Palacete Mayer / Consulado de Espanha

IPA.00005065
Portugal, Lisboa, Lisboa, Santo António
 
Palacete ecléctico.
Número IPA Antigo: PT031106460412
 
Registo visualizado 490 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa  Palacete  

Descrição

De planta rectangular, volumetria paralelepipédica, sendo a cobertura efectuada por telhados a 4 águas e em trapeira (7 viradas a O.). A edificação, totalmente revestida com placagem de cantaria com aparelho em silharia fendida é constituída por 3 registos separados por friso - sendo um deles parcialmente enterrado e revestido a diferente cantaria aparelhada. Alçado principal a E., com pano de muro curvo no ângulo e compartimentado em 6 corpos separados por pilastras, que se distinguem pelo tipo de tratamento das almofadas, simulando o rusticado no piso térreo, e transformando-se em duplas pilastras no piso superior: com abertura de vãos a ritmo regular, os corpos diferenciam-se pelo diferente guarnecimento escultórico das fenestrações, apresentando genericamente janelas no piso térreo com avental relevado e delimitado por consolas, e ombreiras ladeadas por estípides que sustentam o remate das janelas em verga recta destacada, e janelas de sacada ao nível do 1º andar, com emolduramento análogo. Destes, distingue-se o corpo correspondente ao pano de muro curvo, que regista 3 janelas de peito encimadas por janelas de sacada: nas janelas do piso térreo distingue-se a janela a eixo, com remate em frontão triangular com cabeça de leão inscrita, e suportado por estípides guarnecidas com consolas zoomórficas. As janelas do 1º andar, são servidas por varandas com guarda em balaustrada de cantaria, suportadas por 2 mísulas cada, ornadas com folhas de acanto e inscritas por grinaldas, e apresentam um tipo de emolduramento análogo ao da janela central descrita: a janela a eixo regista consola antropomórfica a suportar frontão curvo, sendo ladeada por janelas com estípides simples e de frontão triangular. Nos 2 corpos a NE., identificam-se no piso térreo portas inscritas em arcos de volta perfeita com simulação de enjuntas, que ostentam nas chaves, cabeça de mulher com máscara de leão sobre a nuca e pedra de armas real de Espanha no corpo extremo a NE.; são encimadas respectivamente, por janela de sacada com remate em frontão curvo suportado por consolas antropomórficas, e servida por varanda em balaústre ritmada por plintos; no corpo extremo, a porta ladeada por 2 janelas de peito estreitas com verga destacada é coroada por 2 janelas de sacada com estípides nas ombreiras e verga recta destacada, com varandim em balaustrada. O alçado é sobrepujado por cornija suportada por mísulas ornadas com folhas de acanto, que precede remate em platibanda simples articulada com balaustrada, identificando-se ainda, plintos com bola nos eixos correspondentes às pilastras de compartimentação da fachada. A compartimentação interna organiza-se a partir de 2 escadas de lanços rectos (1 principal e outra de serviço), reconhecendo-se essencialmente compartimentos rectangulares directamente comunicantes.

Acessos

Rua do Salitre, n.º 1-3; Travessa do Salitre, n.º 37

Protecção

Incluído na classificação da Avenida da Liberdade (v. IPA.00005972), na Zona Especial de Proteção do Jardim Botânico da Faculdade de Ciências (v. IPA.00007006) e na Zona Especial de Proteção Conjunta dos imóveis classificados da Avenida da Liberdade e área envolvente

Enquadramento

Urbano, destacado, flanqueado, fazendo gaveto.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Política e administrativa: consulado

Propriedade

Privada: estatal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Nicola Bigaglia (1899); António de Mesa Ruiz Mateos (1945).

Cronologia

1899 - projecto de Nicola Bigaglia para palacete de Adolfo de Lima Mayer e sua apresentação à Câmara Municipal de Lisboa e início da construção (aproveitando parcialmente fundações de imóvel pré-existente); 1902 - o edifício recebe o Prémio Valmor (pela primeira vez atribuído nesse ano), no montante de 1.802$850 reis, a dividir entre proprietário e arquitecto autor do projecto (tendo este último doado da sua metade 100$000 reis à Câmara Municipal de Lisboa para obras de beneficência); 1923 - estava instalado no edifício o Avenida Palace Club, do qual era proprietária a firma Júlio de Resende Lda.; 1930 - instalação no imóvel de serviços da Embaixada de Espanha, após a sua aquisição pelo Estado Espanhol; 1989, 22 de Dezembro - Despacho 104/89 da Secretária de Estado da Cultura, DR 293 de abertura do processo de classificação.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Alvenaria mista, reboco pintado, cantaria de calcário, estuque, ferro forjado, madeira

Bibliografia

COSTA, Mário, O Salitre e as suas Imediações, Lisboa, 1952; FERREIRA, Fátima e OUTROS, Guia Urbanístico e Arquitectónico de Lisboa, Lisboa, 1987; PEDREIRINHO, José Manuel, História do Prémio Valmor, Lisboa, 1988; ALMEIDA, Fialho D', Barbear, Pentear ( jornal d' um vagabundo ), Lisboa, 1910

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

CML: Arquivo de Obras, Pº Nº 23.767.

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: 1923 - obras de ampliação de terraço; 1927 - alteração de muro; 1929 - obras de conservação e limpeza; 1930 / 1931 - campanha de obras (alteração compartimentação interna), com vista à instalação do consulado; 1939 - obras de beneficiação geral; 1945 - alterações internas, segundo projecto do Arquitecto António de Mesa Ruiz Mateos; 1950 - obras de beneficiação geral; 1965 - obras de beneficiação geral; 1971 - obras de beneficiação geral; 1988 - obras de beneficiação geral.

Observações

Autor e Data

Teresa Vale e Maria Ferreira 1998

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login