Igreja Paroquial de Santa Bárbara de Nexe / Igreja de Santa Bárbara

IPA.00004495
Portugal, Faro, Faro, Santa Bárbara de Nexe
 
Arquitectura religiosa, manuelina, barroca e neoclássica. Igreja paroquial de planta longitudinal e três naves quase à mesma altura, unificadas pela caixa murária e cobertura exterior, revelando a espacialidade manuelina e conservando, da mesma época, a estrutura e a abóbada polinervada de combados na capela-mor, mas com grandes modificações a nível exterior de carácter setecentista e oitocentista, patentes no portal, empena e cobertura exterior da torre sineira, e interior, já mais recentes. Abóbada polinervada estrelada de combados de grande qualidade plástica e estrutural. Silhares laterais e envolvimento do arco triunfal com azulejos de padrão, dos finais do séc. 17, tendo inserido neste último um painel com registo alusivo ao orago. Retábulos de talha dourada de estilo barroco e alguns de estilo rococó.
Número IPA Antigo: PT050805030051
 
Registo visualizado 540 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal, composta por dois rectangulos justapostos, o do corpo da igreja com três naves de cinco tramos, e o da capela-mor de dois tramos; torre sineira e Sacristia quadrangulares adossadas a S. e dependências anexas a N., rectangulares. Massa de dominante horizontal, de que sobressai a torre sineira, de volumes escalonados. Coberturas diferenciadas em telhados de duas águas sobre o corpo da igreja (com marcação dos tramos), ábside e Sacristia, a quatro águas sobre uma das capelas laterais e a uma água sobre as restantes, e domo sobre a torre sineira. Fachada principal orientada, delimitada por cunhais parcialmente pintados, tendo sobre o de N. uma estátua cerâmica de figura feminina, ao centro abre-se portal de verga recta com moldura inferiormente decorada com volutas invertidas e encimado por frontão triangular com uma roseta no tímpano, prolongado por duas faixas pétreas onde se apoia uma janela de moldura rectangular também provida de frontão triangular e de pequenas volutas na base; remate em empena de segmentos curvos finalizada por cruz de ferro. Torre sineira aberta por pequenas frestas e janelas nas três faces e com uma porta rectangular a E.; o registo superior é marcado por uma cornija, possuindo 4 sineiras em arco pleno sob as quais existem relógios; sobre os cunhais e o domo erguem-se pequenos pináculos. Fachada S. com porta e janela sobre a mesma, ambas emoldurados de verga recta e separadas por cornija; remate em beiral simples. O corpo da Sacristia tem uma janela arquitravada de verga recta e uma cruz pétrea de via sacra. Fachada E.: corpo da capela-mor cego, com contrafortes de cantaria e rematado em empena curva, sendo lateralmente em beiral. INTERIOR: as três naves, de altimetrias pouco diferenciadas, são separadas por arcos quebradas sobre colunas lisas com capitéis tronco-piramidais invertidos; a O. coro-alto; as paredes laterais são revestidas com silhar baixo de azulejos de padrão azuis e amarelos; do lado do Evangelho capela baptismal e três capelas laterais com retábulos de talha dourada; nas paredes testeiras das naves laterais, retábulo de talha no lado da Epístola e com grupo escultórico no lado do Evangelho. Cobertura em betão com perfil de uma abóbada em arco de asa de cesto com marcação de pseudo arcos torais com o mesmo perfil. Arco triunfal quebrado com o extradorso prolongado em conopial diminuto, apoiado em finos colunelos entre os quais corre faixa decorada com motivos vegetalistas; o arco é sendo envolvido por revestimento de azulejos de padrão azuis e amarelos a envolver painel figurativo no topo, representando a coroação de Santa Bárbara. Capela-mor de dois tramos parcialmente revestida com silhar de azulejos de padrão, tendo na parede de fundo retábulo de talha dourada com colunas salomónicas a ladear a tribuna e dois nichos; cobertura em abóbada polinervada estrelada com combados, no primeiro tramo, apoiada em mísulas vegetalistas e em colunelos, na passagem para o segundo tramo.

Acessos

Largo do Rossio, Largo Alves da Costa e Rua de Loulé

Protecção

Em vias de classificação

Enquadramento

Urbano, com edifício de piso térreo adossado a N.. Ergue-se no centro da aldeia, junto à estrada principal que liga esta localidade à sede do Concelho. Circundada por arruamentos e provida de adro em plano elevado, irregular, murado, com duas escadarias, a O. e S..

Descrição Complementar

MANUELINO: O primeiro tramo da capela-mor tem cobertura em abóbada polinervada com combados de intradorso planificado, possuindo um aranhiço composto por nervuras rectilíneas (principais, liernes e terceletes) e curvas (combados), compondo uma estrela complexa entrelaçada pelas nervuras contracurvadas que formam um desenho dinâmico e concorrem para mais eficaz distribuição do peso e diminuição da superfície dos interstícios.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Algarve)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 15 / 16 / 18 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1444 - o concelho de Faro solicita a D. Afonso V um subsídio para levantar uns alpendres em redor da ermida; 1518 - os visitadores da Ordem Militar de São Tiago dizem que a ermida tem três naves; 1534 - construção da capela-mor; 1702 - colocação dos azulejos de padrão no arco triunfal; 1733 - construção do retábulo da capela-mor; 1805 - reconstrução do portal S.; 1891 - reconstrução da torre sineira; 1893 - reconstrução da fachada principal; 2002, 15 de maio - Despacho de abertura do processo de classificação pelo Vice-Presidente do IPPAR; 2008, 04 de janeiro - proposta de ZEP pela DRCAlgarve; 2008, 06 de fevereiro - Parecer do Conselho Consultivo do IGESPAR propondo a classificação como IIP - Imóvel de Interesse Público e favorável à ZEP; 2009, 23 outubro - o processo de classificação caduca nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, n. 206, publicado nesta data; 2014, 03 março - Proposta da DRCAlgarve para abertura de novo procedimento de classificação; 2014, 18 março - Parecer da DGPCfavorável à classificação; 2014, 25 março - Despacho do Secretário de Estado da Cultura a aprovar a abertura de novo procedimento de classificação; 2014, 09 maio - publicado no DR, 2.ª série, n.º 89, o Anúncio n.º 110/2014 relativo à abertura de novo procedimento de classificação.

Dados Técnicos

Estrutura mista (naves) e autoportante (capela-mor).

Materiais

Alvenaria mista rebocada e pintada, cantaria, azulejos, talha, betão, telhas de canudo.

Bibliografia

LAMEIRA, Francisco I. C., Faro-Edificações Notáveis, Faro, 1995; IDEM, A Igreja Matriz de Santa Bárbara de Nexe, Faro, 1992; IDEM, Inventário Artístico do Algarve A Talha e a Imaginária - Concelho de Faro, 12 - 1ª Parte, Faro, 1994; PINTO, Maria M., Santa Bárbara de Nexe in Anais do Município de Faro, 1992; IDEM, Santa Bárbara de Nexe - Estudo Monográfico, 1987; ROSA, J. A. Pinheiro e, Monumentos e Edifícios Notáveis do Concelho de Faro, Faro, 1990; IDEM, Tesouros Artísticos do Algarve, Faro, 1990; Vesytação da Vylla de Farão de 1534 in Anais do Município de Faro, 1994; Visitação de Igrejas Algarvias da Ordem Militar de São Tiago de 1554, Faro, 1988.

Documentação Gráfica

CMF

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1930 - reconstrução das abóbadas da nave em cimento armado; 1941 - pavimentação da capela-mor com mármore; 1956 - pavimentação das capelas laterais com mármore.

Observações

Autor e Data

Francisco Lameira 1996 / Lina Oliveira 2007

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login