Ermida Nossa Senhora da Piedade / Santuário de Nossa Senhora da Piedade - Mãe Soberana

IPA.00005625
Portugal, Faro, Loulé, Loulé (São Sebastião)
 
Ermida construída no séc. 16, reformada no séc. 18, com nave única, capela-mor e sacristia ( já demolida ). Azulejos de padrão seiscentistas; tectosde madeira pintados com arquitecturas perspectivadas, setecentistas; retábulo-mor rococó, seguindo a tipologia vulgar algarvia, de planta plana, corpo único de 3 tramos e ático; alçados laterais ostentando painéis pintados sobre estuque oitocentistas. As pinturas perspectivadas arquitectónicas do tecto, de Diogo de Sousa e Sarre, um dos mais importantes artistas algarvios, e que constituem um dos seis exemplares do género existentes no Algarve. Os painéis figurativos dos alçados laterais. O retábulo-mor possui apenas um par de pilastras e a talha das ilhargas prolonga-se pelo ático, sem entablamento. As festividades que têem lugar anualmente no templo copnstituem a mais expressiva e concorrida manifestação religiosa algarvia.
Número IPA Antigo: PT050808090018
 
Registo visualizado 141 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Conjunto composto por dois templos, interligados por amplo alpendre, com acesso por ampla rampa, pavimentada a calçada, bordejada pro muros de alvenaria rebocados e pintados de branco, pontuado por cruzes. A CAPELA VELHA tem planta retangular composta por nave única e capela-mor rectangulares; cobertura diferenciada em telhado de duas águas na nave e capela-mor, esta última com clarabóia octogonal saliente e campanário com uma sineira limitada por frontão recortado e duas urnas com trabalhos de massa. Fachada principal a E., de pano único delimitado por cunhais de argamassa; remate em empena e cornija moldurada, coroada por cruz de ferro sob peanha de volutas; portal de cantaria de verga recta arquitravada; sobre a cornija deste cai directamente o janelão axial de cantaria e verga dupla recta, protegida por telheiro de alvenaria. Fachada lateral N. rasgada por portal e fresta rectangular entaipada; remate em cornija e beirado saliente. Fachada lateral S. com porta de acesso à capela-mor. Fachada posterior rasgada por duas frestas. INTERIOR: nave única e capela-mor com cobertura em falsa abóbada de berço de madeira sobre sanca de madeira; os tectos apresentam pinturas de arquitecturas perspectivadas, com querubins, anjinhos, cartelas, concheados; alçados laterais da nave e capela-mor com lambril de azulejos padrão, azuis, amarelos e brancos e painéis pintados sobre estuque, figurando cenas da Paixão de Cristo, num total de dez, medindo cada 1,50 X 2,86m e tendo inscrito num deles "José Filipe Porfírio, pintor em Faro"; os painéis são intercalados por pilastras pintadas, munidas de capitéis embebidos na sanca; pavimentos da nave de tijoleira formando motivo enxaquetado. Na capela-mor mesa de altar de alvenaria e retábulo-mor de talha pintada e dourada, de camarim, baldaquino e trono, de planta plana, corpo único de 3 tramos e ático; duas portas de acesso a ladea-lo, sobrepostas de edículas em talha dourada e pintada com os símbolos da Paixão; pavimento de madeira.

Acessos

Loulé, Cerro do Cabeço

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Periurbano, isolado, implantado no alto de um cerro, com óptima visibilidade, junto a importante eixo-viário que desde a Época Romana faz a ligação entre São Brás - Loulé - Boliqueime. Adro lageado a cantaria.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: ermida

Utilização Actual

Religiosa: santuário *1

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Algarve)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 16 / 18 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Nereus Fernandes (séc. 20). ENTALHADOR: João da Costa Amado (atr., 1760, 1770). PINTORES: António Alves (1954); Diogo de Sousa e Sarre (atr., 1764, 1768-1770); José Filipe Porfírio (séc. 19).

Cronologia

1553 - construção inicial segundo as Visitações da Ordem Militar de Santiago de 1565; segundo a tradição, surge no local de uma antiga gruta, onde foi encontrada uma imagem muito antiga; séc.16, final - o padroado do templo passa para a Câmara de Loulé; séc. 16 - 17 - feitura da imagem de Nossa Senhora da Piedade por imaginário farense e do retábulo primitivo; 1652 - conclusão do assentamento dos azulejos de padrão; 1716 - Filipe Peixoto de Moura, Reitor da Confraria de Nossa Senhora da Piedade e Juiz de Fora, ajusta a feitura de novo retábulo em talha com o mestre entalhador Gaspar Martins; segundo Frei Agostinho de Santa Maria, a capela-mor tem cobertura em meia-laranja, onde surge a imagem de Nossa Senhiora, num nicho, em madeira, representando a senhora sentada com Cristo no regaço; 1755, 01 novembro - a capela-mor é danificada pelo terramoto, tendo sido destruído o retábulo-mor; séc.18, 2.ª metade - reconstrução do templo com diferente orientação; construção de nova capela-mor e provavelmente da sacristia, posteriormente destruída; 1760 - feitura do retábulo-mor atribuível ao entalhador João da Costa Amado, filho do mestre entalhador farense João Amado; 1764 - douramento retábulo-mor, provavelmente pelo pintor dourador Diogo de Sousa e Sarre; estofamento imagem da padroeira pelo mesmo pintor; 1768 - 1769 - pinturas perspectivadas tectos da capela-mor, nave e sacristia, pelo pintor Diogo de Sousa e Sarre, tendo o tesoureiro da Confraria de Nossa Senhora da Piedade despendido "mais com madeira que se foi comprar a Faro para se forrar o tecto da Igreja de Nossa Senhora, 20$630"; 1770 - despende-se com Diogo de Sousa, pintor, de pintar o tecto da Igreja de Nossa Senhora e cimalhas e mais obras de pintura do arco da capela até à parede da porta principal, 112$000 réis; feitura das cimalhas em talha da capela-mor por João da Costa Amado; 1857 - os festejos passam a ser acompanhados por música, surgindo a Marcha da Mãe Soberana; 1859 - feitura do novo andor; séc. 19, finais - campanha de obras: reformulação da fachada principal; pintura painéis figurativos das paredes laterais da nave por José Filipe Porfírio, pintor de Faro; 1910 - na sequência da implantação da República, é proibido o culto pelo poder central, mas os festejos continuam a ocorrer anualmente; 1935 - feitura de duas coroas em prata; 1947, cerca de - abertura de porta na capela-mor; 1954 - pintura do estandarte de Nossa Senhora da Piedade, pintado por António Alves e filho, debruado com fio de ouro e prata; séc. 20, década de 90 - construção de enorme templo, junto à ermida, de modo a albergar os fiéis aquando da festa da padroeira, conforme projecto do arquiteto Nereus Fernandes; 1994 - 1995 - destruição da sacristia e da fonte primitivas; 1995, 30 abril - inauguração do novo templo, consagrado pelo bispo do Algarve, D. Manuel Madureira Dias; 2019, 22 maio - publicação de Anúncio n.º 88/2019, DR, 2.ª série, n.º 98/2019, relativo à consulta pública para efeitos de inscrição do "culto a Nossa Senhora da Piedade de Loulé" no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial; 2020, 03 agosto - publicação da inscrição do "Culto a Nossa Senhora da Piedade de Loulé" no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, em Anúncio n.º 177/2020, DR, 2.ª série, n.º 149 (http://www.matrizpci.dgpc.pt/MatrizPCI.Web/InventarioNacional/DetalheFicha/462?dirPesq=0).

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Alvenaria rebocada e caiada, cantaria, ferro, telha de canudo, estuque, madeira.

Bibliografia

BARARDO, Maria do Rosário - Santuários de Portugal. Caminhos de Fé. Lisboa: Paulinas Editora, 2015; LAMEIRA, Francisco Ildefonso C. - Inventário Artístico do Algarve. A Talha e a Imaginária: Concelho de Loulé. Faro: 1996; LAMEIRA, Francisco Ildefonso C. - A Ermida de Nossa Senhora da Piedade (desdobrável). Loulé: Câmara Municipal, 2000; MARIA, Agostinho de Santa - Santuário Mariano... Lisboa: Officina de António Pedrozo Galram, 1718, tomo VI; OLIVEIRA, Francisco Xavier D'Athaide - Monografia do Concelho de Loulé. Algarve: 1905; SERRA, Manuel Pedro - «Conservação e Restauro da Ermida Nossa Senhora da Piedade» in Al-uyã - Revista do Arquivo Histórico Municipal de Loulé. Loulé: 1996, n.º 5.

Documentação Gráfica

CMLoulé

Documentação Fotográfica

DGPC: SIPA, DGEMN:DSID

Documentação Administrativa

Arquivo Histórico Municipal de Loulé: Livro da Receita e Despesa de Nossa Senhora da Piedade

Intervenção Realizada

CML, CCRA e Paróquia: 1996 - 2004 - restauro e conservação do retábulo e da cobertura de madeira; substituição de telhas partidas; limpeza e comsolidação das pinturas sobre estuque; limpeza das pinturas sobre madeira do tecto.

Observações

*1 - durante as festividades à Virgem, localmente designada "Mãe Soberana", deslocam-se a Loulé milhares de fiéis.

Autor e Data

Francisco Lameira 1997 / Rosário Gordalina 2000

Actualização

Rosário Gordalina 2004
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login