Palácio dos Viscondes da Carreira / Palácio dos Távoras / Palácio da Carreira / Câmara Municipal de Viana do Castelo

IPA.00004117
Portugal, Viana do Castelo, Viana do Castelo, União das freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela
 
Arquitectura residencial, maneirista barroca e revivalista. Palácio urbano, de planta rectangular irregular resultante de 2 campanhas de obras e com 2 fachadas revelando uma linguagem decorativa diferente: uma linguagem clássica na fachada lateral N. e um neomanuelino revivalista no frontispício *1. A talha do retábulo da capela é barroca, do "estilo nacional". As pinturas decorativas no interior foram executadas pelo pintor vianense João Baptista Rio e os trabalhos de estuque, com algum interesse, são também de artistas locais. Interessantíssimo palácio urbano pelas suas próprias características mas sobretudo, pelo carácter revivalista de finais do séc. 17 que denotarmos numa das suas fachadas.
Número IPA Antigo: PT011609310004
 
Registo visualizado 770 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo planta em L

Descrição

Palácio de planta rectangular irregular, composta por vários corpos na fachada posterior, onde é mais elevado, e tendo pátio interior no ângulo das 2 fachadas principais, uma delas integrando num dos extremos capela sensivelmente avançada. Fachada principal com embasamento de aparelho almofadado e coroada por merlões chanfrados; fenestração simétrica no ritmo ab cd ee dc ba, em que o a corresponde a janela emoldurada ligada a outra de sacada sobre modilhões, de arco bilobado, ladeada por colunelo e encimada por cornija; b - larga porta ladeada por colunelo torso, capitel decorado e rematado em coruchéu de folhas, arco sobrepujado por vários elementos decorativos e encimada por janela com decoração igual à anterior; c - pequena janela ligada a janela de sacada, de arco bilobado e enquadrada por estrutura fortemente esculpida; d - janela simples encimada por uma outra igual à da letra b; e - porta com verga recta sobre colunelo, ligando-se a janela de sacada igual à da letra a. Entre esta e a janela seguinte, brasão em elmo e largo paquife. Fachada secundária com larga cornija e de fenestração também simétrica num ritmo ab cb ab, correspondendo a: a janela de guilhotina emoldurada e ligada a janela de sacada sobre modilhões e com frontão triangular; b - pequena janela emoldurada e ligada a janela com bandeira alta e frontão triangular; c - porta simples ligada a janela de sacada sobre modilhões e com frontão interrompido. No extremo esquerdo, capela com cunhais de aparelho almofadado e pórtico de verga recta entre pilastras apoiando frontão interrompido por brasão esquartelado, elmo e paquife; ladeiam-no 2 cartelas recortados com inscrição. Sobre a cornija, frontão contracurvado, enquadrando janela e ladeado por pináculos. Interior com coro-alto e retábulo de talha dourada. Pátio interior com escadaria de pedra e alpendre sobre colunata dando acesso ao andar nobre, onde as salas são decoradas com pinturas e trabalhos de estuque, de motivos geométricos, naturalistas e figurativos.

Acessos

Rua Cândido dos Reis, Rua dos Bombeiros. VWGS84 (graus decimais) lat.: 41,694875; long.: -8,829786

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG n.º 136 de 23 junho 1910 / ZEP, Portaria, DG, 2.ª série, n.º 149 de 27 junho 1973

Enquadramento

Urbano, adossado, implantação harmónica no centro histórico de Viana. Ergue-se formando gaveto junto à estrada e tendo adossado no lado direito o palácio dos Alpuim (v. PT011609310044). Nas traseiras, amplo pátio.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Política e administrativa: câmara municipal

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Época Construção

Séc. 16 / 17 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ENGENHEIRO: Manuel Pinto Vila Lobos. PINTOR: João Baptista Rio.

Cronologia

1527 - Depois do seu casamento, o comendador Fernão Brandão e esposa Catarina Fagundes constroem casa nos "chãos chamados dos Fagundes", que pertenciam ao arcipestre Rui Anes; 1545, 18 Jun. - instituem o vínculo e dispoêm para seu jazigo a capela de São Bernardo na Igreja Matriz; 1560 - enviuvada, D. Catarina recolheu-se no Convento de Santa Ana, onde morreu em 1584 com o nome de Catarina da Assunção; a casa ficou para a filha Inês Brandão que casara, em 1542, com Rui Gomes de Abreu; 1692 - sua descendente D. Arcângela de Lima Abreu casou com Luís Álvares de Távora, empreendendo nos anos imediatos obras de remodelação do palácio: reconstrução total da fachada N. e acréscimo e enriquecimento da poente; 1759 - devido à perseguição movida aos Marqueses de Távora, acusados de querer assassinar o Rei D. José, a família deixou de usar aquele apelido; 1775 - ali esteve hospedado o Arcebispo de Braga, D. José de Bragança, irmão de D. João V, levando à colocação de pedra de armas na parede do seu quarto, virado para o quintal; 1841, 10 Maio - o Visconde da Carreira, o nosso primeiro embaixador em Roma, apresenta as suas credênciais ao Papa Gregório XVI; 1880, década - pintura de algumas salas do andar nobre pelo pintor vianense João Baptista Rio; 1961, 28 novembro - portaria fixando Zona Especial de Proteção, DG, 2.ª série, n.º 278; 1970, 2 Julho- Dr. Luís Malheiro de Távora de Abreu e Lima vendeu-o à Câmara Municipal, procedendo-se então a obras de restauro e adaptação; 1972 - transferência da Câmara para o palácio, com as obras ainda por acabar.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Alvenaria rebocada e cantaria granítica, ferro nas balaustradas; estuque e pinturas na decoração; talha no retábulo; lajes e madeira no pavimento e telha na cobertura.

Bibliografia

ALPUIM, Maria Augusta d', O Palácio da Carreira in Cadernos Vianenses, vol. 1, Viana do Castelo, 1978, p. 95 - 98; ALPUIM, Maria Augusta d', VASCONCELOS, Maria Emília, Casas de Viana Antiga, Viana do Castelo, 1983; CALDAS, João Vieira e GOMES, Paulo Varela, Viana do Castelo, Lisboa, 1990; FERNANDES, Francisco José Carneiro, Capelas de Viana in Cadernos Vianenses, vol. 6, Viana do Castelo, 1981, p. 154 - 185; GIL, Júlio, Os mais belos palácios de Portugal, Editora Verbo, Lisboa, 1992, p.16 - 19; MOREIRA, Rafael, Do Rigor Teórico à Urgência Prática: A Arquitectura Militar in História da Arte em Portugal, vol. 8, Lisboa, 1986, p. 67 - 85.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1 - Do palácio manuelino iniciado na 2ª década do séc. 16 pouco sabemos, no entanto é notório que as obras que o Engenheiro Militar Manuel Pinto Vila Lobos procedeu nos finais do séc. 17 não se limitaram apenas à regularização e decoração da fachada N. De facto, a grande simetria da fachada poente e até um certo barroquismo decorativo do que se considera manuelino faz-nos acreditar aqui numa forte intervenção, deslocando para esta fachada janelas e portas manuelinas de outros lados ou, mais provavelmente ( e até porque se torna impossível distinguir o original do refeito ) criando-se-as de novo para cômpor a fachada no ritmo pretendido. Se assim for, estaremos frente a um revivalismo estilístico.

Autor e Data

Paula Noé 1992

Actualização

Luísa Estadão 2007
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login