Povoação de Alegrete / Aldeia de Alegrete

IPA.00003706
Portugal, Portalegre, Portalegre, Alegrete
 
Núcleo urbano sede de freguesia. Aldeia situada em colina na fronteira do Alentejo. Vila medieval de jurisdição régia com castelo e cerca urbana.
Número IPA Antigo: PT041214020029
 
Registo visualizado 405 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto urbano  Aglomerado urbano  Povoação  Vila medieval  Vila fortificada  Régia (D. Dinis)

Descrição

Acessos

EM517-2, EM1044

Protecção

Inclui Castelo de Alegrete (v. PT041214020010) / Incluído na Área Protegida da Serra de São Mamede (v. PT041214020015) / PDM - Plano Diretor Municipal, Declaração n.º 324-A/2007, DR, 2.ª série, n.º 227 de 26 novembro 2007

Enquadramento

Implantado em colina, na unidade de paisagem da Serra de São Mamede (v. PT041214020015). Situa-se no sopé poente da Serra de São Mamede entre as cotas altimétricas 475 m (castelo e cerca urbana) e 450 m (arrabalde), na transição da serra para a peneplanície alentejana. A paisagem é caracterizada por um relevo acidentado, marcado por cristas quartizíticas que culminam no alto de São Mamede (1025 m). A ocupação do território é essencialmente florestal (carvalho negral, castanheiro e sobreiro), com algumas pastagens. Nas proximidades da aldeia correm as ribeiras de Ninho do Açor e Nasce água. Alegrete localiza-se a cerca de 13,5 km, a SE., de Portalegre, sede do concelho.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Não aplicável

Utilização Actual

Não aplicável

Propriedade

Não aplicável

Afectação

Não aplicável

Época Construção

Séc. 13 / 14 / 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1267 - Incorporação de Alegrete na coroa portuguesa com o tratado de Badajoz; 1319 - concessão de carta de foral por D. Dinis, edificação do castelo e muralha; 1517, 14 fevereiro - concessão de foral novo por D. Manuel I; 1687 - nomeação do 1.º marquês de Alegrete, D. Manuel Teles da Silva, 2.º conde de Vilar-Maior, por D. Pedro II; 1706 - tem 250 vizinhos, e continua a pertencer nominalmente ao 2.º conde de Vilar-Maior; 1758 - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco José António Teixeira Rebelo, é referido que a vila, com 206 vizinhos e 938 pessoas, é da coroa, e pertence ao bispado e comarca de Portalegre; a sua igreja é de comenda, da qual beneficia o marquês de Alegrete; 1855 - extinção do concelho de Alegrete, passando para a jurisdição de Portalegre; 1891 - iluminação pública da vila, com a instalação de 6 candeeiros a petróleo; 1906 - inauguração da fonte da Carreira, com bicas com água canalizada; 1955 - iluminação elétrica da vila.

Dados Técnicos

Não aplicável

Materiais

Não aplicável

Bibliografia

ARMAS, Duarte de, Livro das Fortalezas, Lisboa, INAPA, 1990; COSTA, António Carvalho da, Corografia Portuguesa, Lisboa, 1706, tomo II, p. 573; PARENTE, João Manuel Marques, Alegrete histórico, urbano e rural, Lisboa, Colibri, 2003; http://www.cm-portalegre.pt/m/foral_alegrete/01_iframe.htm, março 2011.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: SIPA, Arquivo pessoal de Frederico George.

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais, vol. 2, nº 41, pp. 273-276.

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Anouk Costa 2012

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login