Torre de Vigia / Atalaia / Torre do Atalaião

IPA.00003735
Portugal, Portalegre, Portalegre, União das freguesias da Sé e São Lourenço
 
Na Época medieval desempenhava funções de atalaia, fortalecida, provavelmente no Séc. 17, com um embasamento escarpado.
Número IPA Antigo: PT041214090021
 
Registo visualizado 645 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Militar  Atalaia    

Descrição

Torre escarpada roqueira de planta rectangular. Fachada NE., desmoronada, com dois mata-cães nos cunhais. A fachada NO. apresenta uma porta que dá acesso ao interior, faltando-lhe o arco da verga; na parte superior, arruinada, possui um mata-cães. A fachada SO. tem uma janela de forma rectangular com moldura de granito e três mata-cães. A fachada SE. possui dois mata-cães muito arruinados. O interior é uma ruína, distinguindo-se três compartimentações, intercomunicantes na zona central; o pavimento apresenta inúmeros afloramentos rochosos. Possui adarve parcialmente destruído ou eliminado e muitas lápides evocativas.

Acessos

Junto ao Bairro do Atalaião, em Portalegre, do lado esquerdo da EM. que vai para a Serra de São Mamede, passando pelo Posto Meteorológico. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,293080; long.: -7,423317

Protecção

Em vias de classificação (Homologado como IIP - Imóvel de Interesse Público, Despacho setembro 1985)

Enquadramento

Rural, isolado na Serra de Portalegre, a 568,5 m de altitude, mas sobranceiro à cidade, constituindo um miradouro espectacular sobre a mesma e sobre o território alentejano que se estende para S..

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Militar: atalaia

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Época Construção

Séc. 13 / Época moderna

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1290 - reconstrução do castelo e muralhas de Portalegre por D. Dinis; Época medieval - construção; Época moderna - adaptação; 1704 - data da elaboração da mais antiga gravura que contempla a torre; 1996 - desmoronamento da fachada NE..

Dados Técnicos

Edifício monovolume construído sobre afloramentos rochosos, de base intencionalmente quadrada, de aspecto atarracado com embasamento escarpado, construído em alvenaria de pedra posta à fiada e argamassa de cal, com vestígios de reboco exterior. Sobre os cachorros dos mata-cães foram levantadas paredes de protecção em alvenaria de tijolo.

Materiais

Granito, tijolo, argamassa de cal.

Bibliografia

ALMEIDA, João de, Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses, Lisboa, 1946; BUCHO, Domingos, Portalegre Medieval: Subsídios para a sua leitura urbanística, A Cidade, Revista Cultural de Portalegre, nº 8 (Nova Série), Portalegre, 1983; MÃO DE FERRO, Palmira Maria, A Torre do Atalaião, (texto policopiado: Escola Superior de Educação de Portalegre), s.d..

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID; Direcção-Geral de Turismo

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; Direcção-Geral de Turismo

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSARH; Direcção-Geral de Turismo; Câmara Municipal de Portalegre

Intervenção Realizada

Observações

Antes de se desmoronar, a fachada NE. apresentava uma porta em vão rectangular com a soleira a cerca de 1,5 m do solo e cinco mata-cães. Integra um projecto turístico que aguarda aprovação. Atalaião constitui o cenário que enquadra o drama do nisense José Dinis da Graça Mota e Moura, O Alferes de Tolosa, escrito em 1854. A torre faz parte do sistema defensivo das fortificações de Portalegre (PT041214090066).

Autor e Data

Rosário Gordalina 1992 / Domingos Bucho 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login