Solar de Água de Peixes / Paço de Águas de Peixe / Palácio dos Duques de Cadaval

IPA.00004335
Portugal, Beja, Alvito, Alvito
 
Casa nobre gótica, manuelina, maneirista, na qual os portais ogivais, assim como outros vestígios pontuais das campanhas quatrocentistas, atestam o perdurar do estilo do gótico tardio. A linguagem predominante no imóvel e que o caracteriza, porém, é a do manuelino, de marcada influência mudéjar, bem patente na planimetria, nas coberturas, pormenores decorativos e no sistema das fenestrações, com paralelos bem evidentes no Castelo de Alvito (v. PT040203010001), no Paço de D. Manuel, em Évora (v. PT040705210022) e no Solar da Sempre Noiva (v. PT040705020024). Da etapa maneirista são a varanda, com as suas portas de vergas rectas, e o tanque do pátio. Documenta a transição das formas estilísticas do gótico e do mudéjar para o manuelino no quadro da arquitectura civil meridional.
Número IPA Antigo: PT040203010032
 
Registo visualizado 3035 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  

Descrição

Planta quadrangular composta, na qual se inscreve o pátio central, também de planta quadrangular, envolvido por galerias, tendo no sector norte um pátio calcetado com um tanque. No ângulo sudoeste existe a capela. Cobertura diferenciada em telhados de quatro águas. Acesso ao pátio por arco ogival de cantaria, com obreiras chanfradas, encimado por brasão de armas dos duques de Cadaval em azulejo, e tendo no ângulo nordeste um relógio de sol quadrangular. À esquerda de quem entra, adossa-se a escada, de lanços em L, de acesso ao piso nobre. Alpendre assente em arco de volta perfeita, com cobertura com estrutura de madeira apoiada em três colunelos de cantaria e travejamento de três esteiras; portal em cantaria, de verga reta, emoldurado por arco polilobado, apoiado em mísulas e coroado, ao centro, pelas armas dos duques de Cadaval. Fachada principal orientada a nordeste, de um só pano, delimitado superiormente por cimalha e beirado, com dois pisos; ao nível do piso inferior, rasgam-se arco ogival com moldura de cantaria e três pequenos vãos engradados; ao nível do piso superior, rasgam-se sucessivamente, no canto noroeste, uma janela geminada em cantaria, com arcos de ferradura ultrapassados, assentes em colunelos, e grade em ferro; ajimez com arcos ultrapassados em tijoleira assentes em colunelos de cantaria; janela com duplo arco ultrapassado em tijoleira assente em colunelos de cantaria; e porta de acesso a varanda, com verga curva enquadrada por arco polilobado. Fachada lateral esquerda, tendo no piso inferior uma porta de verga ladeada por óculo, de acesso a corredor com abóbada de cruzaria de ogivas, sobre a qual se apoia a varanda com gradeamento em ferro. Abrem para a varanda duas portas com molduras de cantaria adintelada.

Acessos

Herdade de Água de Peixes, a 6 km.a nordeste de Alvito

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto n.º 5/2002, DR, 1.ª série, n.º 42 de 19 fevereiro 2002

Enquadramento

Rural, destaque, isolado, em planície, antecedido por vasto terreiro.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Residencial: casa

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 12 / 15 / 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 13 - a documentação refere no oocal a existência de uma quinta com pomar, vinha, azenha e casas de morada; Séc. 13 / 14 - pertencia a Vasco Martins de São Nicolau; posteriormente vendida por este a Judas Navarro; 1306 - Judas Navarro vende a quinta a D. Dinis; 1313 - D. Pedro Afonso, Conde de Barcelos e filho bastardo de D. Dinis, é possuidor das terras de Água de Peixes; 1315 - D. Dinis faz mercê da quinta a sua sobrinha D. Isabel, filha do Infante D. Afonso; 1363 - D. Pedro I doa a quinta a Vasco Martins Melo; séc. 15, finais - inícios da reconstrução; 1500 - a propriedade passa a domínio da família Cadaval, tendo passado por várias gerações; Séc. 16, inícios - empreitadas fundamentais de reconstrução após; séc. 16, meados - ampliação; séc. 17 - azulejos da frontaria, varanda, tanque; 2004, 08 dezembro - morre Maria do Carmo Villar de Figueiredo Cabral da Camara Emo Capodilista, viúva do Conde Enrico Emo Capo di Lista, proprietária da herdade que transita, por herança, para a posse das suas filhas.

Dados Técnicos

Estrutura mista

Materiais

Paredes de alvenaria de pedra e cal; arquivoltas dos ajimez de ladrilho.

Bibliografia

AAVV - Arquitectura Popular em Portugal. Lisboa: Sindicato Nacional dos Arquitectos, 1961; CARITA, Helder e CARDOSO, António Homem - Tratado da Grandeza dos Jardins em Portugal ou da Originalidade e Desaires desta Arte. Lisboa: Litografia Tejo, 1987; DIAS, Pedro - "Arquitectura Mudéjar Portuguesa: Tentativa de sistematização". Mare Liberum, dez. 1994, n.º 8: ESPANCA, Túlio - Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Beja. Lisboa: Academia Nacional de Belas-Artes, 1992, vol. 1; VALÉRIO, António João - Arte e História no Concelho de Alvito. Guia para uma Visita. Alvito: Câmara Municipal do Álvito, 1994.

Documentação Gráfica

Universidade de Évora

Documentação Fotográfica

DGPC: Arquivo do Forte de Sacavém/SIPA/ ex-DGEMN/DSID; Universidade de Évora

Documentação Administrativa

IRN: Conservatória do Registo Predial de Alvito

Intervenção Realizada

Propietários: Séc. 20 - obras de conservação e adaptação.

Observações

Incluído no Plano de Acção para as Terras da Baronia de Alvito, CMA, 1999.

Autor e Data

José Falcão e Ricardo Pereira 1996

Actualização

Paula Tereno 2019
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login