1918 - obras de restauro na Sé Velha; 1943, Abril - início das demolições entre o Lg. D. Dinis, e o Paço das Escolas, para implantação da actual Cidade Universitária; 1982, Março - Matilde Pessoa Figueiredo propõe a classificação do Centro Histórico de Coimbra como Património Mundial (FIGUEIREDO, 1982); 1987 - no I Congresso sobre a Alta de Coimbra organizado pelo Grupo de Arqueologia e Arte do Centro sugere-se o início daquele processo de classificação; 1999, 29 Julho - aprovado por despacho superior do Ministro da Cultura, o projecto de requalificação urbana da Rua Larga e espaços envolventes que compreende a zona entre a Porta Férrea e Praça D. Dinis; 2004 - inscrição na na Lista Indicativa do Património Mundial; 2011 - abertura do procedimento de classificação e fixação de Zona Especial de Protecção provisória, Anúncio nº 5286/2011, DR, 2ª série, nº 78, de 20 Abril 2011; 2012 - Regulamento Municipal de Edificação, Recuperação e Reconversão Urbanística da Área afeta à candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial da UNESCO, incluindo a Zona de Proteção, Aviso n.º 2129/2012. DR, 2ª série, nº 30, de 10 fevereiro 2012; 2013, 20 março - aprovação por deliberação municipal da delimitação da ARU - Área de Reabilitação Urbana, pelo Aviso n.º 4075/2013, DR n.º 56, Série II; 2013, 15 maio - projeto de decisão da DGPC relativo à classificação como Conjunto de Interesse Nacional do conjunto da Universidade de Coimbra - Alta e Sofia, em Coimbra, freguesias de Almedina, Santa Cruz e Sé Nova, por Anúncio n.º 175/2013, DR, 2.ª série, n.º 93.

Dados Técnicos

Não aplicável

Materiais

Não aplicável

Bibliografia

CORREIA, Vergílio e GONÇALVES, A. Nogueira, Inventário Artístico de Portugal. Cidade de Coimbra, Lisboa, 1947; DIAS, Pedro, Evolução do Espaço Urbano de Coimbra, Munda, n.º 2, Novembro de 1981; FIGUEIREDO, Matilde Pessoa de, Arte Moderna em Coimbra, Mundo da Arte, n.ºs 8-9, Julho-Agosto de 1982; DIAS, Pedro, Coimbra. Arte e História, Porto, 1983; A Velha Alta_ Desaparecida, Coimbra, 1984; BORGES, Nelson Correia, Coimbra e Região, Lisboa, 1987; MARGARIDO, Ana Paula e QUEIROS, Margarida Vilar, A Universidade de Coimbra e as Alterações na Malha Urbana in Universidade(s). História, Memória, Perspectivas. Congresso História da Universidade, vol. II, Coimbra, 1991; CRAVEIRO, Lurdes, Guilherme Elsden e a Introdução do Neoclassicismo em Portugal in Portugal e Espanha Entre a Europa e Além-Mar. Actas do IV Simpósio Luso-Espanhol de História da Arte, Coimbra, 1988; NUNES, Mário, O Património da Alta de Coimbra num Contexto de Universalidade in Alta de Coimbra. História, Arte, Tradição (Actas), Coimbra, 1988; SILVA, Carneiro da, A Almedina de Coimbra in Alta de Coimbra. História, Arte, Tradição (Actas), Coimbra, 1988; MARGARIDO, Ana Paula e QUEIROS, Margarida Vilar, A Universidade de Coimbra e as Alterações na Malha Urbana in Universidade(s). História, Memória, Perspectivas. Actas do Congresso História da Universidade, vol. II, Coimbra, 1991; PIMENTEL, António Filipe, Poder, Corte e Palácio Real: os Palácios Manuelinos e a Reforma Quinhentista da Alcáçova de Coimbra in Universidade(s). História, Memória, Perspectivas. Actas do Congresso História da Universidade, vol. II, Coimbra, 1991; DIAS, Pedro, O Urbanismo, a Arquitectura e as Artes Plásticas na Criação do Mito da Lusa-Atenas in Actas do Colóquio a Universidade e a Arte (1290-1990), Coimbra, 1993; MORA, Mariana, Os Projectos de Remodelação do Paço das Escolas, ao Tempo da Reforma Pombalina in Actas do Colóquio a Universidade e a Arte (1290-1990), Coimbra, 1993; Urbanismo, Coimbra, Anos 90, Câmara Municipal de Coimbra, 1993; NUNES, Mário, Alta de Coimbra. Candidata a Património Mundial, Munda, n.º 32, Novembro de 1996; ROSMANINHO, Nuno, O Princípio de uma Revolução Urbanística no Estado Novo. Os Primeiros Programas da Cidade Universitária de Coimbra (1934-1940), Coimbra, 1996; ROSSA, Walter, DiverCidade. Urbanografia do espaço de Coimbra até ao estabelecimento definitivo da Universidade. Dissertação de Doutoramento, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, 2001; SIMÕES, Sidónio, ALBUQUERQUE, Ana Paula, "Coimbra - As políticas de intervenção na zona histórica" in II Fórum Ibérico sobre Centros Históricos, Centro Cultural de Cascais, Câmara Municipal de Cascais, 2005; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/15731244 [consultado em 16 agosto 2016].

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMC: Arquivo Histórico Municipal de Coimbra (Plantas de 1873 e 1934 com a Alta antes das demolições para construção da Cidade Universitária); Arquivo da Universidade de Coimbra (documentação e planos da Cidade Universitária); CMC (Anexo II do PDM (1993), com delimitação das áreas protegidas, incluindo a Alta); DGOTDU: Arquivo Histórico (Plano de Ordenamento, de Extensão e Embelezamento da Cidade de Coimbra, Arq. Urb. Etienne de Groër, 1940; Plano Geral de Urbanização de Coimbra - Proposta, Serviço de Obras e Urbanização - Gabinete de Urbanização da Câmara Municipal de Coimbra, 1977)

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; DGEMN/DREMC; DGEMN/DRML; Imagoteca Municipal de Coimbra (fotografias da Alta antes das demolições para construção da Cidade Universitária)

Documentação Administrativa

AUC (construção da Cidade Universitária)

Intervenção Realizada

DGEMN: 1934 - apoio à primeira comissão de obras da Cidade Universitária, num projecto de urbanização em torno do Paço das Escolas, (arquitectos Luís Benavente e Raul Lino) e ao segundo plano (1939, Luís Benavente); 1942 - projectos superados pelo plano global de construção.

Observações

*1 - Compreende também as freguesias de Santa Cruz e Sé Nova. *2 - A Alta de Coimbra não se encontra delimitada individualmente no PDM (1993); aparece inserida no conjunto da Baixa e Rua da Sofia, constituindo o Centro Histórico da Cidade. A alta forma com a Baixa, a Rua da Sofia e o Parque de Santa Cruz, o Jardim Botânico, o Penedo da Saudade, Santa Clara e Celas, áreas consideradas no PDM com o grau de protecção I.

Autor e Data

Francisco de Jesus 1998

Actualização

Anouk Costa, Cláudia Morgado, Rita Vale 2010
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login