Pelourinho de Gouvães do Douro

IPA.00005886
Portugal, Vila Real, Sabrosa, União das freguesias de Provesende, Gouvães do Douro e São Cristóvão do Douro
 
Arquitectura político-administrativa e judicial, setecentista. Pelourinho de gaiola quadrangular, com soco quadrangular de dois degraus, onde assenta plinto quadrangular monolítico e coluna de fuste cilíndrico, com capitel circular. Remata em gaiola e pináculo piramidal sobre base bojuda. Pelourinho de gaiola quadrada, composta por cornijas interligadas por elementos prismáticos de meio adelgaçado, com remate de secção inferior bojuda e a superior em pináculo piramidal, com uma estrutura muito pouco comum. Apresenta certo carácter rústico, especialmente no plinto, com encaixe para a coluna, e possui inscrita a data da sua construção na cornija inferior da gaiola.
Número IPA Antigo: PT011710030001
 
Registo visualizado 116 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição eclesiástica  Tipo gaiola

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco quadrangular de dois degraus escalonados, sobre os quais assenta plinto quadrangular monolítico com encaixe para a coluna, de fuste cilíndrico, liso e monolítico, com capitel circular volumoso e gola, também lisa, apresentando na zona posterior fenda, suportando gaiola, quadrada; esta é formada por duas cornijas, a inferior inscrita na face frontal com a data de "1722", e de elemento prismático com o meio adelgaçado em cada um dos ângulos, encimada por uma moldura quadrangular mais pequena, sobre a qual surge o remate, com a secção inferior bojuda e a superior em pináculo piramidal.

Acessos

Gouvães do Douro, Largo do Pelourinho

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, isolado, num pequeno largo da povoação, pavimentado a parelelos, delimitado por construções e muro delimitador de propriedade e junto à principal via que atravessa a aldeia. Encostado ao muro existe fonte pública, construída em 1950, e vários bancos de pedra.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1202 - depois de mandar povoar Goães, D. Sancho I deu-lhe foral; 1238 - o couto de Gouvães foi objecto de uma troca com D. Sancho II; 1256, 3 Outubro - foral de D. Afonso III dado em Pinhel; 1257, 27 Março - o monarca, em Santarém, deu-lhe novo foral, ampliando os seus privilégios; séc. 17 - provável construção do pelourinho, segundo Luís Chaves; 1722 - data inscrita na base da gaiola; 1758, 04 Março - segundo as Memórias Paroquiais, a freguesia, com 86 vizinhos e 260 pessoas, era couto do Arcebispado de Braga, sendo cabeça do couto de São Mamede e do de Provezende, mas era o mais antigo; pertencia à comarca de Vila Real e tinha juiz ordinário, vereador, procurador e alcaide; 1855, até - pertencia ao concelho de Provezende; 1874 - queda do pelourinho, devido a um temporal, sendo prontamente reconstruído pelo povo.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

CAPELA, José Viriato, BORRALHEIRO, Rogério, MATOS, Henrique, As Freguesias do Distrito de Vila Real nas Memórias Paroquiais de 1758. Memórias, História e Património, Braga, 2006; CHAVES, Luiz, Os Pelourinhos. Elementos para o seu catálogo geral, Lisboa, 1939, p. 74; LEAL, Silva, Os Pelourinhos de Traz-os-Montes: IX Gouvães do Douro, Ilustração Trasmontana, vol. 3, 1910, pp. 111 - 112 (inclui foto); MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DSARH, MI

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Isabel Sereno e Ricardo Teixeira 1993 / Paula Noé 2005

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login