Igreja Paroquial de São Mamede / Igreja de São Mamede

IPA.00004371
Portugal, Évora, Évora, União das freguesias de Évora (São Mamede, Sé, São Pedro e Santo Antão)
 
Arquitectura religiosa renascentista, barroca. Igreja paroquial de planta longitudinal com duas capelas laterais sugerindo transepto e exonártex quinhentista parcialmente revestido de mármore, com acesso principal por arco de volta perfeita sobreposto de frontão curvo (interrompido pelo janelão axial do coro-alto) numa composição arquitectónica que se repete, ainda que diferentemente, no alçado principal da nave, também ele parcialmente revestido de mármore, com acesso por pórtico recto sobreposto de frontão triangular inseridos em arco de volta perfeita; ladeando o pórtico dois vaõs rectos. Nave com cobertura em abóbada polinervada, concebida dentro do sistema tradicional da arte gótica, mas acusando nítidas manifestações renascentistas; capela baptismal forrada de azulejos seiscentistas; quatro capelas laterais do período quinhentista; capela-mor com retábulo do século 17. Na decoração e de um modo geral verifica-se um nítido sentido barroco patente a nível da azulejaria. A harmonia da composição arquitectónica da fachada principal; a intensa carga decorativa da abóbada da nave; a elegância do retábulo-mor. o conjunto azulejar da Sala da Confraria do Santíssimo Sacramento, da autoria de Gabriel del Barco
Número IPA Antigo: PT040705070101
 
Registo visualizado 1136 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal composta por exonártex, nave de planta rectangular, torre sineira a NO. comungando com a capela baptismal de planta rectangular, duas capelas laterais de diferentes dimensões de planta rectangular, e duas capelas de planta quadrangular sugerindo transepto, capela-mor profunda adossando sacristia a NO., ambas de planta rectangular, sala de escritório com arrumos a NO, escadas de acesso ao coro-alto e à torre sineira a SE, escadas e sala de acesso à tribuna adossadas à capela-mor a NE. Volumes articulados, massas dispostas na horizontal. Cobertura diferenciada em telhado de duas águas na exonártex, nave, capela-mor e sala de acesso à tribuna, de quatro águas na última capela lateral a NO., e de uma água nos corpos das restantes capelas e dependências anexas, torre com cobertura em coruchéu cónico rematado por cata-vento. Fachada principal a SO., exonártex com cobertura em abóbada de aresta disposta em três tramos sobre pavimento de mármore, de pano único delimitado por cunhais em mármore e dupla empena; ocupando toda a largura e metade da altura da fachada, composição arquitectónica de mármore branco e negro, definida por pilastras, constituída por arco axial de volta perfeita, flanqueado por dois vãos rectangulares encimados por molduras quadrangulares; entablamento envolvente, interrompido pelos cunhais, a que se sobrepõe ao centro frontão curvo interrompido por janela axial rectangular gradeada; grande frontão rasgado no tímpano por óculo axial reentrante, com entablamento e empena em mármore; segunda empena rematada por cruz e pináculos nos acrotérios. De cada lado do exonártex, rasga-se inferiormente arco de volta perfeita sobre pilastras com entablamento em mármore, e superiormente janela idêntica à da fachada principal também sobreposta por entablamento em mármore, remate em beirado. No alçado principal, também em mármore, rasga-se o pórtico axial, em madeira, de formato rectangular, encimado por frontão, com friso simples, inscrito num arco de volta perfeita, que ocupa o vão definido pela abóbada, descarregando sobre pilastras; o portal é flanqueado por duas outras portas rectangulares, de dimensão inferior, formando conjunto arquitectónico tripartido que joga com o pano do exonártex. Fachadas laterais de dois corpos correspondentes à nave e à cabeceira; o da nave constituído por três panos definidos por contrafortes e tendo adossados os corpos das capelas e dependências laterais de diferentes alturas; o da cabeceira constituído pela capela-mor de pano único, com cunhais em granito, tendo adossada a sacristia; fachadas de alvenaria rebocada, com embasamento pintado, e remates em beirado. Fachada lateral NO. embebendo o corpo da torre sineira que apresenta fachadas de pano único definidos por cunhais pintados, rematados por pináculos, com cornija moldurada, sineiras de volta perfeita às quais se sobrepõem pequenas janelas rectangulares, exceptuando a fachada a SO. que apresenta pequena fresta rectangular, que ilumina a capela baptismal, janela em meia-laranja e mostrador do relógio em mármore; ocupando o primeiro pano da nave e adossado à torre sineira, corpo de acesso à mesma rasgado a NO. por janela rectangular gradeada com moldura pintada; pano central adossando corpo da capela lateral, de dois panos definidos por contrafortes, cada um rasgado por janela rectangular gradeada com molduras pétreas; terceiro pano adossando corpo da última capela lateral com janela rectangular axial, gradeada, com moldura pintada; corpo da capela-mor adossando parcialmente a sacristia rasgada por duas janelas rectangulares gradeadas, em capialço, com molduras pétreas. Fachada lateral SE. anexando ao primeiro pano da nave o corpo da dependência das escadas de acesso ao coro, rasgado por pequena janela rectangular gradeada, em capialço, que se encontra à esquerda da linha axial do corpo; primeira capela lateral de dois panos definidos por contrafortes com gárgulas em granito, o primeiro pano é rasgado por janela rectangular cega de moldura pétrea, o segundo pano é liso; segunda capela lateral com janela axial, quadrangular, gradeada e em capialço; corpo da capela-mor rasgado por duas janelas rectangulares, gradeadas, sendo que a primeira está inscrita numa reentrância em forma de arco de volta perfeita. Fachada Posterior a NE., constituída pelo alçado posterior da capela-mor adossando corpo da sala de acesso à tribuna, em alvenaria rebocada rematada em beirado. INTERIOR: nave de três tramos, com pavimento em madeira e cobertura em abóbada polinervada, de perfil em arco de volta perfeita, com nervuras descarregando sobre mísulas, cobertura intensamente decorada de pinturas murais exibindo brutescos; alçados revestidos de azulejos policromos até ao nível da sanca envolvente, donde arrancam as nervuras da abóbada. Alçado SO ocupado inferiormente por guarda-vento, em madeira trabalhada, flanqueado por duas portas, e absorvido superiormente por coro-alto suportado pela cobertura do exonártex, abrindo para a nave em arco abatido de três pontos, com revestimento de azulejos e balaustrada de mármore. Na nave, o lado do Evangelho dá acesso às seguintes capelas: no primeiro tramo, capela baptismal antecedida por grade de madeira, com cobertura em cúpula assente sobre trompas, pavimento de tijoleira, silhar de azulejos policromos até cerca de um terço da altura dos alçados, janela rectangular, quadro figurativo do baptismo de Cristo, e pia baptismal em mármore; no segundo tramo, a capela sede da Confraria do Santíssimo Sacramento, com cobertura em abóbada de berço revestida de pinturas murais, pavimento em madeira, alçados revestidos de azulejos com decoração azul até à cornija, duas janelas rectangulares, móvel de madeira ocupando todo o alçado da parede fundeira, com portas almofadadas e ferragens, ostentando nicho com figura de devoção; no terceiro tramo, capela antecedida por arco de volta perfeita com decoração em estuque, cobertura em cúpula, pavimento em tacos de madeira, alçados revestidos a azulejaria idêntica à da nave, janela rectangular, altar em mármore com figura de devoção, brasão dos fundadores na chave da cúpula, e inscrição no alçado. O lado da Epístola dá acesso às seguintes capelas: no segundo tramo, capela com cobertura em abóbada de berço e pavimento em tacos de madeira, de alçados caiados, com retábulo de madeira pintada, inscrição num dos alçados e escada de acesso ao púlpito; no terceiro tramo, capela antecedida por arco de volta perfeita com decoração em estuque, cobertura em cúpula, pavimento em tacos de madeira, alçados revestidos a azulejaria idêntica à da nave, janela quadrangular, altar em mármore com figura de devoção. Capela-mor abrindo para a nave através de arco triunfal de volta perfeita, com decoração em estuque, cobertura em abóbada de canhão sobre sanca, pavimento de mosaicos imitando mármore, alçados com silhar de azulejos polícromos, que ocupam cerca de um terço da sua altura total, duas janelas rectangulares, retábulo e altar em mármores brancos, róseos e negros decorados a oiro fino, planta retabular recta, de estrutura tripartida, sotabanco sólido com consolas, banco marcado por plintos que sustentam as colunas de fuste liso que dividem os eixos verticais do retábulo, ático com frontão contracurvado rematado por fogaréus, tribuna central com trono escalonado, eixos laterais reduzidos com mísulas. Sacristia com cobertura em abóbada de berço e pavimento de madeira, alçados caiados e rematados por cornija, rasgados por duas janelas rectangulares, com fonte em mármore de duas bicas. Sala de escritório com arrumos no primeiro tramo da nave do lado do Evangelho; escadas de acesso ao coro-alto e à torre sineira no primeiro tramo da nave do lado da Epístola; escadas e sala de acesso à tribuna no lado do Evangelho da capela-mor.

Acessos

Largo Dr. Evaristo Cutileiro

Protecção

Incluído no Centro Histórico da cidade de Évora (v. PT040705050070)

Enquadramento

Urbano, no centro histórico da cidade, contíguo ao antigo Convento de Santa Mónica (v. PT040705070092). Jardim junto à fachada lateral SE. e quintal na fachada posterior. Fachada principal antecedida por escadaria desnivelada, seguindo a conformação do terreno onde se implanta. Fachadas laterais tendo como elemento separador passeio de calçada.

Descrição Complementar

No primeiro tramo da nave duas pias de água benta, uma de cada lado; no terceiro tramo do lado da Epístola púlpito de secção octogonal, em mármores coloridos, com incrustações, rematado por motivo cruciforme; nos ângulos comuns aos corpos da nave e capela-mor rasgam-se duas caixas de confessionário em alvenaria forradas de azulejaria. Azulejos da segunda capela adossada à nave com cenas historiadas da parábola do Novo Testamento e albarradas. Confraria do Santíssimo Sacramento: os painéis azulejares figuram "Moisés fazendo brotar água da rocha", "a Serpente de bronze", "a Fé", "a Esperança", "a Caridade", "o Filho Pródigo", "o Santíssimo Sacramento" e "o Regresso do Filho Pródigo" possuindo este painel a legenda "Gabriel barco fez / na era de 1699 (?)"; os painéis possuem barra com motivo de colunas de espiras, enrolamentos vegetalistas; nos registos horizontais enrolamentos de acantos centrados por cartelas ovaladas.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Évora)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 14 / 16 / 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Gabriel del Barco, decoração mural (conjectural)

Cronologia

1302 - já existia a igreja paroquial (pelo que a sua construção terá ocorrido nos séculos 13 e 14); Séc. 16 - a igreja sofre profunda transformação arquitectónica ao nível da nave, capelas laterais, complemento do coro e pórtico; conclusão da abóbada da nave 1546 - é fundada a Capela da Piedade por Gaspar Sequeira e Catarina Borges de Macedo; 1564 - é instituída a Capela da Sede da Confraria do Santíssimo Sacramento; 1699 - data provável de execução dos azulejos por Gabriel del Barco; Séc. 17 - altar-mor, decoração mural da abóbada da nave e coro, construção da sacristia e púlpito; Séc. 18, 2º quartel - reforma da capela-mor; 2006, 21 julho - Proposta de classificação por parte de particular; 2008, 28 novembro - Despacho de encerramento da classificação pelo Diretor do IGESPAR, por o imóvel se encontrar abrangido em conjunto protegido, na Lista do Património Mundial.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Fachada principal e escadaria em mármores regionais; fachadas laterais e posterior em alvenaria; telha romana e de canudo; gárgulas de granito; portadas de acesso ao templo em madeira brasileira; mísulas de pedra; revestimento de azulejo; cunhais de granito emparelhado; altar da capela-mor em mármores brancos, róseos e negros; estuques trabalhados ao nível da decoração do arco triunfal e dos arcos de acesso às duas capelas laterais; teia de madeira de cedro.

Bibliografia

SIMÕES, J. M. dos Santos, "Alguns azulejos de Évora-Século XVIII" , A Cidade de Évora, nº 7 - 8, 1944, pp. 41 - 52; ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico de Portugal: Concelho de Évora, vol.1, Lisboa, Academia Nacional de Belas-Artes, 1966. ESPANCA, Túlio, Évora: Encontro com a cidade, Évora, Edição Câmara Municipal de Évora, 1988. REIS, Humberto, e, CHICÓ, Mário Tavares, A Arquitectura Religiosa do Alto Alentejo na Segunda Metade do Século XVI e nos Séculos XVII e XVIII, Colecção Presenças, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1983; MECO, José, "Gabriel del Barco" in Dicionário da Arte Barroca em Portugal, Lisboa, Presença, 1989, pp. 66-69.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; CME: DCHPC

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

Observações

*1 - provavelmente proveniente do extinto e demolido Convento de Santa Mónica.

Autor e Data

Paula Amendoeira 1998 / Sara Cruz 2005

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login