Palácio Anadia / Solar dos Pais de Amaral

IPA.00004231
Portugal, Viseu, Mangualde, União das freguesias de Mangualde, Mesquitela e Cunha Alta
 
Casa nobre rococó inspirado em modelos nasonianos, com fachadas equilibradas em composições simétricas. Molduras das portas e janelas decoradas de finas volutas, frisos curvilíneos e concheados, sob pequenos frontões arqueados; arcos rebaixados e em asa-de-cesto; óculos elípticos e tetralobados. Frontaria aparentada com a da Igreja da Misericórdia de Viseu (v. PT021823240042). Loggias de tipo romano da fachada S. e escadaria semelhante à da Igreja do Seminário Maior e da Ordem Terceira de São Francisco de Viseu (v. PT021823240033). Revestimentos azulejares setecentistas, do tipo historiado, representando cenas mitológicas e de caça. Capela de nave única, coberta por tecto de estuque, com retábulo possuindo pintura tardo-setecentista. A dupla escadaria semi-circular da fachada S. constitui uma originalidade característica de Mestre António Mendes Coutinho, de Lamego, discípulo de Nicolau Nasoni. Azulejos do Salão de Baile reproduzem gravuras francesas, de Oudry, datadas de 1730.
Número IPA Antigo: PT021806100007
 
Registo visualizado 557 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo planta quadrangular com pátio central

Descrição

Planta quadrangular, irregular, com corpos em ressalto nas fachadas S. e E. e capela de planta longitudinal, rectangular, com corpo lateral rectangular justaposto. Volumes articulados, horizontalistas. Coberturas diferenciadas, tendo, no volume do palácio, telhado de quatro águas, tendo, sobre a capela, um terraçoe, no corpo lateral, telhado de uma água. Fachada principal voltada a O. com embasamento pouco saliente, possuindo aberturas elípticas. De cinco panos, divididos por pilastras, e dois registos, tem, no pano central, portal em arco rebaixado com pedra de armas no fecho, ladeado de pilastras em oblíquo, molduradas e encimadas por volutas onde assenta um varandim curvilíneo de balcão rendilhado e porta de arco pleno decorada com volutas, rosetas e concha ao centro. Nos panos laterais, em cada registo, uma fila de três janelas de arco rebaixado e molduras decoradas inferior e superiormente com volutas e rematadas em leque conquiforme, no primeiro piso e concha ladeada de grinaldas sob pequeno frontão arqueado, no superior. Nos panos extremos, uma janela em cada piso, de arco rebaixado, com moldura inferiormente contracurvada no primeiro piso e de volutas no segundo, com remate de frontão em cortina sobre concha central. Remate em cornija. À esquerda, a frontaria da capela com portal emoldurado de arco rebaixado, com pedra de armas entre volutas e sob frontão arqueado e janela de arco pleno enquadrado em moldura rectangular. Remate em cornija e platibanda com motivos elípticos. Fachada S. de três panos delimitados por cunhais, tendo, o pano central recuado, rasgado por portas rectangulares no embasamento, com acesso por dupla escadaria semi-circular. Ao centro, dá acesso a átrio abobadado do primeiro piso, com duplo arco mainelado de asa-de-cesto, flanqueado por duas janelas de arco rebaixado decoradas inferiormente com volutas. Segundo piso com varanda balaustrada de quatro arcos de asa-de-cesto apoiadas em pilares. Panos laterais avançados, com embasamento e rasgados por óculo elíptico e porta rectangular. No primeiro e segundo pisos, janelas idênticas às dos panos extremos da frontaria. Fachada E. dividida em sete panos, sendo três muito avançados e estreitos, à semelhança de torres. No central, apenas uma janela rectangular, no primeiro piso. Nos laterais, óculos tetralobados no segundo e terceiro pisos, por meio de dois corpos mais baixos, oblíquos, com grandes arcos plenos no alto embasamento. Duas janelas rectangulares no primeiro piso e remate em terraço com balaustrada, sobre o qual se elevam dois panos recuados com duas portas rectangulares, encimadas por dois óculos tetralobados. Nos panos extremos, janelas fingidas em ambos os pisos, tendo, sobre a última, uma moldura tetralobada. Fachada N. com três panos divididos por pilastras providas de janela rectangular no primeiro piso. No pano central, triplo vão de arco pleno com escadaria na zona inferior, três janelas semelhantes às da frontaria no intermédio e, superiormente, três vãos de moldura curvilínea, sob a cornija. O pano lateral à esquerda é rasgado por três janelas de moldura rectangular sobrequatro vãos rectangulares, sendo os dois pisos superiores semelhantes aos descritos anteriormente. O pano lateral direita é, até ao segundo registo, ocupado pela capela, que possui apenas um estreito e curto corpo lateral a N., cego, e uma janela a E., na cabeceira. Os segundo e terceiro pisos são semelhantes aos demais. INTERIOR *1 com grande átrio abobadado, revestido por silhares de azulejos narrativos, azul e branco, com cenas mitológicas, ligadas e Acteon, e cercaduras recortadas superiormente. Um arco abatido dá passagem à escadaria, ao cimo da qual a porta de acesso aos salões também decorados de azulejos e pinturas murais e com tectos de madeira apainelados em várias dependências. Capela de nave única, com retábulo de talha dourada, possuindo uma tela pintada, em substituição da escultura de São Bernardo. Tecto decorado a estuque.

Acessos

Largo dos Condes de Anadia

Protecção

Categoria: CIP - Conjunto de Interesse Público / ZEP, Portaria n.º 23/2014, DR, 2ª série, n.º 7 de 10 janeiro 2014

Enquadramento

Urbano, em terreno em declive para N. e E., com a frontaria voltada para um largo arborizado, com arruamentos, fonte, algumas casas de habitação e o muro da mata do Palácio (v. PT021806100012). Em destaque, com capela privativa adossada a N. e muro do pátio de serviço a S..

Descrição Complementar

No átrio abobadado do primeiro registo da fachada S. abrem-se duas portas de molduras curvilíneas flanqueadas por painéis de azulejos, recortados superiormente. A varanda do segundo registo possui seis portas intercaladas de pinturas murais. Os painéis de azulejo do átrio de entrada representam Diana no banho; Acteon metamorfoseado em veado; cenas de caça ao veado e ao javali. Os azulejos da Sala Nobre figuram as quatro partes do Mundo e os quatro elementos personalizados por Deuses ( Ar - Juno; Água - Neptuno; Fogo - Vulcano; Terra - Vénus ). Possui mesa de embutidos de mármore e obrasão de Miguel Pais do Amaral de Almeida. No Salão de Baile é representado O Mundo às Avessas, reproduzindo gravuras francesas, em azulejos e retratos pintados de Simão Pais do Amaral, de Miguel Pais do Amaral e do segundo conde de Anadia. A Sala de Música é totalmente pintada com grutescos. As pinturas em várias salas retratam reis e rainhas da dinastia de Bragança, vários senhores da Casa de Mangualde, paisagens napolitanas e quadro de Vieira Portuense, representando Filipa de Vilhena a armar os filhos cavaleiros. Sala de Jantar ostenta pinturas italianas. Há uma colecção de 350 camafeus que reproduzem obras de arte clássica e do Renascimento, e centenas de gravuras italianas *2 e mobiliário de várias épocas.

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Comercial e turística: casa de turismo de habitação

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 17 / 18 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Gaspar Ferreira (atr., em 1701), António Mendes Coutinho (atr.), José do Couto (1824). CONSTRUTOR: António de Costa Faro (atr.). ENTALHADOR: Luís Pereira da Costa (1730). PEDREIRO: José Ribeiro (atr., séc. 18). PINTORES: Giovanni Leoni (1673), P. Giagenti (1804), Domenico Pellegrini (1806), Cirillo Volkmar Machado (1819), Lanzarotto, Vieira Portuense e Frei Bernardo. PINTOR DE AZULEJO: Sousa Carvalho (1740), Manuel da Silva (atr., 1770)

Cronologia

1654, 8 Junho - Gaspar Paes do Amaral, capitão-mor de Azurara da Beira, efectua testamento, no qual nomeia seu sucessor e administrador da sua capela e morgado de São Bernardo (vínculo instituído em 1646), o seu sobrinho Miguel Paes do Amaral, fidalgo da Casa Real, familiar do Santo Ofício e cavaleiro da Ordem de Avis, que vai acrescentar e renovar as casas do seu antecessor; 1673 - Giovanni Leoni executa uma mesa de embutidos de mármore para a Sala Nobre; 1683 - Miguel Paes do Amaral e sua esposa Ana do Amaral reedificam a capela de São Bernardo, cabeça do morgado, e mandam fazer nova capela-mor; aquisição das casas da Câmara e Cadeia, contíguas ao lado S. do palácio; 1686 - o seu filho, Simão Paes do Amaral, capitão-mor de Azurara da Beira, compra várias casas e terrenos para Sul, onde vai ter lugar a edificação do actual Palácio; 1701-1713 - primeira fase da construção; 1730 - Miguel Paes do Amaral casa com D. Joaquina Teodora Sá de Menezes, unindo a casa de Mangualde às casas de Condeixa e Anadia e dando grande impulso às obras do Palácio; 1730 - retábulo da Capela restaurado pelos entalhador do Porto, Luís Pereira da Costa; 1740 - feitura dos painéis de azulejo do átrio, por Sousa Carvalho, pintor de Coimbra, copiando quadros da Varenia Realle de Turim; 1770 - colocação dos painéis de azulejo no Salão de Baile, efectuados na escola de Coimbra, atribuíveis a Manuel da Silva; 1788 - Miguel Pais do Amaral executa, a tinta da China, os modelos para o tecto de grotesco da Sala da Música; 1790 - alteração na Capela; séc. 18 / 19 - Simão Paes de Menezes e Miguel Paes de Menezes concluem a edificação e fazem obras na quinta, jardins e mata; a obra de pedraria poderá ter estado a cargo de José Ribeiro; 1812 a 1819 - obras de beneficiação e renovação na Capela, com Miguel Pais do Amaral de Almeida Quifel Barberino; séc. 19 - José de Sá Pereira de Menezes, 2º Conde de Anadia adquire várias peças de mobiliário; inúmeros quadros e engrandece a ornamentação do interior do Palácio; execução da tela de São Bernardo por Cirillo Volkmar Machado, para substituir a imagem de vulto da Capela; 1804 - execução do retrato do Conde de Anadia, por P. Giagenti; 1806 - execução do retrato de Simão Pais do Amaral, por Domenico Pellegrini; 1824 - execução de escada de caracol e obras na capela, da autoria do arquitecto José do Couto; 1972, 21 novembro - proposta de classificação da Direcção-Geral dos Assuntos Culturais; 1974, 20 dezembro - parecer da Junta Nacional de Educação de classificação como Imóvel de Interesse Público; 21 dezembro - Despacho de homologação da classificação pelo Secretário de Estado da Cultura; 1978, 29 novembro - proposta da DGEMN para alargamento da classificação aos jardins, mata e quinta; 28 dezembro - parecer favorável da COISPCN; 28 dezembro - Despacho de homologação da ampliação da classificação pelo Secretário de Estado da Cultura; 2007, 14 dezembro - proposta da DRCoimbra de fixação de Zona Especial de Proteção; 2008, 06 fevereiro; parecer favorável; 2009, 21 dezembro - Despacho de homologação da fixação da Zona Especial de Proteção pela Ministra da Cultura; 2018, 28 abril - abertura do edifício ao público.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes / Estruturas mistas.

Materiais

Embasamentos, escadarias, arcos, pilares, molduras, pilastras, cunhais, balaustradas, platibandas e cornijas de cantaria granítica; caixas murárias e abóbadas de alvenaria de granito de aparelho irregular, rebocado; coberturas interiores de madeira; revestimentos azulejares.

Bibliografia

SILVA, Valentim da, Concelho de Mangualde ( Antigo Concelho de Azurara da Beira ), Porto, 1945; ARAÚJO, Ilídio de, Arte Paisagística e Arte dos Jardins em Portugal, Lisboa, 1962; ALVES, Alexandre, O Palácio dos Paes de Amaral, Condes de Anadia, em Mangualde, in Beira Alta, vol. XXXI, Viseu, 1972, pp. 77-88; ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1976, p. 385; Guia de Portugal, vol. III-2, Lisboa, 1994, p. 808; PIMENTEL, António Filipe, Manuel da Silva e a difusão do Barroco nas Beiras, in Actas VI Simpósio Luso-espanhol da História da Arte, Tomar, 1996, pp. 427-455; ALVES, Alexandre, Artistas e Artífices nas Dioceses de Lamego e Viseu, 3 vols., Viseu, 2001; Anacleto, Regina, O Arquitecto José do Couto e as Igrejas Paroquiais de Midões e de Nogueira do Cravo, in Beira Alta, vols. LXI, fasc. 1 e 2, Viseu, 2002, pp. 185-219; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/74602 [consultado em 28 dezembro 2016].

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID: IGESPAR; DRCC

Intervenção Realizada

Observações

*1 - o Conde de Anadia impediu o acesso ao interior do palácio e da capela e recusou-se a prestar quaisquer informações àcerca do monumento. Assim, a descrição dos interiores e respetivo recheio foi feita exclusivamente baseada na bibliografia.

Autor e Data

Madeira Portugal 1991 / Lina Marques 1995

Actualização

Paula Figueiredo 2001
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login