Aqueduto da Usseira

IPA.00004922
Portugal, Leiria, Óbidos, Santa Maria, São Pedro e Sobral da Lagoa
 
Arquitectura civil pública, manerista. Aqueduto de arcaria em um andar.
Número IPA Antigo: PT031012050007
 
Registo visualizado 608 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Hidráulica de condução  Aqueduto    

Descrição

Repartido em 3 troços, o aqueduto corre ao longo de 6 km., no sentido S. / N. os primeiros 3 km. por canalização subterrânea, da nascente na Usseira, até ao vale dos Arcos; 2,5 km. sobre arcaria levantada sobre o vale dos Arcos até à porta do Vale, na muralha de Óbidos; daqui, de novo por canalização subterrânea, sob a Rua Direita, até ao chafariz da Praça. A arcaria que vence o desnível do vale dos Arcos, unindo as colinas da Usseira e a de Óbidos, desenvolve-se em apenas um andar, reforçada de 10 em 10 arcos por pegões; os arcos adintelados são de arco redondo, à excepção dos que cruzam caminhos, que são levemente quebrados.

Acessos

EN. 8, em frente de Óbidos. WGS84 (graus decimais) lat.: 39.355567, long.: -9.156511

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 44 675, DG, 1.ª série, n.º 258 de 09 novembro 1962 / Incluído da Zona Especial de Protecção do Castelo (v. PT03101204001) e Núcleo urbano da vila de Óbidos (v. PT03101204050)

Enquadramento

Rural e urbano. Na imediações de Óbidos, do seu lado S., desde a nascente, na Usseira, até à porta da Vila, cruzando o vale dos Arcos.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Hidráulica: aqueduto

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Afonso Álvares (mestre da Água da Prata e do Aqueduto das Amoreiras ) ou Gonçalo de Torralva (mestre do forte de Peniche) (Câmara, 1987) ( conjectural).

Cronologia

1573 - início da construção do aqueduto, custeado por D. Catarina, que a troco da obra recebe da Câmara os terrenos da Várzea; 1601 - obras de reparação; 1622 - restauros realizados no aqueduto e nas fontes (ou conclusão da obra) (Câmara, 1987); 1717 - obras de reparação; séc. 18, 2ª. metade - construção da mãe-de-água (1); 1840 - obras de reparação; 2002, Setembro - elaboração de alçados fotográficos do imóvel pela DGEMN.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante

Materiais

Cantaria e alvenaria de pedra calcária; tijolo.

Bibliografia

SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal, vol. V, Lisboa, 1955; CÂMARA, Teresa Maria Bettencourt da, Óbidos. Arquitectura e Urbanismo (sécs. XVI e XVII), tese de mestrado, UNL, 1986; PEREIRA, José Fernandes, Óbidos, Lisboa, 1988.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID, Carta de Risco

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, Carta de Risco

Documentação Administrativa

CMO

Intervenção Realizada

1911 - obras de reparação; CMÓbidos, Serviço de Arqueologia: 2011 - no âmbito dos arranjos exteriores da zona envolvente ao Loteamento "Vinhas da Porta da Vila" e ao aqueduto da Usseira - 1ª fase, procede-se a trabalhos arqueológicos, compreendendo a remoção da vegetação, a limpeza geral do edificado para o levantamento fotográfico e gráfico das estruturas e sondagens de diagnóstico nas paredes e no solo do edificado.

Observações

(1) O aqueduto alimentava ainda outros 2 chafarizes, o da Mãe de Água, junto à entrada da vila (destruído já no séc. 20 ) e o da Bica (v. PT03101205024), além de bebedouros.

Autor e Data

Isabel Mendonça 1992

Actualização

Cecília Matias 2003
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login