Igreja Paroquial de São Simão de Azeitão / Igreja de São Simão

IPA.00004640
Portugal, Setúbal, Setúbal, União das freguesias de Azeitão (São Lourenço e São Simão)
 
Arquitectura religiosa, maneirista, barroca em estilo chão e vernacular. Igreja de trêrs naves, maneirista pelo prospecto arquitectónico singelo, tendência para a austeridade, alçados austeros, acidentes decorativos classicizantes nos portais, fachada flanqueada por duas torres (as 2 que possuiu) e delimitação por cunhais. Interiormente, mostra-se no desenvolvimento de tramos de arcarias sobre colunas toscanas, das igrejas construídas na segunda metade do século 16. Barroco que, para um exterior de grande simplicidade, mostra um interior com profusão decorativa de talha, azulejaria e pintura: azulejaria do último quartel do século 17, padrão de tapete, de colocação horizontal, com grande polifonia cromática, com predomínio de azuis e amarelos, integrando, em combinação com aqueles motivos, painéis figurativos e emblemáticos; também Barroco pela talha de estilo nacional, com colunas pseudo-salomónicas que envolvem a abertura do espaço central para trono, com a decoração que vincula o estilo. Azulejos semelhantes ãos da Igreja de Alvito.
Número IPA Antigo: PT031512060040
 
Registo visualizado 1765 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal, composta por templo com torre a S., sacristia e outros anexos; regular, coincidência exterior / interior. Volumes articulados, dispostos na horizontal. Cobertura diferenciada em telhado de 1 água nos corpos a N. e a S., de 2 águas no corpo do templo e de cúpula na torre. Fachada principal a E., embasamento, 3 panos definidos por pilastras, 2 registos no central; no 1º registo, portal com arco de volta plena assente em pilastras toscanas, definido por colunas embebidas, toscanas, sobre plinto alto e 2 degraus; 2 medalhões desornamentados nas enjuntas; frontão triangular assente em entablamento; no 2º registo, janela gradeada e pequeno postigo; remate em empena angular, cornija de coroamento e beiral; pano à direita com janela moldurada com cornija; remate em cornija e beiral sanqueado; panos respeitantes à torre: 2 registos marcados por friso, com 2 mostradores de relógio, campanário de 4 arcos de volta plena, rematado por 4 fogaréus e cúpula esferóide. Fachada S. delimitada por cunhais, de 3 panos: o pano da torre; outro pano de 2 registos com portal de cornija, arco de volta plena e pedra de fecho, sobre pilastras toscanas, com 2 medalhões desornamentados nas enjuntas; sobreposição de janela moldurada, de corte bizelado e 2 janelas no 2º registo; remata em beiral; o 3º pano, de anexo, com 1 registo onde se abrem porta e janela molduradas, rematado por cornija e beiral, adossado à fachada S. do templo que comporta janela horizontal moldurada. Fachada O. com fresta e remate em empena angular. Fachada N. de 1 pano, 2 registos: no 1º, janela e porta e no 2º, duas janelas. Exterior / interior diferenciado. INTERIOR: de 3 naves, iluminadas por 1 das 2 janelas na ilharga direita, 3 janelas na ilharga esquerda e pela janela sobre o portal. A entrada, à direita, o baptistério com pia baptismal; de cada lado do portal 1 pia de água benta sobre pilares e pedestal. Corpo do templo com 2 naves laterais formadas por 5 arcos de volta plena assentes em colunas toscanas, abóbadas aresta, com pinturas murais; 2 altares colaterais de sarcófago, com retábulos de talha dourada; paralelos às naves, 3 altares abobadados, com arcos assentes em colunas dóricas. Paredes inteiramente forradas de silhares de azulejos policromos, de diversos padrões tipo tapete, com pequenos painéis figurativos. Capela-mor separada da nave por teia leve e 3 degraus; cabeceira com altar-mor de mesa, retábulo em talha dourada, tribuna profunda e trono; à direita, porta conduz à sacristia e uma oposta, a um anexo.

Acessos

Vila Fresca de Azeitão; Rua da Sociedade Filarmónica Providência

Protecção

Enquadramento

Urbano, em meia encosta, isolado, com topo de muro encostado a N., com adro elevado e murado numa das ilhargas, cujo acesso se faz a N. e a S. por escadarias; separado da via pública por passeio rusticado, estreito, e junto a estrada e terreno arborizado. Adossado a N. um muro com portal de acesso a terreno adjacente.

Descrição Complementar

Pavimento em tijoleira e lajes. Tecto em madeira pintada, perfil trapezoidal, em caixotões. Painéis de azulejos figurativos com cercadura, policromos (azul e amarelo sobre branco): quadros individualizados, com figuração hagiográfica e alegórica, e simbologia crista (alusão às 3 irmandades que vigoram no templo *1), integrados em padrões diversificados de tipo tapete, de idêntica cromática, que forram integralmente o templo. Imaginária do altares: nos dois altares colaterais - à direita uma imagem de São Simão, à esquerda uma imagem de Nossa Senhora da Saúde; nos 3 altares paralelos à nave - na ilharga esquerda, o altar do Espírito Santo ou das Almas com a imagem de São Miguel e o altar de Santo António com a imagem de São João Baptista; na ilharga direita, um altar com a imagem de Cristo Crucificado, de vocação ao Senhor Jesus dos Esquecidos.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Setúbal)

Afectação

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1516 - referenciada numa visitação da Ordem de Santiago, a que a igreja pertenceu, junto à Quinta da Bacalhoa, a existência de uma capela muito antiga dedicada ao apóstolo São Simão, seria o primitivo templo; 1569 - Afonso de Albuquerque oferecia para a capela uma imagem de Nossa Senhora da Saúde; 1570, Julho - Afonso de Albuquerque, filho, obrigou-se por escritura à construção de uma igreja para se fundar a nova freguesia de São Simão, diferenciando-a da de Santiago; 1570, Agosto - escritura de obrigação dos fregueses da Igreja de São Simão; 1570, Setembro - Carta de Licença para se fazer a Igreja de São Simão, e compromisso dos fregueses dela de a fazer, ornamentar à sua custa e de assumindo o sustento do capelão; 1580 - quando Afonso de Albuquerque faleceu, já se celebravam ofícios religiosos na igreja; séc. 16 - época das imagens de Nossa Senhora da Saúde oferecida por Afonso de Albuquerque, quando da construção da igreja, a do orago e a de São João Baptista em grande vulto, de barro colorido; 1648 - data aposta no painéis figurativos de azulejos da nave que representa São João Baptista; 1720 - visitação à igreja, em nome do Bispo de Lisboa, devido à necessidade de reparações; 1729 - notícia de não estarem ainda, realizadas as obras devidas ao morgadio da Bacalhoa; 1755 -o terramoto faz derrubar 2 torres, tendo ficado as outras duas gravemente arruinadas; uma das torres era de relógio e outra de sinos; 1757 - já se tinha procedido às reparações necessárias, exceptuando uma das torre que de todo estava arruinada, tendo o administrador do morgadio mandado levantar a que hoje existe; 1958 - foram feitas obras importantes na igreja: escoras de arcos e colunas (pelo pároco Agostinho Gomes); 1969 - estragos provocados pelo sismo.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Alvenaria rebocada, cantaria de calcário e brecha da Arrábida, azulejos, frescos, madeira pintada, tijoleira, telhas.

Bibliografia

CLARO, Rogério Peres, Setúbal no século XVIII, Setúbal, 1957; DUARTE, Ana, Igrejas e Capelas da Costa Azul, Setúbal, s.d.; PIMENTEL, José Cortez, Arrábida, História de uma Região Privilegiada, s.l., 1992; SOUSA, Manuel Frango de, Fundação da Paróquia de S. Simão de Azeitão, em 1570, Azeitão, 1992.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Paróquia de São Lourenço - Caderneta predial; IANTT, Reservados, Ordem de Santiago (docs. com processo relativo à edificação da igreja); BNL, Memórias Históricas de Azeitão, cod. n.º 208, Fls. 63-68 v.º, s.d..

Intervenção Realizada

Proprietário: 1948 - obras gerais; 1960 - obras gerais; DGEMN: 1960 - trabalhos de consolidação dos danos causados pelo sismo.

Observações

* 1 - Dominam três irmandades: a do Santíssimo, a de São João Baptista e a das Almas que se vêm retratadas nos painéis figurativos.

Autor e Data

Albertina Belo 1998

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login