Igreja Paroquial da Conceição de Faro / Igreja de Nossa Senhora da Conceição

IPA.00004502
Portugal, Faro, Faro, União das freguesias de Conceição e Estoi
 
Arquitectura religiosa manuelina, tardo-renascentista e oitocentista. Igreja paroquial de planta longitudinal, com nave única e capela-mor com arco triunfal e cobertura manuelina em abóbada polinervada estrelada sobre mísulas; portal tardo-renascentista; fachada principal e torre campanário neoclássica. Sobriedade arquitectónica a contrastar com a decoração do arco triunfal e cobertura da capela-mor em abóbada estrelada.
Número IPA Antigo: PT050805010048
 
Registo visualizado 141 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal, composta por nave única e capela-mor rectangulares, sacristia adossada a S., rectangular, torre campanário e dependências de apoio, também rectangulares, adossadas a N.. Volumes articulados de massa horizontalizante, da qual apenas se eleva um pouco o campanário. Coberturas diferenciadas em telhados de duas águas sobre o corpo da igreja e a ábside, de uma água sobre a Sacristia e de açoteia sobre as dependências. Fachada principal orientada, delimitada por cunhais de massa rematados por pequenos pináculos piramidais; ao centro abre-se portal de verga recta emoldurado por pilastras finas rematadas por pequenos fogaréus embebidos, encimado por janelão rectangular provido de arquitrave diminuta e cornija; remate em frontão triangular centrado por óculo cego e finalizado em cruz latina florenciada de pedra. Adossado a N. campanário delimitado por cunhais de massa rematados por pináculos piramidais, aberto no primeiro registo por uma pequena janela rectangular emoldurada e superiormente por duas sineiras em arco pleno; o remate é em frontão triangular finalizado em cruz de pedra no remate. Fachada S.: pano da nave aberto por porta rectangular e rematado em beiral simples sobre cornija e corpo da Sacritia provido de uma pequena janela quadrangular, igualmente rematado por beiral. Fachada N. marcada por porta rectangular rematada por cornija e dois pequenos vãos quadrangulares, sendo rematada por platibanda à face da caixa-murária. Fachada posterior cega, rematada em empena angular. Interior: nave única com parede revestida no terço inferior por silhar de azulejos de padrão, azuis e brancos; cobertura tripartida de betão, imitando o perfil de um tecto de masseira; arco triunfal pleno de cantaria, de duas arquivoltas apoiadas em colunas de capitéis vegetalistas, decorado com motivos helicoidais e grutescos; capela-mor revestida com silhar de azulejos idênticos aos da nave; parede de topo preenchida com retábulo pintado de azul e branco e decorado com motivos vegetalistas de talha dourada; cobertura em abóbada polinervada estrelada com bocetes vegetalistas, apoiada em mísulas.

Acessos

Largo da Igreja; Rua Vinte e Cinco de Abril.

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público / ZEP, Portaria n.º 211/2013, DR, 2.ª série, n.º 71 de 11 abril 2013

Enquadramento

Urbano, isolado. Ergue-se no centro da aldeia, junto à estrada principal que liga esta localidade à sede do Concelho.

Descrição Complementar

MANUELINO: O arco triunfal, pleno, possui duas arquivoltas que prolongam as colunas em que se apoiam, encimadas por capiteís vegetalistas; a decoração é em toros torsos de movimentos alternados, a arquivolta externa com bandas côncavas e a interna convexas, sendo o intercolúnio preenchido com motivos florais e grutescos, onde avultam urnas e animais fantásticos. A cobertura da capela-mor é em abóbada polinervada estrelada, de intradorso planificado no centro, onde cruzam as nervuras principais, os liernes e os terceletes, unidos por bocetes vegetalistas; o apoio é feito em mísulas vegetalistas.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Algarve)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Séc. 16, 2º decénio - construção da capela-mor; séc. 16, 6º decénio - construção do portal principal; séc. 19, início - reconstrução da fachada principal e da torre campanário; séc. 20, meados - construção da cobertura de betão da nave e colocação de silhar de azulejos industriais no interior do templo; 2002, 17 setembro - Proposta de classificação pela FAARON; 2003, 10 fevereiro - Proposta do IPPAR/DRFaro de abertura processo de classificação do portal renascentista da fachada principal e dos elementos manuelinos da capela-mor (arco triunfal e abóbada); 2003, 18 fevereiro - Despacho de abertura do processo de classificação pelo Vice-Presidente do IPPAR; 2006, 28 junho - Proposta do IIPAR/DRFaro para a classificação dos elementos indicados como IIP - Imóvel de Interesse Público e de ZEP; 2006, 20 dezembro - Parecer do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação de todo o imóvel como IIP e favorável à ZEP; 2007, 02 março - Proposta de alteração da ZEP pela CM de Faro; 2011, 31 maio - Parecer da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor que se mantenha a ZEP anteriormente proposta; 2012, 19 outubro - Anúncio n.º 13602/2012 publicado no DR, 2.ª série, n.º 203, de projeto de decisão de classificação como MIP e fixação de ZEP.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante.

Materiais

Alvenaria mista rebocada e pintada, cantarias nas molduras de portas, janelas, arco triunfal e abóbada, madeira, azulejos, betão, telhas de canudo.

Bibliografia

LAMEIRA, Francisco Ildefonso C., Faro-Edificações Notáveis, Faro, 1995; Idem, Inventário Artístico do Algarve A Talha e a Imaginária - Concelho de Faro, XII - 1ª Parte, Faro, 1994; ROSA, J. A. Pinheiro e, Monumentos e Edifícios Notáveis do Concelho de Faro, Faro, 1990; Vesytação da Vylla de Farão de 1534 in Anais do Município de Faro, 1994; Visitação de Igrejas Algarvias da Ordem Militar de São Tiago de 1554, Faro, 1988.

Documentação Gráfica

CMF

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Francisco Lameira 1996 / Lina Oliveira 2007

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login