Pelourinho de Cerva

IPA.00005884
Portugal, Vila Real, Ribeira de Pena, União das freguesias de Cerva e Limões
 
Arquitectura político-administrativa e judicial, seiscentista. Pelourinho seiscentista de pinha piramidal, com soco de um degrau quadrangular, coluna de secção quadrangular, com arestas chanfradas e capitel simples, de onde evolui o remate piramidal. É possivel que a simplicidade que hoje mostra seja derivada dos sucessivos apeamentos e reconstituiçães que sofreu, possuindo na base a data de construção.
Número IPA Antigo: PT011709030001
 
Registo visualizado 210 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição senhorial  Tipo pinha

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco quadrado de um degrau, onde assenta uma base cúbica e o fuste, de superfície plana, prismática chanfrada. Numa das faces da base cúbica, apresenta a data, em duas linhas com caracteres maiúsculos: "1.6.1.7. ANOS". Capitel sem coxim e ábaco liso quadrangular, encimado pelo remate piramidal.

Acessos

Cerva, EN. 312, Km 51,100, lugar da Praça

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Rural. Localiza-se à margem da estrada junto de uma casa do séc. 18.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 17

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 16 - D. Manuel concede-lhe foral; 1617 - data inscrita na base do pelourinho; 1661, 11 Junho - concessão do título de Marquês de MArialva a D. António Luís de Meneses, por D. Afonso VI, o qual é donatário da povoação; 1758, 12 Março - segundo o pároco Domingos Alves Pinto de Carvalho nas Memórias Paroquiais, a freguesia era do Marquês de Marialva e pertencia à comarca de Vila Real; tinha 411 vizinhos e 1500 pessoas; tinha juiz ordinário e Câmara; 1853 - extinção do concelho, passando a integrar o concelho de Ribeira de Pena; 1930 - esteve até esta data junto do edifício onde se localizavam os Paços do Concelho, tendo então sido transferido para o centro do mercado paroquial, de onde viria a ser mais tarde apeado; 1951 - encontrando-se desmontado e os seus elementos dispersos, foram então recolhidos pela Junta de Freguesia; 1952 - remontado, tendo sido construído um maciço de alvenaria para assentamento da base.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em granito.

Bibliografia

CAPELA, José Viriato, BORRALHEIRO, Rogério, MATOS, Henrique, As Freguesias do Distrito de Vila Real nas Memórias Paroquiais de 1758. Memórias, História e Património, Braga, 2006; CHAVES, LUIS, Os pelourinhos. Elementos para o seu catálogo geral, Lisboa, 1939, p. 98; IPPAR, Património Arquitectónico e Arqueológico Classificado, Inventário, Lisboa, 1993, vol. III, Distrito de Vila Real, p. 26; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/73446 [consultado em 11 janeiro 2017].

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DREMN

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DREMN, DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DREMN

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Isabel Sereno e Paulo Dordio 1994

Actualização

Paula Noé 1999
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login