Ponte Romana de Estorãos

IPA.00000447
Portugal, Viana do Castelo, Ponte de Lima, Estorãos
 
Arquitectura de comunicações e transportes, romana. Ponte de arco com tabuleiro assente em três arcos de volta perfeita, as aduelas geometricamente iguais e regularidade do aparelho. Os talhamares foram colocados posteriormente, uma vez que apenas encostam aos pegões, tal como muitas outras pedras, e a parte superior sobre os arcos é mais recente. Os parapeitos, de construção bastante recente, foram colocados sensivelmente mais adentro em relação à largura do tabuleiro. É interessante a presença de 2 símbolos cristãos, de devoção popular, numa nítida tentativa de cristianizar a ponte, uma obra pagã. Na "alminha", o retábulo azulejar das Almas do Purgatório anichado é bastante curioso e, segundo Rosa José Araújo, só encontra paralelo, na zona da Ribeira Lima, com um outro da freguesia de São João da Ribeira.
Número IPA Antigo: PT011607170027
 
Registo visualizado 2289 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Transportes  Ponte / Viaduto  Ponte pedonal / rodoviária  Tipo arco

Descrição

Ponte lançada sobre rio com tabuleiro formando cavalete e extremidades rampeadas; assenta em 3 arcos de volta perfeita desiguais, sendo maior o central, com talhamares virados a montante e um olhal já debaixo da rampa de acesso do lado poente. Pavimento de paralelipípedos protegido por parapeito ou guardas que, a meio do lado montante, tem exteriormente cruzeiro, sobre peanha, de coluna jónica e cruz latina de braços rectangulares. Medidas (segundo Maria de Fátima da Silva Melo): 40,20 m. comp. x 3 m. larg. x 6,30 m. abertura do arco central x 4,70 m. altura do mesmo.

Acessos

Estorãos, EN. 525. WGS84 (graus decimais) lat.: 41,785894; long.: -8,644749

Protecção

Categoria: IM - Interesse Municipal, Decreto nº 129/77, DR, 1.ª série, n.º 226 de 29 setembro 1977

Enquadramento

Rural, implantação harmónica. Apesar de existirem nas proximidades algumas construções, ergue-se num ambiente rural de rara beleza, tendo junto à rampa de acesso a jusante uma azenha de planta rectangular e do outro lado do rio, a montante, uma "alminha" de curiosa arquitectura.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes: ponte

Utilização Actual

Transportes: ponte

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 01 / 02 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 01 / 02 - Época provável da sua construção visto estar ligada à via romana iniciada pelo Imperador Augusto; 1942 - a ruína do pavimento não permitia o trânsito de veículos; 1962 - camioneta de carga transportando grande carregamento de mato derrubou o cruzeiro.

Dados Técnicos

Estrutura mista.

Materiais

Granito com aparelho "quadratum". Pavimento de paralelipípedos.

Bibliografia

s.a., A Ponte Romana de Estorãos in Jornal de Notícias, 18 Novembro 1949; ARAÚJO, José Rosa, Caminhos Velhos e Pontes de Viana e Ponte de Lima, Viana do Castelo, 1962; s.a., Uma Camioneta derrubou o cruzeiro da ponte romana de Estorãos in Jornal de Notícias, 3 Mar. 1962; MELO, Maria de Fátima da Silva, Arqueologia do Concelho de Ponte de Lima, (Dissertação de Licenciatura em História), s. l., 1967; Pontes Romanas de Portugal, [dir. Paulo Mendes Pinto], Lisboa, 1998.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

1949 - Obras de reparação pela Câmara Municipal de Ponte de Lima que retirou do rio as "anteparas" caídas e construiu outras; beneficiação dos quebra-mares; transferência do cruzeiro para o centro da ponte, no lado N.; pavimentação do tabuleiro; reconstrução das varandas e enchimento das juntas a cimento.

Observações

Considerada medieval por José Rosa Araújo que, contudo, reconhece a necessidade de um estudo mais profundo para confirmar a sua opinião, a ponte de Estorãos foi considerada romana por Maria de Fátima da Silva Melo, depois de efectuar um exame atento. De facto, esta parece ser a opinião mais correcta, não só devido ao enquadramento histórico, visto que por ela passa a via romana ou a chamada "estrada velha" mandada construir pelo Imperador Augusto, como também à análise material, onde notamos algumas características das pontes romanas.

Autor e Data

Paula Noé 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login