Pelourinho de Chavães

IPA.00004207
Portugal, Viseu, Tabuaço, Chavães
 
Pelourinho seiscentista, de bloco prismático, com soco quadrangular de três degraus, de onde evolui fuste de secção quadrangular, com as arestas truncadas, encimado por bloco cúbico. Ostenta a data de feitura e pequena pirâmide sobre o remate.
Número IPA Antigo: PT011819040003
 
Registo visualizado 191 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição régia  Tipo bloco

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco de três degraus quadrados em esquadria, de onde evolui um fuste monolítico de secção quadrada, com ligeiro chanfro nos ângulos. Remate de bloco quadrangular de maior secção que o fuste, com pequena pirâmide no topo.

Acessos

EN 323, ao Km 61,2 para EM 515; a 11,2 Km para o Lugar de Chavães; a 300 m, no Largo da Praça. WGS84 (graus decimais) lat.: 41,088161; long.: -7,568595

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, em superfície plana, isolado, destacado, harmonizado, em Largo.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 17

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1265 - primeiro foral dado pelos senhores da terra, os Azevedo de Baião; 1269, 27 Setembro - renovação e confirmação do foral, por D. Afonso III *1; 1527 - no Cadastro do Reino, o concelho vem referido como tendo 71 fogos, tendo uma légua de comprimento e meia de largura, confrontando com os termos dos concelhos de Tabuaço, Barcos e Pinheiros, Granja do Tedo, Longa, Arcos, Sendim e Távora; 1537 - a povoação pertencia ao Infante; 1698 - data inscrita no remate, dedusivelmente da sua construção; 1708 - o Padre Carvalho da Costa refere a existência de 160 vizinhos, sendo o governo exercido por um juíz ordinário, dois vereadores, um procurador, um escrivão, um alcaide e uma Companhia de Ordenanças; 1758 - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelos Padre José Rodrigues Penha, a povoação é referida como pertencendo ao bispado e comarca de Lamego, de jurisidição real, tendo 118 fogos; tem juiz ordinário; 1836, 06 Novembro - extinção do concelho, sendo anexado ao de Tabuaço; 1954 - data inscrita no remate relativa à sua transladação para o sítio actual.

Dados Técnicos

Ssitema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

ALMEIDA, Gustavo de, Pelourinho de Chavães, in Correio de Tabuaço, Tabuaço, 1 Novembro 2004, p. 12; CHAVES, Luis, Os Pelourinhos - Elementos para o seu Catálogo Geral, Lisboa, 1939; CORREIA, Alberto, Tabuaço - Roteiro Turístico, Tabuaço, 1997; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; MONTEIRO, J. Gonçalves, Tabuaço, Tabuaço, 1991; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito de Viseu, Viseu, 1998.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 11, n.º 298, fl. 2053-2056)

Intervenção Realizada

Junta de Freguesia de Chavães: 1954 - mudança para o actual local, por imperativos urbanisticos.

Observações

*1 - alguns autores avançam com a data de 27 de Novembro.

Autor e Data

João Carvalho 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login