Mosteiro de Águas Santas / Igreja Paroquial de Águas Santas / Igreja de Nossa Senhora do Ó

IPA.00004912
Portugal, Porto, Maia, Águas Santas
 
Arquitetura religiosa. Igreja românica muito alterada pela justaposição de vários corpos novos nos séc. 14, 17 e 19. Retábulos de talha barroca e neoclássica. Particulariza-se entre as igrejas românicas por mostrar alguns restos visigóticos e apresentar duas naves em soluções diferentes.
Número IPA Antigo: PT011306010002
 
Registo visualizado 581 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Mosteiro masculino  Ordem dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho

Descrição

Planta composta por vários corpos que lhe foram sendo acrescentados ao longo dos séculos, configurando uma igreja com três naves, ábside rectangular e absídiolo redondo prolongado ao alinhamento da ábside pelo corpo rectangular da sacristia. Volumes articulados com coberturas diferenciadas em telhados de 2 e 3 águas. A fachada orientada a O., apresenta um portal de aspecto já gótico, ladeado por quatro pares de colunas, com capitéis finos decorados com temas vegetais, arquivoltas em arco quebrado, e sobrepujado por uma abertura que substituiu a primitiva rosácea. A fachada é flanqueada a N. por torre sineira rectangular, coroada por uma pirâmide com cornija de merlões assente em cachorrada. Na fachada N, o tímpano do portal lateral tem gravada uma cruz de Malta. No interior, dois arcos abatidos modernos ligam as naves laterais à central. No arco triunfal há capitéis de inspiração animalesca, tardios. Na capela-mor há três frestas com colunelos decorados, capitéis sem impostas e de toros diédricos que a ligam ao românico portuense. A nave lateral do lado N., remata em capela redonda relativamente profunda onde existem dois capitéis visigóticos e dois outros, de fábrica românica, mas neles inspirados. Mostra alguns retábulos de talha dourada dos sécs. 17 e 18.

Acessos

Águas Santas, EN 208 (Valongo - Matosinhos), no Lugar de Matosinhos

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG n.º 136 de 23 junho 1910 / ZEP, Portaria, DG, 2ª série, n.º 46 de 23 fevereiro 1974

Enquadramento

Urbano. Localiza-se junto de uma curva pronunciada da EN 208 que assim delimita o espaço do adro murado a N. e a O; do lado S. desenvolve-se o cemitério paroquial.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: mosteiro masculino

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Igreja Católica (Diocese do Porto), Concordata entre a Santa Sé e a República Portuguesa, artigo 6.º, 07 maio 1940

Época Construção

Séc. 12 / 14

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 12 - construção da primitiva igreja de uma só nave e capela-mor de planta redonda, por ação da rainha D. Mafalda; segundo a tradição é doada aos Templários; vivem no local cónegos e cónegas regrantes; séc. 13, meados - construção de nova cabeceira rectangular; 1283 - vivem no local os cónegos; séc. 14, princípios - conclusão da obra anterior com a construção de nova nave, do portal principal, da torre e do portal lateral norte; 1574 - o mosteiro pertence ao padroado real; séc. 17 - ampliação no comprimento da capela-mor e da nave passando o portal principal para o alinhamento O. da torre ao mesmo tempo que esta é transformada em altura; 1706 - segundo o Padre Carvalho da Costa é uma Comenda de Malta, com vigário que recebe 120$000; é colegiada com quatro beneficiados simples e cada um com 100$000 de renda, tudo apresentado pelo comendador; rende para a Comenda 600$000; a freguesia tem 330 vizinhos; 1874 - nova ampliação, construindo-se do lado S. uma nova nave que fica unida à nave principal por arcos abatidos idênticos aos que também são construídos na ligação à nave lateral N..

Dados Técnicos

Estrutura mista.

Materiais

Estrutura de cantaria de granito aparente; granito em muros de retenção e de vedação, pavimentos e escadas da envolvente; madeira em pavimentos, cobertura interior, vigas da cobertura e caixilharia; betão na cobertura; telhas na cobertura.

Bibliografia

ALMEIDA, C. A. F. de - Arquitectura Românica de Entre - Douro - e - Minho. Porto: 1978, II, 176 - 180; COSTA, Padre António Carvalho da - Corografia Portuguesa... Lisboa: Valentim da Costa Deslandes, 1706, vol. I; Património Arquitectónico e Arqueológico Classificado, Inventário. Lisboa: Instituto Português do Património Cultural, 1993, vol. II, p. 25; SERRÃO, Joaquim Veríssimo - Livro das Igrejas e Capelas do Padroado dos Reis de Portugal - 1574. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian Centro Cultural Português, 1971.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DREMN

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DREMN; Diocese do Porto: Secretariado Diocesano de Liturgia

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DREMN

Intervenção Realizada

1985 - Diversos trabalhos de conservação na nave colateral S; 1986 - trabalhos de reparação dos telhados; 1987 - reparação dos telhados; 1989 - trabalhos complementares de construção civil; 1991 - remodelação da instalação eléctrica, beneficiação das coberturas colaterais e tratamento interior de tectos e pavimento; 1992 - conclusão das beneficiações anteriores; DGEMN: 2005 - conclusão da obra de conservação do coruchéu da torre da igreja.

Observações

O orago actual é o de Nossa Senhora do Ó. Foi, segundo a tradição, mosteiro duplex que adoptou depois a Regra de Santo Agostinho. No séc. 14 passou para a do Santo Sepulcro e no seguinte para a Ordem de Malta. Deste mosteiro nada se conserva.

Autor e Data

Isabel Sereno e Paulo Dordio 1994

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login