Convento de São Francisco / Convento de São Frutuoso / Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Conceição

IPA.00004842
Portugal, Castelo Branco, Covilhã, União das freguesias de Covilhã e Canhoso
 
Convento franciscano, de que resta apenas a igreja de planta em cruz latina, com transepto bastante saliente, revelando a estrutura da construção medieval, de que subsiste o portal axial e, na fachada lateral direita da nave, uma cornija sustentada por cachorrada com elementos geométricos e vegetalistas. Está muito adulterado por obras sucessivas, no séc. 17, com a introdução de novas fenestrações em capialço, no séc. 18, com a remodelação da capela-mor, mas sobretudo no séc. 20, altura em que lhe foi adossado um anexo, uma sala de espetáculos e uma nova sacristia, que lhe desconfigura a planta, sem visibilidade exterior, escondendo o braço nordeste do transepto, sendo visível o oposto. A igreja possui abóbadas estreladas, assentes em mísulas bastante decoradas, construídas em estilo revivalista no séc. 20, tal como o coro-alto. Ainda do séc. 19, mas com cunho revivalista, a fachada principal com um remate barroquizante, de espaldar recortado, e com vãos de perfis apontados, semelhantes ao portal, levando mesmo ao aparecimento de uma janela fingida na torre sineira. No interior, destaca-se o transepto com os topos marcados por arcossólios com tumulária da família Castro, com as arcas encimadas por jacentes e com os escudos presentes quer nas arcas quer nos bocetes da abóbada das capelas. Cada braço do transepto possui uma estrutura retabular, o do lado do Evangelho revivalista e o do lado oposto reaproveitando a zona central de um retábulo joanino, com remate em baldaquino e drapeados fingidos, estrutura que esconde a pintura do primitivo retábulo, com cenas da vida de São Francisco, apenas parcialmente visíveis. Na capela-mor, um retábulo de talha dourada, do estilo nacional.
Número IPA Antigo: PT020503070009
 
Registo visualizado 954 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Convento masculino  Ordem de São Francisco - Franciscanos (Província de Portugal)

Descrição

Planta poligonal irregular, composta pela igreja em cruz latina, possuindo nave, transepto saliente e capela-mor pouco profunda, tendo adossados a torre sineira de planta quadrada, na fachada principal, a sacristia à cabeceira e um edifício anexo no lado norte, de massas dispostas horizontalmente e de volumes articulados, com cobertura homogénea a quatro águas na igreja e diferenciadas a três águas nos restantes corpos, rematadas em beiradas simples, tendo a torre sineira remate em coruchéu bolboso. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, exceto parte da fachada posterior da capela-mor e o braço sul do transepto, em cantaria de granito aparente, em aparelho isódomo. São percorridas por embasamento em cantaria, flanqueadas por cunhais no mesmo material e rematadas em cornijas. Fachada principal voltada a noroeste, rematada em friso e cornija, sobre a qual evolui um espaldar recortado, flanqueado por pilares em cantaria que sustentam urnas e fogaréus, rematando em friso e cornija interrompido por um plinto paralelepipédico, encimado por dado, esfera e cruz latina, com as hastes terminadas em botão; ao centro, nicho em arco apontado com moldura de cantaria, contendo a imagem do orago. Os cunhais estão encimados por urnas e fogaréus. É rasgada por portal escavado, em arco apontado, composto por quatro arquivoltas, assentes em colunas e colunelos, sobre base única, possuindo capitéis ornados por motivos geométricos e vegetalistas estilizados; encontra-se encimado por janela em arco apontado, assente em impostas salientes, com moldura de cantaria, que se prolonga inferiormente em falsos brincos e ornada por volutas, ladeada por dois nichos também em arco apontado, assente em impostas salientes e com moldura de cantaria. No lado esquerdo, uma torre sineira com 33m. de altura, evoluindo em três registos separados por friso e cornija, o último formando um ângulo, tendo, no primeiro lápide com inscrição e janela fingida, cantaria de granito e em arco apontado; o segundo é cego, possuindo, no terceiro, quatro ventanas em arco de volta perfeita assentes em impostas salientes e com molduras de cantaria; remata em friso, cornija e balaustrada, com plintos almofadados laterais, encimados por pináculos fusiformes, e possuindo um relógio circular central, na face principal. Na face lateral esquerda, surge, no primeiro registo, janela retilínea, com ampla moldura formando arco apontado, sendo marcada por escadaria de cantaria e guarda metálica, que leva a uma porta no anexo que liga à torre. Fachada lateral esquerda marcada pelo anexo de dois pisos, rasgado, no inferior, por porta em arco abatido e porta de verga reta, que centram duas janelas de peitoril com portadas de madeira exteriores, todas com molduras simples em cantaria; no segundo piso, quatro janelas de peitoril com caixilharias de madeira e vidro simples, com molduras de cantaria. Ao lado, é visível o braço do transepto, rasgado por uma fresta e, mais baixo, um corpo adossado, com porta de verga reta. O corpo da capela-mor ostenta remate parcial em cornija, sendo rasgado por janela retilínea. A fachada lateral direita tem o corpo da nave rematado em cornija, sustentado por cachorrada decorada com motivos geométricos, rasgada por uma janela em arco apontado, de duas arquivoltas, assentes em coluna e colunelo, com capitéis em colchete, protegida por vidraças e grade metálica, mas que terá constituído uma porta travessa, encimada por janela em arco de volta perfeita com dois lumes. O braço do transepto possui contrafortes diagonais nos ângulos, que enquadram um ressalto no muro, possuindo remate em cornija e sendo rasgada por janela em arco de volta perfeita, protegida por rede. O corpo da sacristia possui janela em arco de volta perfeita, formando amplo capialço e, sobre esta, vislumbra-se a janela retilínea da capela-mor. Fachada posterior com capela-mor em frontão triangular, tendo no corpo da sacristia, no lado esquerdo, porta e janela em arcos de volta perfeita com molduras de cantaria, o segundo em capialço; o corpo do lado direito, possui porta de verga reta, encimado por duas janelas jacentes em capialço, todos com molduras de cantaria. INTERIOR marcado por endonártex em cantaria, com cobertura em abóbada de aresta e acesso ao interior por três arcos apontados com molduras em cantaria e duas folhas de madeira com vidro martelado e pintado. A nave é em cantaria de granito aparente, dividida em três tramos, marcados por arcos torais de volta perfeita, com coberturas em abóbadas estreladas de quatro pontas formando polígono central, apoiadas em mísulas decoradas; pavimento em soalho. Coro-alto em cantaria assente em arco abatido sobre pilares e duas colunas de fuste liso, possuindo dois pequenos balcões salientes, em leque, sustentados por trompas nervuradas, assentes em mísulas decoradas por esferas e entrançados; balaustrada de madeira. O teto do sub-coro possui cobertura em abóbada estrelada, tendo, no lado do Evangelho, vão em arco de volta perfeita, assente em pilastras toscanas, correspondente ao batistério, implantado na base da torre sineira, com o acesso protegido por grade metálica e o interior em cantaria, com cobertura em abóbada de berço e contendo a pia batismal. Confrontantes, surgem, no segundo tramo, ao nível do pavimento, dois arcossólios em arco abatido, surgindo no terceiro tramo, no lado do Evangelho, uma inscrição de caracteres góticos. No mesmo lado, o púlpito quadrangular, assente em mísula e bacia volutada, com guarda plena ornada por cartela ovalada e festões, com acesso por porta de verga reta, a partir do corpo anexo. O cruzeiro do transepto possui abóbada estrelada de quatro pontas, formando polígonos centrais, surgindo, nos braços, coberturas semelhantes, apoiadas em mísulas decoradas. Nos topos, as capelas tumulares dos Castro, com acesso através de arcos plenos, integrando ambas dois arcossólios duplos com estátuas jacentes e dois arcos plenos com intradorso polilobulado e decorado por flores-de-lis, formando superiormente arco canopial rematado por cogulho, enquadrando um escudo com as armas dos Castro; no lado da Epístola, o bocete apresenta o escudo com treze besantes de Fernando de Castro, marido de Isabel de Castro e, no lado oposto, o bocete apresenta o escudo partido com cinco estrelas no flanco dextro e quatro besantes no flanco sinistro, armas de Joana de Castro; no lado S., situa-se o túmulo de Jorge Cabral, uma arca decorada por motivos zoomórficos em alto-relevo. Nas ilhargas dos braços do transepto, capelas retabulares dedicadas ao Sagrado Coração de Jesus (Evangelho) e São Francisco (Epístola). Arco triunfal de perfil apontado, dobrado e assente em dois pilares, dando acesso à capela-mor, elevada por três degraus; junto a estes, dois ambões, o do Evangelho de talha pintada e o oposto de madeira. Tem cobertura em caixotões com molduras de talha dourada e rosetões nos elementos de ligação, possuindo pinturas, representando atributos da Paixão de Cristo, e pavimento em lajeado de granito revestido a alcatifa vermelha *1. Sobre supedâneo de três degraus, a mesa de altar, de talha dourada, assente em três colunas torsas. Sobre outros três degraus, o retábulo-mor, de talha dourada e corpo côncavo, de três eixos divididos por seis colunas torsas, ornadas por pâmpanos e assentes em consolas, que se prolongam sobre a cornija, em três arquivoltas torsas, a interior separada por apainelados fitomórficos, unidas no sentido do raio e tendo no fecho as armas da Ordem de São Francisco, constituindo o ático. Ao centro, tribuna ampla de volta perfeita, com a boca rendilhada e fundo apainelado e cobertura em semicúpula, onde se integra trono de cinco degraus, com a imagem do orago. Cada um dos eixos laterais, nichos em arcos de volta perfeita, contendo imaginária. Altar paralelepipédico, apainelado, encimado por sacrário com duas colunas torsas e cobertura em cúpula bolbosa.No lado do Evangelho, surge um amplo corredor, rebocado e pintado de branco, com silhares de azulejo de padrão geométrico, com pavimentos em ladrilho e teto de madeira, que liga às dependências paroquiais e a uma pequena sala de espetáculos.

Acessos

Covilhã, Conceição, Largo da Infantaria n.º 21. WGS84 (graus decimais): lat.: 40,282666; long.: -7,504282

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 1/86 DR n.º 02 de 03 janeiro 1986

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado em zona com ligeiro declive a que se adapta, rodeado por vias públicas, de que se separa por passeio. A fachada principal abre para um amplo largo que forma o Jardim Público (v. IPA.00027576), que se desenvolve para norte, com miradouro sobranceiro ao vale do Zêzere. Adossada à fachada lateral direita, nicho em cantaria de um Passo da Via Sacra. Está junto à Escola Primária da Covilhã (v. IPA.00020048) e fronteiro ao Chafariz de São Francisco (v. IPA.00027483), estando envolvido por plátanos. Nas imediações, situa-se a Casa Dona Maria José Vaz de Macedo Alçada / Escola Profissional de Artes da Covilhã (v. IPA.00027448) e o Palacete Jardim (v. PT020503070181). Em redor, vários edifícios de habitação e de serviços, de dois e três pisos.

Descrição Complementar

Na FACHADA PRINCIPAL, lápide com a seguinte inscrição: "JUNTA DE PAROCHIA 1884". Na PAREDE DA NAVE, no lado do Evangelho, uma inscrição em letra gótica gravada em placa de xisto embutida na caixa murária: "Aqui jaz o muito honrado cavaleiro frei Diegalves da Cunha, commendador, que foi, de Castellejo, e Castel-novo; o qual foi na tomada de Seita com o muito alto, e muito excellente, e muito virtuoso Senhor Rei D. João da boa memoria; e foi nas Ilhas de Canaria por mandado do muito honrado Principe, e muito virtuoso Senhor Infante D. Henrique, seu filho: o qual se finou na era de 1460 annos" (leitura de Frei Manuel da Esperança). Nos BRAÇOS DO TRANSEPTO estão, no lado do Evangelho os túmulos de D. Joana de Castro e o seu marido, D. João Fernandes Cabral, filho de Fernão Cabral e irmão de Pedro Alvares Cabral, Alcaide-mor de Belmonte e Senhor de Zurara que faleceu em 1509. No lado oposto, encontramos as capelas tumulares erguidas sob a égide de D. Isabel Castro para o seu marido, D. Fernando de Castro, cavaleiro do Conselho de D. Manuel I, Senhor de Santa Cruz de Riba-Tamaga, de Lanhoso e Cinfães, Alcaide-Mor do Sabugal e Alfaiates, que morreu em Arzila, em 1509 e para o seu filho, D. Diogo de Castro, Alcaide da Vila da Covilhã e Alcaide-Mor do Sabugal e Alfaiates. Os arcossólios albergam figuras jacentes, com canídeos aos pés, envergando a sua armadura, que denuncia toda a sua condição de fidalguia, e D. Joana de Castro um manto. Todas as estruturas têm os arcos ornados por molduras flamejantes polilobuladas, colunelos e cogulhos e elementos vegetalistas, como romãs e troncos nodosos, que invadem as faces das arcas tumulares do lado dado direito do transepto. Os túmulos de D. Joana de Castro e de D. João Fernandes Cabral, apresentam grotescos meramente vegetalistas, acusando assim uma construção tardia onde se mesclam duas linguagens. O RETÁBULO DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS é de talha pintada de vermelho, verde e dourado, de corpo reto e três eixos definidos por duas colunas torsas ornadas por pâmpanos e duas pilastras com o fuste ornado por acantos assentes em plintos paralelepipédicos, com as faces decoradas por acantos. Ao centro, nicho de volta perfeita, formado pelo prolongamento das duas colunas em arquivolta torsa, com o fundo pintado a imitar adamascado e envolvendo a figura do orago um filete dourado. Cada um dos eixos laterais, possui mísula com imaginária enquadrada por apainelado recortado. A estrutura remata em frontão circular recortado interior e exteriormente, marcado por acantos e canopo, que prolonga as colunas centrais. O RETÁBULO DE SÃO FRANCISCO é de talha dourada de corpo côncavo e um eixo definido por quartelões interrompidos, formando mísulas encimadas por baldaquinos que protegem imaginária. Ao centro, amplo nicho de volta perfeita, contendo trono de três degraus, envolvido por apainelado pintado a imitar chinoiserie, onde se inscrevem dois anjos em relevo. A estrutura remata em arquivolta com motivos fitomórficos, que arma um amplo dossel, com lambrequins de onde se dependuram drapeados a abrir em boca de cena, ladeado por putti. Altar paralelepipédico, encimado por sacrário embutido na estrutura do trono, com a porta em forma de concha e remate em cornija curva, acantos e lambrequins, de onde se dependuram drapeados fingidos a abrir em boca de cena; está ladeado pelas figuras alegóricas da Fé e Esperança.

Utilização Inicial

Religiosa: convento masculino

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese da Guarda - Arciprestado da Covilhã)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 15 / 16 / 17 / 18 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ENGENHEIRO: Luís Felipe Ranito Catalão (1948). PEDREIROS: António Mendes Coelho (1885); António Saraiva (1884); Martim Enes (1285). PINTOR: Manuel Pereira de Brito (1707). FÁBRICA DE AZULEJO: Fábrica Aleluia.

Cronologia

1235 - provável fundação do Convento de São Francisco, num pequeno edifício situado na zona oriental da vila, junto a uma primitiva capela; 1285 - contrato entre Frei João Soares e Martim Enes respeitante ao chafariz existente no claustro, comprovando que o convento tinha já sido transferido para a atual implantação; a construção do novo edifício ficou a dever-se aos moradores da vila e a doações régias; séc. 14 - doações de D. Pedro I, que cedeu os rendimentos do Souto de Alcambar e de Alcongosta e de D. Fernando, que confirmou esta doação; 1385, 06 outubro - confirmação da doação de rendimentos do Souto de Alcambar e Alcongosta por D. João I, que deveriam ser usados na edificação das paredes da igreja, ainda desprovida de cobertura; séc. 15 - D. Afonso V doa $400 anuais para a construção e manutenção do convento; 1471, 25 junho - doação de propriedades ao convento por Luís Fernandes de Gouveia; séc. 16 - Domingos Pires contribuía para as vestimentas dos frades e tornou-os visitadores de uma capela que instituiu na Igreja de São Pedro, para o que recebiam 20 soldos anuais; meados - conclusão da fachada da igreja; construção de duas capelas tumulares pertencentes à família de Rodrigo de Castro, por iniciativa das suas filhas Isabel de Castro casada com Fernando de Castro e Joana de Castro casada com João Fernandes Cabral, alcaide-mor de Belmonte; o infante D. Luís doa uma imagem de Nossa Senhora da Conceição, colocada no altar-mor, tendo a imagem de São Francisco transitado para o colateral do Evangelho; D. João III confirma alguns privilégios, nomeadamente a isenção de impostos e de direito de pousio; 1552 - falecimento de D. Cristóvão de Castro, bispo da Guarda, sepultado na igreja; séc. 17 - a capela de D. Isabel de Castro tornou-se a Capela dos Terceiros; 1601, 14 fevereiro - falecimento do alcaide-mor e capitão da vila, Aires Teles da Silva, sepultado numa das capelas do transepto, mandada executar pela esposa, D. Isabel de Castro *2; nesta data, D. Joana de Castro manda executar capela no lado oposto para si, para o marido, João Fernandes Cabral, alcaide-mor de Belmonte, e para os seus descendentes; 1642 - parte de uma parede da igreja ruiu; 1655 - sagração da igreja, após obras de reconstrução; séc. 18, início - D. João V aceita ser padroeiro do convento; 1707 - pintura da cobertura da capela-mor e painéis das ilhargas pela oficina local de Manuel Pereira de Brito; 1711 - feitura de uma imagem de Nossa Senhora da Conceição em oficina lisboeta, paga pelo Visconde de Barbacena; 1726 - no Aquilégio Medicinal é referida a existência, na cerca, da Fonte Frigidíssima, junto a um teixo, onde os religiosos refrescavam o vinho durante o Verão; 1758 - nas Memórias Paroquiais é referido que o convento se situa na freguesia do Salvador do Mundo e tinha o monarca como padroeiro; a Ordem Terceira encontrava-se no local, mas instalada em capela separada; possuía uma cerca muito ampla; séc. 18 / 19 - reformulação da fachada da igreja; 1815 - um incêndio destruiu a cerca e convento, os quais ocupavam a zona do Jardim Público, o Largo de São Francisco e a Rua Nogueira dos Frades; reconstrução da igreja; 1834, 13 junho - no local estavam nove religiosos, nenhum deles oferecendo resistências às autoridades - Francisco da Conceição Santa Ana, presidente in Capite, Frei Manuel de Santa Rita de Cássia, da Maia, Frei José de Nossa Senhora do Carmo, Frei António de Santa Delfina de Pádua, Frei José de Nossa Senhora da Soledade, Frei Manuel dos Anjos Querubins, Frei Joaquim de Nossa Senhora da Piedade, de Sarzedo, Frei Manuel da Conceição de Jesus, da Covilhã, Frei Damião do Sacramento; 17 junho - inicia-se o inventário dos bens, na presença de Frei Francisco da Conceição Santa Ana, presidente in capite do convento de São Francisco *3; 20 junho - entrega dos bens ao depositário José Nunes Jacinto, da vila da Covilhã; 18 outubro - inicia-se a venda de objetos provenientes do convento, em hasta pública, onde se integravam têxteis, objetos da cozinha em ferro, cobre, latão e barro, mobiliário e quatro pipas; 18 novembro - os vasos sagrados, imagens e paramentaria não seriam vendidas, pois foram entregues à competente autoridade eclesiástica; 1835 (?) - o convento pertence a José Mendes Veiga, que aí introduziu os primeiros mecanismos de fiação e cardação a energia animal; 1838, 14 novembro - obras no futuro quartel de São Francisco, despendendo a Câmara 120$000; 1839 - o edifício do convento sofre um incêndio; 1840, 01 agosto - o Batalhão 13 da Infantaria está instalado no local *4; 1851, 19 fevereiro - são estabelecidas as quatro freguesias atuais da Covilhã, com o desaparecimento das treze que constituíam a povoação, surgindo a freguesia de São Francisco, posteriormente nomeada como da Conceição, que institui o Convento de São Francisco como sede paroquial; recebeu fogos das antigas freguesias de São Salvador, Santa Marinha, São Bartolomeu e São Paulo, recebendo, ainda 25 quintas; recebeu a residência paroquial e passal de São Paulo, que rendia 20$000 e 33$780 de foros, bem como o passal de São Salvador, com 14$400 e 2$728 de foros; ao pecúlio, acrescentou os foros de Santa Marinha, que valiam 6$780; ficou com um total de 444 fogos; 19 agosto - um incêndio destrói parte do convento, cuja área e claustro ocupavam aproximadamente a área do atual Jardim Público, Largo da Infantaria 21 e Rua Nogueira de Frades; 1852 - primeiro registo de batismo; 1860 - primeiros registos de casamento e óbito; 1872 - o Papa Pio IX concedeu 100 dias de indulgência a quem rezasse um Padre Nosso e uma Avé Maria junto a uma cruz de Missão, existente no exterior; 1873 - Clemente Nunes da Costa deu 400$000 à Ordem Terceira; 1883 - Manuel Nunes Jacinto de Andrade deu 1:812$000 à Ordem Terceira; 1884 - construção da torre por António Saraiva; colocação de lápide na torre sineira identificando a igreja como paroquial; 1885 - obras na fachada principal, por cima do portal axial, por António Mendes Coelho; 1886, fevereiro - construção do batistério; 1897 - data no vão da Capela do Senhor dos Passos; 1899 - já não existia a lápide da Capela de D. Isabel de Castro; 1900 - projeto de latrina para os praças; 1901 - planta da nova enfermaria do quartel; 1909 - planta do quartel do Regimento de Infantaria n.º 21, com indicação de onde está prevista a construção de um paiol; 1902 - planta geral do quartel; 1906 - planta da nova enfermaria com marcação do local escolhido para edificação das sentinas; projeto para a construção de uma prisão; 1935 - construção do anexo adossado à fachada lateral esquerda, com uma sala de teatro e um salão de conferências; 1940 - desabou um cipreste existente no local, destruindo parte da igreja, que teve que sofrer obras de conservação; 1948 - construção das abóbadas revivalistas da nave e o coro-alto, conforme projeto do engenheiro Luís Felipe Ranito Catalão.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito aparente, em aparelho isódomo, e betão, parcialmente rebocados e pintados; modinaturas, coberturas, coro-alto, baptistério, pia baptismal, pavimentos, supedâneo, arcosólios, túmulos, cruz e púlpito em cantaria de granito; pavimento da nave, cobertura da capela-mor, retábulos, portas, tectos dos anexos em madeira; janelas com vidro simples ou martelado e colorido; cobertura exterior com telha de aba e canudo.

Bibliografia

Covilhã percursos de uma história secular. Paços de Ferreira: Néstia Editora, 2003; CUSTÓDIO, Jorge, SANTOS, Luísa e PINHEIRO, Elisa Calado - "As Fábricas de José Mendes Veiga e Sucessores" in Cadernos de Arqueologia, Arqueologia Industrial e Património Arquitectónico, Covilhã: Universidade da Beira Interior, 1990, n.º 1; DELGADO, Rui - História da Covilhã (1800 a 1926), Covilhã, Câmara Municipal da Covilhã, 1991, vol. I; DELGADO, Rui - História da Covilhã (1800 a 1926). Covilhã: Escola Secundária Frei Heitor Pinto, 2001; ESPERANÇA, Frei Manuel da - História Seráfica da Ordem dos Frades Menores de S. Francisco na Província de Portugal. Lisboa: Officina Craesbeck, 1656; FERNANDES, Adelino Pais - Concelho da Covilhã e Memórias Paroquiais de 1758. Covilhã: 2000; HENRIQUES, Francisco da Fonseca - Aquilégio Medicinal. Lisboa: Officina da Musica 1726; Inventário Colectivo dos Registos Paroquiais. Lisboa: Arquivo Nacional da Torre do Tombo, 1993, vol. I; MENDES, Maria do Carmo R. - Pintura Barroca e Emblema: imagética da Escola do Coração no tecto da capela-mor da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, na Covilhã (1675-1725). Lisboa: s.n., 2009. Texto policopiado. Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Arte, Património e Teoria do Restauro; QUINTELLA, Arthur de Moura - Subsídios para a Monographia da Covilhan. Covilhã: s.n., 1899; RODRIGUES, José Miguel - «Covilhã: evolução urbana da cidade» in Monumentos. Lisboa: Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana, 2009, n.º 29, pp. 6-15; SANTOS, José Mendes dos - Breve História Cronológica da Covilhã. Covilhã: Notícias da Covilhã, 1994; SERRÃO, Vítor, MENDES, Maria do Carmo, SILVA, Ricardo J. Nunes da - «As pinturas do Salão dos Continentes na Casa das Morgadas e a arte na Covilhã no início do século XVIII» in Monumentos. Lisboa: Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana, 2009, n.º 29, pp. 76-87; SILVA, José Aires da - História da Covilhã. Covilhã: Edição do Autor, 1970; SILVA, Ricardo J. Nunes da - «A Beira Interior e as formas arquitectónicas tardo-medievais e renascentistas» in Monumentos. Lisboa: Instituto Da Habitação e Reabilitação Urbana, 2009, n.º 29, pp. 68-75; SIMÕES, Maurício - Santa Casa da Misericórdia da Covilhã - Cibos para a sua história. Covilhã: Câmara Municipal da Covilhã, 1999.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN/DSID, SIPA

Documentação Administrativa

DGPC: DGEMN/DSID; DGLAB/TT: Ministério das Finanças, Inventário de Extinção do Convento de São Francisco da Covilhã, cx. 2212, capilha 3

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: séc. 20, 2.ª metade - diversos trabalhos de conservação e reparação; colocação de lambril de granito serrado no exterior.

Observações

*1 - a capela-mor terá lajes tumulares pertencentes a alguns alcaides-mor da Covilhã. *2 - a lápide da capela existia e dizia "Sepultura de Ayres Telles da Silva, Alcaide-mor e capitão-mor desta villa e de Dona Isabel de Castro sua mulher e herdeiros" (SILVA, 1970). O filho de João Fernandes Cabral possuía sepultura no local, sustentada por dois leões, surgindo, ainda a sepultura de D. Cristóvão de Castro. *3 - vasos sagrados - um cálice de prata com 2 marcos e 28 oitavas (12$960), outro lavrado e dourado, que pesa 2 marcos e 31 oitavas (13$680), outro de prata com 12 marcos e 33 oitavas (12$480), uma custódia de prata dourada, lavrada, cravada de pedras brancas com hum resplendor em rodam, que pesa 8 marcos e 44 oitavas (47$840), 3 patenas, 1 cofre de tartaruga, um vaso de sacramento de prata dourada; paramentos vários; coroa de prata com pedras, 5 resplendores de prata, uma cruz de madeira para os enterros, um crucifixo no oratório da sacristia, lâmpada de metal amarelo na capela-mor, 1 sino no quarto do guardião, que pertence à torre; uma sineta da portaria e uma pequena do refeitório; uma arca que serve de arquivo; livraria; tem uma igreja que parte com o convento e com a casa de despacho da Ordem Terceira, com 35 palmos de comprimento por 37 de largura e cinquenta de altura; 5 altares, um deles onde se encontra agora o sacrário, adornado e reparado pela Ordem Terceira, pois oficia neste altar; o convento parte com a igreja, com a cerca e com o adro da Igreja do Salvador; o convento tem varanda por cima, com jardim, chafariz e as casas que serviam de aulas, lojas, cozinha, refeitório, adega, despensa, 21 celas e diversos corredores, com 150 palmos de comprimento e 120 de largo, avaliado em 4:000$000; uma cerca murada, que parte com o convento, com o largo de São Francisco, com a Carreira dos Frades e com António José de São Paio, e que consta de terras de pão, hortas, oliveiras, videiras e árvores de fruto, com uma nascente de água, além da que vem de fora, e com uma pequena ermida chamada a Samaritana - avaliada em 400$000; uma casa pequena na rua do meio da Freguesia de São Salvador, que parte com Manuel Fernandes Montez, Francisco Nunes Mourão, e o quintal de Manuel Faustino. *4 - plantas deste período, mostram uma área regral retangular, em torno de claustro quadrado, evoluindo em dois pisos. No piso inferior, visível a marca da sacristia, que faz ligação com a igreja, e o enorme volume do refeitório, no lado oposto.

Autor e Data

Paula Figueiredo 2018 (no âmbito da parceria DGPC / Diocese da Guarda)

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login