Palacete das Laranjeiras

IPA.00005060
Portugal, Lisboa, Lisboa, Misericórdia
 
Palacete oitocentista. O edifício conserva a decoração interior do salão de baile e de muitas outras divisões, obra esta atribuída aos Meira, uma família que decorou numerosas residências na cidade de Lisboa.
Número IPA Antigo: PT031106150305
 
Registo visualizado 601 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa  Palacete  

Descrição

De volumetria paralelepipédica com 3 pisos, de planta rectangular. A cobertura é efectuada por telhado a 4 águas. A fachada principal encontra-se a E. e apresenta um corpo central destacado ao nível dos dois primeiros pisos. Este corpo central tem, ao nível do piso térreo 2 portas principais idênticas, com emolduramento destacado em cantaria e bandeira em arco em asa de cesto. Ainda ao nível do piso térreo mas nos corpos laterais (idênticos), estes apresentam soco em cantaria e 1 janela de peito ao lado de uma porta de verga curva e bandeira em arco asa de cesto. Ao nível do 2º piso, este é constituído, na sua totalidade, por 6 janelas de peito. Os dois pisos inferiores são intercalados por um friso de cantaria. No 3º piso contam-se, no mesmo plano, 6 janelas de sacada com remate em frontão triangular, servidas por uma varanda com grade de ferro forjado que acompanha o destacamento do corpo central. Superiormente, a fachada é rematada por cornija e platibanda em cantaria, constituída por uma balaustrada ritmada por plintos. A fachada posterior, a O., é de leitura mais austera e conta 4 pisos. Ao nível do piso térreo, este é constituído por 6 portas simples com emolduramento de cantaria. Os restantes pisos são constituídos essencialmente por janelas de peito, contando-se ao nível do 3º piso 4 janelas de sacada. Interiormente (*1), o piso térreo caracteriza-se por um átrio amplo, no qual se abrem três arcos de volta perfeita em cantaria vazados por portas. A porta central conduz a uma escadaria de madeira central que dá acesso aos vários pisos.

Acessos

Rua de São Pedro de Alcântara, n.º 71 a 77; Rua do Teixeira, n.º 6 a 8

Protecção

Em estudo / Incluído na classificação do Bairro Alto (v. IPA.00005019) e na Zona Especial de Proteção Conjunta dos imóveis classificados da Avenida da Liberdade e área envolvente

Enquadramento

Situado no lado O. da Rua de São Pedro de Alcântara frente ao jardim com o mesmo nome. Integrado na malha do Bairro Alto, inclui-se no conjunto de palácios que caracterizam a Rua de S. Pedro de Alcântara, embora a imponência da sua fachada principal o destaque dos restantes edifícios que compõem o quarteirão onde se insere. Na proximidade do conjunto de edificado do qual faz parte este palácio, salientam-se o Jardim Miradouro de São Pedro de Alcântara (v. PT031106150433), o Edifício dos Calafates (v. PT031106150323) e a frente de palácios da Rua de São Pedro de Alcântara, nomeadamente o Palácio Ludovice (v. PT031106150051) e o Palácio Andrade (v. PT031106150313) e ainda o Convento de São Pedro de Alcântara (v. PT031106150407).

Descrição Complementar

Destacam-se nalgumas salas ocupadas pelos serviço administrativos do tribunal os tectos trabalhados em estuque.

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Judicial: tribunal administrativo / Comercial: loja

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

Séc. 19, início - construção do edifício; foram proprietários os Viscondes das Laranjeiras, os Condes de Monte-Real e os Passanhos.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes em alvenaria de pedra e tijolo rebocadas.

Materiais

Alvenaria mista, reboco pintado, cantaria de calcário, estuque, madeira, ferro forjado

Bibliografia

ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações de Lisboa, vol. V, Lisboa, s.d.; CABRITA, António Reis, Manual de Apoio à Reabilitação dos Edifícios do Bairro Alto, CML, Lisboa, 1993; CARITA, Hélder, Bairro Alto. Tipologias e Modos Arquitectónicos, Lisboa, 1990; Reabilitação em Lisboa: Um novo conceito de ambiente urbano, CML, 1991; Lisboa: uma cidade inesquecível, Limite Visual, Badajoz, 1997.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

CML: Arquivo de Obras, Proc. n.º 529

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Teresa Vale e Maria Ferreira 1997

Actualização

Cláudia Morgado 2002
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login