Casa dos Ferrazes Bravos / Casa dos Maias

IPA.00003876
Portugal, Porto, Porto, União das freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória
 
Casa nobre quinhentista, de planta em U, dois pisos e sobreloja.
Número IPA Antigo: PT011312150071
 
Registo visualizado 747 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre    

Descrição

Edifício de dois pisos e sobreloja, de planta em U, adossado nas traseiras a um socalco. A fachada principal voltada para a R. das Flores e orientada a S. tem oito janelas de sacada no 1º piso, com gradeamentos em ferro forjado, e encimadas por frontões em triângulo abatido. Ao nível do r/c e alinhadas com estas aberturas, cinco janelas ovais e seis portas, demarcando-se duas delas mais largas e encimadas pelas pedras de armas iguais: brasões partidos de Bravo e Ferraz. O beiral do telhado bastante saliente apoia-se em cachorros de granito. No pátio das traseiras existe uma capela de planta centralizada octogonal. Este pátio ao nível do 1º piso da casa é todo em lajeado da granito e é definido por um muro de suporte do terreno no qual se insere um golfinho e uma taça que outrora deve ter sido uma fonte. No espaço interior destaca-se um arco de volta inteira ( actualmente entaipado ) entre os dois portais de entrada. Possui uma ampla escadaria de acesso ao andar nobre constituída por dois lanços laterais e um central. Sobre a guarda das escadas apoiam-se de cada lado três colunas de granito, com bases e capitéis.

Acessos

Vitória, Rua das Flores, n.º 21 a 39

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 45/93, DR, 1ª série-B, n.º 280 de 30 novembro 1993

Enquadramento

Urbano. Flanqueado pelas construções que definem a R. das Flores. Harmoniza-se com outros edifícios de características semelhantes inseridos na mesma Rua.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Devoluto

Propriedade

Privada: pessoa colectiva

Afectação

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1521 - Abertura da Rua das Flores ( então Rua Santa Catarina das Flores ); 1528 - Herdado o terreno por Luís Toledo, sua mulher e seus filhos para construir casa nobre; 1542 - Consta já do tombo do Censual da Mitra do Porto como proprietários de casas na Rua das Flores, "da parte de cima" e "em terrenos que foram da Mitra, um fidalgo de nome Ferraz e outro de Manuel Bravo; séc. 18 - Construção da Capela, introdução de elementos decorativos na fachada e outros ornamentos atribuídos a Nicolau Nasoni; séc. 19, segundo quartel - o proprietário é Domingos de Oliveira Maia; séc. 19, meados - Retirada e transferida a talha da Capela para a Capela da Quinta de Vale Abraão, em Chambres, Lamego pela então proprietária, Maria de Serpa Leitão Pimentel *1.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Paredes de alvenaria de granito rebocadas. Cobertura em estrutura de madeira, revestida a telha de barro. Molduras em granito aparente em todas as aberturas da fachada principal. Caixilharias em madeira e vidros transparentes. Guardas das varandas em ferro forjado pintado.

Bibliografia

SOUSA, Francisco de Almeida e ARSÉNIO, Casimiro S., Casas Senhoriais do Porto: A Casa dos Maias, in O Tripeiro, Série Nova - Ano IX / nº 9, Porto, Junho / Julho 1990, pp. 266 - 272.

Documentação Gráfica

CMP: 20780 / 92 - O - 53

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DSID, SIPA

Documentação Administrativa

CMP: 20780 / 92 - O - 53

Intervenção Realizada

1992 - Projecto de Restauro, Remodelação e Ampliação do Solar dos Ferrazes (estudo prévio) da autoria do Arquitecto Duarte de Castro Ataíde Castel-Branco; 1994 - Projecto de Restauro, Remodelação e Ampliação do Solar dos Ferrazes (anteprojecto) da mesma autoria.

Observações

*1 Estas datas e pormenores baseiam-se num artigo sobre Casas Senhoriais do Porto, A Casa Dos Maias, elaborado por Francisco de Almeida e Sousa e Casimiro S. Arsénio, publicado na revista O Tripeiro, Série Nova, ano IX / nº 9, Junho / Julho. Segundo este artigo, o imóvel é mais vulgarmente designado pela "Casa dos Maias", porque, apesar da família de Domingos Oliveira Maia ter ocupado a casa por um curto espaço de tempo, terá sido o período burguês que corresponde ao momento áureo da R. das Flores aquele em que viviam diversas famílias de bom estrato social. Segundo Francisco de Almeida e Sousa e Casimiro S. Arsénio, quando se procedeu à abertura da R. de Santa Catarina das Flores quase todo o terreno era ocupado pelas hortas do Bispo. Umas estavam aforadas à própria Mitra, outras ao Cabido. Foi determinado pelo Bispo que cada casa a construir na nova R. fosse marcada nos seus cunhais com o símbolo do seu foro: S. Miguel Arcanjo para os foros do Cabido, e a roda de Navalhas de Santa Catarina para os da Mitra. A Casa dos Ferrazes Bravos já no documento de posse de Luís Toledo referia a marca da roda de Santa Catarina a ser colocada na padieira da porta. Pode apreciar-se esta marca nas duas pilastras de remate da fachada principal. As pedras armoriadas, com escudo em granito de grão fino de contornos ao gosto quinhentista, encaixam em movimentadas linhas de volutas e contravolutas assentando nas duas aberturas da sobreloja ao gosto barroco.

Autor e Data

Isabel Sereno 1994

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login